Vous êtes sur la page 1sur 79

Universidade do Estado do Amazonas

Escola Superior de Tecnologia

Disciplina: Elementos de Máquinas

Aula 9
Prof: Dr. Antonio Claudio Kieling
email: antonio.kieling@yahoo.com

1
TEMA V. ACOPLAMENTOS.
V.1- Introdução.
V.2. Conceito.
V.3. Classificação.
V.4. Cálculo e eleição do acoplamento.
V.5. Exemplo.
Introdução

Ao transportar torque de um eixo motor para um eixo


movido, alguns elementos de máquinas são utilizados para
este fim.

No momento estudaremos os acoplamentos que servem


como união de dois eixos alinhados, transmitindo a mesma
rotação entre o eixo motor e o eixo movido.

3
Conceito
Acoplamentos são uns conjuntos mecânicos, constituídos
de elementos de máquina, empregado na transmissão de
movimento de rotação entre duas árvores ou eixos-árvore.
Definição de acoplamento
Os acoplamentos são conjuntos autônomos que unem árvores.
A união pode ser Não Permanente (embragens) ou Permanente.

Elementos de Partes de um
união acoplamento
Acoplamento na línha de transmissão.

Os acoplamentos têm por função:


Prolongar linhas de transmissão de eixos.
Conectar zonas de diferentes eixos, estejam ou não alinhados
entre se.
Classificação Geral
Permanentes.
(acople ou couplings)

Acoplamentos

Não Permanentes.
(embreagem ou clutches)
Acoplamentos não permanentes.
Embreagem
centrífuga
Acoplamentos não permanentes.
Embreagem
hidrocinético
Acoplamentos não permanentes.
Embreagem
de disco de
fricção
Acoplamentos permanentes

Compensadores de
Rígidos
Desalinhamentos

móveis articulados elásticos

metálicos não metálicos


Elásticos:

Tem a finalidade de absorver os picos de torque


do motor, choques de carga, vibrações perigosas
e desalinhamentos, protegendo os componentes
das máquinas acopladas.

12
Fixo ou rígido:

Servem para unir árvores de tal maneira que funcionem


como se fossem uma única peça, alinhando as árvores de
forma precisa

Serve como complemento de segurança, quando houver


um pico de torque, um pino arrebenta impedindo a
danificação da máquina.

Este tipo não pode ser montado onde há possibilidade de


desalinhamento dos eixos.

13
Acoplamentos Rígidos.
Características:
Apropriados para uniões estritamente coaxiais.

Não são apropriados para desalinhamentos, pois com


desalinhamento transmitem grandes momentos fletores e
forças que afetam árvores e apoios e geram elevadas
temperaturas e vibrações.

Não devem usar-se em equipes com freqüentes arranques e


paradas
Acoplamentos Rígidos.

O Acoplamento de bridas.
Classifica como o
acoplamento rígido mais
difundido.

São apropriados para uniões


estritamente coaxiais.

Mtorçor = 8 – 45000 Nm
nmax = 1000 – 1500 rpm.
Acoplamentos Rígidos.

Mtorçor = 25 – 95000 Nm
nmax = 5000 rpm.
Acoplamento de casquilho. É dos acoplamentos rígidos de
menor tamanho o mais difundido em altas velocidades.
Podem ser encontrados de grandes dimensões para grandes
carrega.
São muito simples e de fácil montagem.
Têm opções de casquilho partido.
Acoplamento rígido com flanges parafusados

Esse tipo de acoplamento é utilizado quando se pretende


conectar árvores, e é próprio para a transmissão de grande
potencia em baixa velocidade.
Acoplamento com luva de compressão ou de aperto.

Esse tipo de luva facilita a manutenção de máquinas e equipamentos, com a


vantagem de não interferir no posicionamento das árvores, podendo ser
montado e removido sem problemas de alinhamento.
Os acoplamentos rígidos devem empregar-se solo quando o
alinhamento dos dois eixos pode manter-se com muita precisão,
não só no momento em que se instalam, mas também durante a
operação das máquinas.

Se surgir desalinhamento angular, radial ou axial significativa,


aquelas tensões que são difíceis de predizer e podem conduzir a
uma falha cedo do eixo devido a fadiga podem ser induzidas sobre
os eixos.

É muito comum que exista desalinhamento entre dois eixos que vão
se unir, nesses casos se devem usar acoplamentos flexíveis.

Dificuldades como as anteriores são possíveis de evitar


utilizando acoplamentos flexíveis.
Acoplamentos flexíveis

O propósito fundamental dos acoplamentos flexíveis é


transmitir o par de torção requerido do eixo impulsor ao
impulsionado e compensar o desalinhamento angular,
paralelo ou uma combinação de ambos, com numerosas
funções complementares como proporcionar
deslocamento axial e assim mesmo restringi-lo.

