Vous êtes sur la page 1sur 76

Instrutora: Rosemeire Moreira

2
Toda substância (sólida, líquida ou gasosa), que quando
fora de seu recipiente, pode causar riscos para a saúde,
ao meio ambiente ou ao patrimônio.

A Resolução 420/2004 da ANTT relaciona cerca


de 3.500 produtos perigosos.
DECRETO
FEDERAL
96.004

DECRETO
CNEN ABNT/NBR ESTADUAL
56.819/11

IT 32/2011
FENÔMENOS FÍSICOS

São aqueles que não alteram a constituição


íntima da matéria, não formam novas
substâncias e podem ser repetidos várias vezes.
ESTADO FÍSICO DA MATÉRIA

SÓLIDO LÍQUIDO GASOSO


VIDEO

SOBRE O MAIOR ACIDENTE QUÍMICO DA


HISTÓRIA “BOPHAL”

https://www.youtube.com/watch?v=i3mgUcZSBYg&t=86s

7
VIAS DE ACESSO DE PRODUTOS
QUÍMICOS
Vias Respiratória

Derme / Cutânea/ Pele

Digestiva/Oral
Prioridade Operacional
A primeira prioridade deverá ser salvar vidas

- Preservar e manter a vida;

- Remoção rápida da área de risco;

- Promover a ventilação da vítima com equipamentos de


pressão positiva;

- Deve-se tomar cuidado com a contaminação dos


produtos presentes no meio ambiente.

10
Identificação de Produto
Binóculo que apresente bom alcance e qualidade de visualização.

TER UM EQUIPAMENTO COMO ESTE, EVITA QUE VOCÊ


IDENTIFIQUE O PRODUTO, PARA AGIR COM SEGURANÇA. 11
Painel de Segurança
e Comunicação de Riscos

• Cor alaranjada
•Tamanho mínimo: 140 mm x 350mm

336 Número de Risco

1203 Número da ONU


Significado do Número da Organização
das Nações Unidas (ONU)

• O número da ONU representa um produto perigoso específico.

• O número ONU tem o mesmo significado para todos os Países


membros.
Significado do Número de Risco
Exemplos:
Sólido Inflamável que reage perigosamente com água
desprendendo gases inflamáveis

X 423

2257
Significado do Número de Risco

X
• A letra antes dos algarismos significa que a substância reage
perigosamente com água;

• A repetição do mesmo número indica aumento da intensidade daquele


risco.
16
PICTOGRAMAS PARA O TRANSPORTE

5.1

Explosivo Gás, Líquido e Aerossol Oxidantes Peróxidos


Inflamáveis

4
4

Gás comprimido Sólido


inflamável Pirofórico

Em contato com a
Tóxico corrosivo
água,
RÓTULO DE RISCO: é a simbologia utilizada a fim de visualizar e
distinguir a classe de risco a qual o produto perigoso pertence
RÓTULO DE RISCO: é a simbologia utilizada a fim de visualizar e
distinguir a classe de risco a qual o produto perigoso pertence
Moldura do Rótulo
Limite de Corte
Linha na mesma cor do símbolo
que determina o limite daSímbolo
Pictograma, moldura
de identificação do risco

*Texto indicativo da
natureza do risco
(opcional)

Nº da classe de risco
COMO IDENTIFICAR OS PRODUTOS
PERIGOSOS?
Por exigência da legislação, as embalagens devem estar identificadas
com símbolos, indicando o tipo de risco ao qual o usuário ou
ambiente se expõe.
POR ISSO, CERTIFIQUE-SE SEMPRE:

Como agir em caso de acidentes (FISPQ)


