Vous êtes sur la page 1sur 27

TURBINA A VAPOR

GERSON SCHAFFER - UEMS

INTRODUÇÃO O QUE É UMA TURBINA A VAPOR

As turbinas a vapor são máquinas rotativas, as

quais transformam a energia interna e cinética do vapor em energia cinética rotativa no seu eixo.

Essa energia pode ser utilizada para o acionamento de compressores, ventiladores e

bombas para fins quaisquer, ou ainda,

acionando um gerador síncrono, com o objetivo de converter energia mecânica em energia elétrica.

INTRODUÇÃO – O QUE É UMA TURBINA A VAPOR As turbinas a vapor são máquinas rotativas,

COGERAÇÃO - CONCEITO

A cogeração é uma solução de engenharia, aplicável para determinados usuários de energia, que pode, viabilizar economicamente a auto-produção de energia.

Melhor definida na língua inglesa como CHP (combined heat and power), a cogeração é usualmente entendida como a geração simultânea, e combinada, de energia térmica e energia elétrica ou mecânica, a partir de uma mesma fonte.

A vantagem principal, e inicial, é o maior aproveitamento da energia contida na fonte,

reduzindo consideravelmente os custos de produção da energia nas duas formas citadas.

COGERAÇÃO - CONCEITO A cogeração é uma solução de engenharia, aplicável para determinados usuários de energia,

CICLO TERMODINÂMICO COGERAÇÃO

As plantas de cogeração mais comuns são

concebidas com caldeira e turbina a

vapor, utilizando o ciclo termodinâmico de Rankine.

O combustível, fonte de toda a energia

produzida pela planta, é introduzido para

queima numa caldeira e o vapor gerado, de alta pressão, é levado a uma turbina a vapor, de contrapressão ou de

condensação com extração, que aciona o

gerador elétrico.

CICLO TERMODINÂMICO COGERAÇÃO As plantas de cogeração mais comuns são concebidas com caldeira e turbina a

FUNCIONAMENTO TURBINA A VAPOR

Primeiro lugar

Há necessidade de possuirmos vapor

d’água (vindo de uma caldeira ou

gerador de vapor) com uma certa temperatura de preferência o vapor deverá ser seco ou, por outras palavras, não conterá umidade (que

é prejudicial ao funcionamento da turbina). Este vapor é chamado vapor

vivo ou superaquecido. Para cada

nível de pressão há tratamentos diferenciados da água de caldeira.

Segundo lugar Devemos entender que o vapor sob pressão e com alta temperatura possui alta energia - energia potencial.

A energia potencial é aquela que se encontra disponível, “represada”, aguardando apenas a abertura de uma válvula ou comporta para que

ela se torne efetivamente utilizável.

FUNCIONAMENTO TURBINA A VAPOR

Terceiro lugar

Vem finalmente a nossa turbina. Ela possui logo na entrada, uma válvula de controle que se abre na medida exata para

permitir a passagem da quantidade de

vapor vivo, necessária para o uso na turbina, nas condições de operação em que ela se encontra (válvula governador).

FUNCIONAMENTO TURBINA A VAPOR Terceiro lugar Vem finalmente a nossa turbina. Ela possui logo na entrada,

Logo depois, o vapor chega a uma câmara, onde existe uma série de perfis especiais, chamados bocais, ou também expansores.

FUNCIONAMENTO TURBINA A VAPOR

Em outras palavras, quando o vapor passa pelos bocais, ele se expande. A expansão quer dizer: perda de pressão, junto com aumento de volume e com algum abaixamento de temperatura, ou seja o vapor perdeu parte da energia potencial que possuía. E que ganho com isso?

O vapor ganhou velocidade.

Ao passar pelo bocal ou expansor, o vapor troca parte da sua energia potencial por energia cinética. Esta última forma de energia tem muito a ver com a

mecânica, pois está ligada à velocidade.

O aproveitamento da energia cinética para obtenção de

trabalho mecânico pode ser feito de duas maneiras,

princípios de ação, e de reação.

FUNCIONAMENTO TURBINA A VAPOR Em outras palavras, quando o vapor passa pelos bocais, ele se expande.

CLASSIFICAÇÃO DAS TURBINAS AÇÃO E REAÇÃO

As duas maneiras básicas, pelas quais e

possível aproveitar a energia cinética obtida no expansor, para realização de

trabalho mecânico: o princípio da ação e o princípio da reação

CLASSIFICAÇÃO DAS TURBINAS AÇÃO E REAÇÃO

Se o expansor for fixo e o jato de vapor dirigido contra um anteparo móvel, a

força de ação do jato de vapor irá deslocar o anteparo, na direção do jato, levantando o peso W.

Se, entretanto o expansor puder mover-se, a força de reação, que atua sobre

ele, fará com que se desloque, em direção oposta do jato de vapor, levantando

o peso W.

Em ambos os casos a energia do vapor foi

transformada em energia cinética no expansor e esta energia cinética, então, convertida em trabalho.

DIREÇÃO DO ESCOAMENTO DO VAPOR

Axial: O vapor escoa paralelamente pelo eixo de rotação da turbina. Radial: O vapor escoa radialmente ao eixo de rotação da turbina.