Talvez os acoplamentos flexíveis são as partes mais mal tratadas de


qualquer maquinaria, tanto pelo que respeita ao tempo de seleção como
ao de instalação.

Através de uma apropriada seleção do acoplamento e de um bom


procedimento de alinhamento podem evitar-se altos custos de
manutenção e perda de tempo na produção.
Acoplamentos flexíveis ou elásticos:
Os acoplamentos flexíveis são desenhados de tal maneira que sejam capazes
de transmitir torque com suavidade, em tanto permitem certo desalinhamento
axial, paralelo ou angular.
Compensador de Desalinhamento
Compensador de Desalinhamento
Compensador de Desalinhamento
Amortecedor de Vibrações.
Acoplamento elástico de pinos.
Os elementos transmissores são pinos de aço com mangas
de borracha.
Acoplamento perflex
Os discos de acoplamento são unidos perifericamente por uma
ligação de borracha apertada por anéis de pressão. Esse
acoplamento permite o jogo longitudinal de eixos.
Acoplamento elástico de garras.
As garras, constituídas por tocos de borracha, encaixam-se nas
aberturas do contradisco e transmitem o movimento de rotação.
Acoplamentos móveis.
São empregados para permitir o jogo longitudinal das árvores. Esses
acoplamentos transmitem força e movimento somente quando acionados,
isto é, obedecem a um comando.
Os acoplamentos móveis podem ser: de garras ou dentes, e a rotação é
transmitida por meio do encaixe das garras ou de dentes.

Geralmente, esses acoplamentos são usados em aventais e caixas de


engrenagens de máquinas-ferramenta convencionais.
Acoplamento elástico de fita de aço.
Consiste de dois cubos providos de flanges ranhuradas, nos quais está
montada uma grade elástica que liga os cubos. O conjunto está alojado em duas
tampas providas de junta de encosto e de retentor elástico junto ao cubo. Todo
o espaço entre os cabos e as tampas é preenchido com graxa.

Apesar de esse acoplamento ser flexível, as árvores devem estar bem


alinhadas no ato de sua instalação para que não provoquem vibrações
excessivas em serviço.
Acoplamento de dentes arqueados.
Os dentes possuem a forma ligeiramente curvada no sentido axial, o
que permite até 3 graus de desalinhamento angular.

O anel dentado (peça transmissora do movimento) possui duas


carreiras de dentes que são separadas por uma saliência central.
Junta universal homocinética.
Esse tipo de junta é usado para transmitir movimento entre árvores
que precisam sofrer variação angular, durante sua atividade.
Essa junta é constituída de esferas de aço que se alojam em calhas.

A maioria dos automóveis é equipada


com esse tipo de junta.
Acoplamentos compensadores.
Características:

• São úteis quando não se obtém o alinhamento das


árvores, por problemas de montagem ou
funcionamento.

• Não descuidar o alinhamento, pois a compensação


se faz por deformação ou movimento de elementos,
o que gera cargas em árvores, perdas de potência
e desgaste de partes com movimento relativo.
Acoplamentos compensadores móveis.
Não descuidar o alinhamento, pois a
compensação se faz por deformação ou
movimento de elementos, o que gera
cargas em árvores, perdas de potência e
desgaste de partes com movimento
relativo.

A compensação do desalinhamento se
faz por movimento dos elementos
Acoplamentos compensadores móveis.

Acoplamento de correntes. Transmite o torque


por meio de correntes dupla.
Acoplamentos compensadores móveis.

Características:
• São rígidos à torção.
• Admite desalinhamentos
angulares de 3º e radiais
de 1mm.
• Requer lubrificação.

As folgas entre correntes e rodas admitem


desalinhamentos que são compensados
pelo deslocamento lateral do engrene entre
os dentes e os elos da corrente
Acoplamentos compensadores móveis.

Acoplamento
denteado.
O torque é
transmitido pela
engrenagem de
contato interior
entre dentes
Acoplamentos compensadores móveis.

Características:
• São rígidos à torção.
• Admite desalinhamentos
angulares de 3º e radiais de
1mm.
• É muito difundido em
transmissões de elevados
torques
• Requer lubrificação
Acoplamento
denteado.
Acoplamentos compensadores articulados.

A compensação do desalinhamento se faz


pelas “articulações” que permitem o
movimento dos elementos
Acoplamentos compensadores articulados.
União eixo/cardam. Admitem
grandes desalinhamentos e cargas.
Acoplamentos compensadores articulados.
Características:

• São rígidos à torção.