A presença do nome do produto
Nome do fabricante
Indicação do modo de uso
Data de fabricação
Validade
Kit adequado lacrado
CLASSE DE RISCO
Classe 1 - EXPLOSIVOS
GASES, com as seguintes subclasses:
Subclasse 2.1 - Gases inflamáveis;
Classe 2 -
Subclasse 2.2 - Gases não-inflamáveis, não-tóxicos;
Subclasse 2.3 - Gases tóxicos.
Classe 3 - LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS
Esta classe se subdivide em:
Subclasse 4.1 - Sólidos inflamáveis;
Classe 4 -
Subclasse 4.2 - Substâncias sujeitas a combustão espontânea;
Subclasse 4.3 - Substâncias que, em contato com a água, emitem gases inflamáveis.
Esta classe se subdivide em:
Classe 5 - Subclasse 5.1 - Substâncias oxidantes;
Subclasse 5.2 - Peróxidos orgânicos.
Esta classe se subdivide em:
Classe 6 - Subclasse 6.1 - Substâncias tóxicas (venenosas);
Subclasse 6.2 - Substâncias infectantes.
Classe 7 - MATERIAIS RADIOATIVOS
Classe 8 - SUBSTÂNCIAS CORROSIVAS
Classe 9 - SUBSTÂNCIAS PERIGOSAS DIVERSAS
CLASSES DE RISCO
BASE DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS

 Símbolos/pictogramas
 Palavras de Advertência
 Frases de Perigo
 Medidas Preventivas / Declaração ou frase de segurança
 Identificação do produto químico/revelação da
composição dos ingredientes
SÍMBOLOS/PICTOGRAMAS NO GHS

 Os mesmos símbolos (quando são comuns) e formas dos pictogramas para


transporte e estoque
 Pictogramas do transporte: cor do fundo e símbolo de acordo com o
especificado no modelo da regulamentação.
 Pictogramas para estoque: símbolo de cor preta em fundo branco com
moldura vermelha

5.1
27
28
Sistema Harmonizado Globalmente para a Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos

UMA ABORDAGEM SIMPLES E COERENTE PARA:

• definição e classificação de “perigos”

• comunicação de informações através de Rótulos e


Fichas de Informação de Segurança (FISPQ).
Sistema Harmonizado Globalmente para a Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos

 O GHS fornece a todos os países uma estrutura para


classificar e rotular produtos químicos perigosos.

 Ajuda a assegura que sejam fornecidas informações


importantes sobre todos produtos químicos importados e
exportados mundialmente.

 As informações formam a base dos sistemas para a gestão


segura de produtos químicos em todo o mundo.
SÍMBOLOS/PICTOGRAMAS NO GHS

 Símbolo “peixe e árvore” para perigo ao meio ambiente (sob


consideração para o transporte);

 “Ponto de exclamação” para nocivo à saúde;

 “Novo símbolo” para perigos crônicos à saúde


!
Pictogramas do GHS

explosivos inflamável oxidante corrosivo

Toxicidade aguda
PERGUNTAS PARA FORMULACÃO DO
PLANO TÁTICO

 Que tipo de produto?


 Qual o nome dos produtos e dados de segurança?
 Qual o fabricante?
 Em que tipo de recipiente está acondicionado?
 Onde e como está acondicionado?
 Qual o volume de material no local?

35
PERGUNTAS PARA FORMULACÃO DO
PLANO TÁTICO

 Qual o estado do material?


 Qual a distância de segurança?
 Existem outros materiais perigosos no local?
 Quais as condições climáticas?
 Alguém foi exposto ao produto?
 Existe Plano de Ação de Emergência em vigor?

36
IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO:
INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS
 Natureza do problema;
 Identificação do produto;
 Condições do local de armazenamento ou transporte;
 Condições climáticas;
 Presença ou não de fogo;
 Lapso de tempo desde o início do acidente;
 Situação das vítimas e do meio ambiente;
 Número de vítimas;
 Perigo e risco de novas vítimas, impactos ou danos.