DIREÇÃO DO ESCOAMENTO DO VAPOR • Axial : O vapor escoa paralelamente pelo eixo de rotação

Álabe = pá

Rodete = rotor

TURBINA DE CONTRAPRESSÃO E

CONDENSAÇÃO

. Turbinas de contrapressão: a pressão de escape é maior que a pressão atmosférica. Nesse caso, o vapor será aproveitado para um processo qualquer. · Turbinas de condensação: a pressão de escape é menor que a pressão atmosférica. Este tipo de turbina é mais utilizada para aproveitamento total da energia do vapor, o qual é condensado após a saída da turbina por um condensador. · Turbinas com extração: Possível tanto para turbinas de contrapressão quanto de condensação. É realizada uma retirada de vapor em um ponto intermediário da turbina, para ser aproveitado em outro processo. Tanto para turbinas de ação como de reação, é possível controlar a vazão de extração.

TURBINA DE CONTRAPRESSÃO

TURBINA DE CONTRAPRESSÃO

TURBINA DE CONDENSAÇÃO

TURBINA DE CONDENSAÇÃO

COMPONENTES DE UMA TURBINA A VAPOR

ELEMENTOS DE CONSTRUÇÃO DE TURBINAS A VAPOR

ESTATOR (RODA FIXA)

É o elemento fixo da turbina (que envolve

o rotor)

cuja

função é transformar a energia potencial (térmica) do vapor em energia cinética através dos distribuidores;

ROTOR (RODA MÓVEL)

É o elemento móvel da turbina (envolvido pelo estator) cuja função é transformar a energia cinética do vapor em trabalho mecânico através dos receptores fixos.

ELEMENTOS DE CONSTRUÇÃO DE TURBINAS A VAPOR

EXPANSOR

A função do expansor

é orientar

o

jato de

vapor sobre

as palhetas

móveis. No expansor o vapor perde pressão e ganha velocidade.

ELEMENTOS DE CONSTRUÇÃO DE TURBINAS A VAPOR EXPANSOR A função do expansor é orientar o jato

ELEMENTOS DE CONSTRUÇÃO DE TURBINAS A VAPOR

PALHETAS

Palhetas móveis são aquelas fixadas ao rotor, enquanto que palhetas fixas são fixadas no estator.

As palhetas fixas (guias, diretrizes) orientam o vapor para a coroa de palhetas

móveis seguinte.

As palhetas móveis, são peças com a finalidade de receber o impacto do vapor proveniente dos expansores (palhetas fixas) para movimentação do rotor.

Palhetas Móveis Palhetas Fixas

Palhetas Móveis

Palhetas Móveis Palhetas Fixas

Palhetas Fixas

DIAFRAGMAS

São

constituídos

por

dois

semicírculos, que separam os

diversos estágios

de

uma

turbina de ação multi-estágio. São fixados no estator,

suportando

os

expansores

e

“abraçando” o eixo sem tocá-lo.

DIAFRAGMAS São constituídos por dois semicírculos, que separam os diversos estágios de uma turbina de ação

ELEMENTOS DE CONSTRUÇÃO DE TURBINAS A VAPOR

VÁLVULAS DE CONTROLE DE ADMISSÃO

Após estabilizada, a turbina opera entre condições de vapor estáveis, nas quais as variações da carga devem ser

atendidas por meio do controle da vazão de vapor admitida na

máquina. Esta função é executada, automaticamente, pelas válvulas de controle de admissão, sob controle de um

dispositivo, o regulador (governador).

VÁLVULAS DE BLOQUEIO AUTOMÁTICO

Desarme Rápido

A maneira usual de parar uma turbina a vapor é pelo fechamento rápido de uma válvula, chamada válvula de bloqueio automático, colocada em série com válvula de controle de admissão, o que corta totalmente a admissão de vapor para a turbina.

VÁLVULAS DE BLOQUEIO AUTOMÁTICO Sobrevelocidade

VÁLVULAS DE BLOQUEIO AUTOMÁTICO Sobrevelocidade Consiste de um pino excêntrico mantido em seu alojamento, no eixo

Consiste de um pino excêntrico mantido em seu alojamento, no eixo da turbina, pela força de uma mola, que contraria a força centrífuga, que tende a expulsar o pino de seu alojamento. A força centrífuga sobre o pino de “tripaumenta à medida que aumenta a rpm da turbina. Quando é atingida uma determinada velocidade, conhecida como velocidade de “trip”, a força centrífuga sobre o pino de “trip” vence a força da mola e o pino de “tripé expulso do seu alojamento, acionando o gatilho de “trip” ,provocando o fechamento da válvula de bloqueio automático e a parada da turbina.

FATORES QUE INFLUENCIAM DESGASTE EM TURBINAS

Manutenção e Reparo de Turbinas a Vapor

Segmentos Injetores

Alguns problemas possíveis: bordas de saída do vapor

desgastadas devido a impacto de partículas sólidas; impacto por elementos sólidos.

Pontos de Desgaste em Turbinas

Pelo Processo

Qualidade do Vapor

Temperatura de Trabalho

Umidade de Vapor Partículas Estranhas Procedimentos de Paradas e Partidas