37
Cenários para Identificação de
Produtos Perigosos

38
SUBSTÂNCIAS NÃO IDENTIFICADAS

MANTENHA DISTÂNCIA

39
2º Prioridade Operacional:
Isolamento e Divisão em áreas de trabalho

ZONA MORNA
VENTO
Redução de Contaminação

ZONA
QUENTE
Exclusão

PONTOS
DE ACESSO
POSTO
DE
ZONA FRIA COMANDO
Suporte
Corredor de
Descontaminação

41
ÁREA DE SUPORTE / LOGÍSTICA

DIREÇÃO
DIREÇÃO DO
DO VENTO
VENTO

POSTO DE COMANDO
ZONA QUENTE
CORREDOR DE
DESCONTAMINAÇÃO

ZONA MORNA

ZONA FRIA

ÁREA DE ATENÇÃO MÉDICA DE EMERGÊNCIA

TV
SETOR DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO
42
Procedimentos utilizados para o atendimento de
emergência com produtos perigosos

Aproximar-se da cena com vento pelas costas, tomando como


referência o ponto do:

• Derrame para líquidos;


• Escapes ou fugas para gases;
• Tombamento para sólidos.

43
Procedimentos utilizados para o
atendimento de emergência com produtos
perigosos
• Certificar-se se há vítimas e vazamentos;

• Identificar o produto através de rótulo de risco, painel de segurança

ou documentos e embarque;

• Aproximar-se seguindo os Guias de Emergência;

• Não socorrer vítimas que estão contaminadas pelo produto.

44
ROUPAS DE PROTEÇÃO
QUÍMICA
Níveis de Proteção

Nível A: para PP desconhecido ou que ataca


violentamente a pele e a respiração;
Nível B: o PP é identificado como agressor ao
sistema respiratório, porém ataca em nível
secundário a pele;
Nível C: o PP ataca a pele e a respiração em níveis
secundários. Respingos químicos;
Nível D: uniforme não projetado para lidar com PP.

46
ROUPAS DE PROTEÇÃO
QUÍMICA
ROUPAS DE PROTEÇÃO QUÍMICA

CLASSIFICAÇÃO:

AMERICANA - EPA EUROPÉIA


1 -PROTEÇÃO NÍVEL A 1 – TIPO 1

2 – PROTEÇÃO NÍVEL B 2 – TIPO 2

3 – PROTEÇÃO NÍVEL C 3 – TIPO 3

4 – PROTEÇÃO NÍVEL D 4 – TIPO 4


5 – TIPO 5
6 – TIPO 6
NÍVEL A

NÍVEL A OU TIPO 1;
ROUPAS TOTALMENTE
ENCAPSULADAS, DESTINADAS À
PROTEÇÃO CONTRA GASES.

NÍVEL MÁXIMO DE PROTEÇÃO


NÍVEL B

NÍVEL B OU TIPOS 2 E 3;
ROUPAS ENCAPSULADAS OU NÃO,
DESTINADAS À PROTEÇÃO CONTRA
LÍQUIDOS.

NÍVEL ALTO DE PROTEÇÃO


NÍVEL C

NÍVEL C OU TIPOS 4 E 5;
ROUPAS PARA PROTEÇÃO CONTRA
PARTÍCULAS SÓLIDAS E RESPINGOS DE
PRODUTOS LÍQUIDOS.

NÍVEL MÉDIO DE PROTEÇÃO


NÍVEL D

NÍVEL D OU TIPO 6;
ROUPAS PARA PROTEÇÃO PARCIAL
CONTRA PARTÍCULAS SÓLIDAS OU
RESPINGOS DE PRODUTOS LÍQUIDOS.

MENOR NÍVEL DE PROTEÇÃO


4º PROCEDIMENTO OPERACIONAL:

DESCONTAMINAÇÃO

53
Estação 2 - Procedimentos
Lavagem e rinsagem de botas, luvas e roupas

54
Estação 2 - Procedimentos
Lavagem e rinsagem de botas, luvas e roupas
Descarte de resíduos

• Resíduos líquidos e sólidos: responsabilidade do fabricante e


do transportador. Alternativamente, podem ser neutralizados
ou incinerados (com orientação de um técnico)

• EPI que não puderem ser descontaminados ou forem


danificados devem ser incinerados.

56
Conclusões
O Corredor de Descontaminação é um sistema simples, barato e
eficaz.

Exige treinamento.

Representa um aprimoramento técnico-profissional dos Bombeiros.

É importante a integração com empresas participantes de planos de


auxílio mútuo e órgãos de Defesa Civil.

Padronizar significa garantir a segurança.

57
Métodos Físicos
• Absorção;
• Cobertura;
• Diluição;
• Retenção por dicagem ou barragem;
• Dispersão de Vapores;
• Reembalagem;
• Tamponamento;
• Transferência (Transbordo);
• Supressão de Vapores;
• Despressurização.

58
MATERIAIS
ESTANCAR O VAZAMENTO

Batoques

 Madeira
 Bronze
 Neoprene

60
61
62
63
Derramamento o que fazer?

Kit para quimioterápicos Kit para produtos perigosos

64
Kit para derramamento

Kit para quimioterápicos Kit para produtos perigosos

A reposição do Kit será feita pelos Bombeiros, através do preenchimento de uma ficha
de solicitação, com justificativa do ocorrido
INSPEÇÃO DE KITS PARA PP

Mapa de inspeção de kits para contenção de Produtos Perigosos - Ibirapuera


Andar QM PP REVEL Hemorragico RAD Setor Gestor Observação
Terreo

Terreo

Terreo
1º Piso

1º Piso

1º Piso

66
REGISTROS

67
ETAPAS DO ATENDIMENTO PRÉ-
HOSPITALAR
PRODUTOS PERIGOSOS

68
ETAPAS DO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR
COM PRODUTOS PERIGOSOS

69
ETAPAS DO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR
COM PRODUTOS PERIGOSOS

70
ETAPAS DO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR
COM PRODUTOS PERIGOSOS

71
RISCOS RELACIONADOS
Existe uma série de eventos ou condições que podem atuar de forma isolada
ou conjugada, facilitando a exposição dos organismos aos agentes tóxicos:

- Explosões;

- Vapores de líquidos inflamáveis ou combustíveis;

- Gases tóxicos ou inertes;

- Substâncias oxidantes;

- Substâncias radioativas;

- Vapores corrosivos; etc.

72
RISCOS RELACIONADOS
Existe uma série de eventos ou condições que podem atuar de forma isolada
ou conjugada, facilitando a exposição dos organismos aos agentes tóxicos:

Explosões

Vapores de líquidos ou combustíveis

Gases tóxicos ou inertes;

Substâncias oxidantes

Substâncias radioativas

Vapores corrosivos; etc.


73
IT 32/2011– Produtos perigosos em edificações e áreas de risco no manuseio de
produtos perigosos.

CNEN-NE 6.02 – Licenciamento de instalações radiativas.

CNEN-NE 1.04 – Licenciamento de instalações nucleares.

CNEN-NE 6.04 – Funcionamento de instalações de radiografia industrial.

CNEN-NN 2.04 – Proteção contra incêndio em instalações nucleares do ciclo do


combustível.

CNEN-NN 2.03 – Proteção contra incêndio em usinas nucleoelétricas.


NBR 7195 – Cores de segurança.

NBR 7500 – Identificação para o transporte terrestre, manuseio, movimentação e


armazenamento de produtos.

NBR 7503 – Transporte terrestre de produtos perigosos - Ficha de emergência e


envelope.

NBR 7501 – Transporte terrestre de produtos perigosos.

NBR 14725 – FISPQ.


NBR 7504 – Envelope para transporte de produtos perigosos - Características e
dimensões.

NBR 9735 – Conjunto de equipamentos para emergências no transporte de produtos


perigosos.

NBR 14064 – Atendimento a emergência no transporte de produtos perigosos.

NBR 14095 – Área de estacionamento para veículo rodoviário de produtos perigosos.

NFPA 801, Fire Protection for Facilities Handling Radioativite Materials, 1998
edition.