• Admite desalinhamento angulares de


até 40º e axiais segundo desenho da
união estriada.

União eixo/cardam
Empregam-se em pares com árvore intermédia para evitar flutuação do
momento fletor e momento torçor entre árvore motriz e movido
Acoplamentos compensadores elásticos.

A compensação do desalinhamento se
faz por deformação de alguns de seus
elementos.
Compensadores Elásticos Metálicos.
Acoplamento
de eixo com
talhado de
curva de
helicoidal.

Acoplamento de eixo metálico.


Em uma pequena viga de metal é atalho uma curva de
helicoidal que permite flexibilidade transversal e um
considerável desalinhamento angular ao acoplamento.
Compensadores Elásticos Metálicos.

Acoplamento
Bellows.

No Acoplamento Bellows uma mola substitui ao


eixo metálico. Geralmente são empregados para
pequenas cargas.
Compensadores elásticos não metálicos.

Trabalha a
compensação com
a deformação do
material não
metálico
Compensadores elásticos não metálicos.
Compensadores elásticos não metálicos.
Não são bons
para aplicações
com temperaturas
superiores aos
70oC.

Acoplamento FLEX
Informação em
Catálogo
Informação Técnica Necessária
• Capacidade de carga.
• Momento torçor nominal: O torque que
pode ser transmitido de forma contínua a
uma velocidade de rotação permissível
para o acoplamento.
• Momento torçor máximo: O torque que
pode transmitir em um curto período de
tempo sem que o acoplamento sofra
deteriorações.
Informação Técnica

Momento torçor por fadiga: Para acoplamentos


submetidos a este tipo de cargas.

Freqüência de rotaçao nominal [rpm]

Freqüência de rotaçao máxima: Máxima velocidade


de rotação que permite o acoplamento.
Informação Técnica
Momento de inercia [Kgm2]
Desalinhamento axial permissivel [mm]
Desalinhamento radial permissivel [mm]
Desalinhamento angular permissivel [mm]
Rígidez torsional [Nm/rad], corresponde à magnitude
de momento torçor que produz um valor de ângulo de
distorção.
Dimensões do acoplamento.
Exemplo
Comprovação

53
Acoplamento de Brida.
1) ¿ Admite desalinhamento?

não
2) ¿ É amortecedor de vibrações?

não

3) ¿Onde é útil?.

Árvores alinhadas, grandes


cargas, velocidades moderadas
e altas temperaturas.
Acoplamiento de Bellow.
1) ¿ Admite desalinhamento?

Sim

2) Valores de desalinhamento
angular admissível :

5º e 15º

3) ¿Onde é útil?.

Árvores desalinhadas, pequenas


cargas, velocidades meias e
desmontes freqüentes.
Acoplamento denteado.
1) ¿ Admite desalinhamento?

Sim

2) Valor de desalinhamento
angular admissível :

3) ¿Onde é útil?.
Árvores pouco desalinhadas,
grandes cargas, velocidades
meias, temperaturas superiores a
70ºC.
Acoplamento de eixo/cardam.
1) ¿ Admite desalinhamento?

Sim

2) Desalinhamento angular admissível:

40º

3) ¿Onde é útil?

Árvores em ângulo, grandes cargas,


velocidades meias, temperaturas
superiores a 70º.
Acoplamento FLEX.
1) ¿ Admite desalinhamento?

Sim

2) ¿ É amortecedor de vibrações?

Sim

3) ¿ Admitem trabalhar a temperaturas


superiores que 80ºC?.

Não recomendáveis
Acoplamento de serpentina.
1) Compensa
desalinhamento por :

Mobilidade de
elementos

2) Desalinhamento
angular admissível :

3º e 5º

3) ¿É amortecedor de
vibrações?

não
CÁLCULO E ELEIÇÃO DO
ACOPLAMENTO

Método de cálculo.
Deve conhecer-se:
- A potência nominal em CV ou KW.
- A velocidade de rotação em rpm.
- As condições de trabalho.
- A natureza do órgão motor e da máquina acionada.
CÁLCULO E ELEIÇÃO DO ACOPLAMENTO

1- Determinar o par nominal por alguma das seguintes


relacione.

7160  C.V 9550  kW


Pn  ou Pn 
r. p.m. r. p.m

2- Determinar os fatores de serviço F1, F2, F3 e calcular o


par corrigido:
Pc = Pn x F1 x F2 x F3
VALORES DOS FATORES F1, F2, F3

F1 - Depende do tipo de Maquina acionada


F2 - Depende do período das horas de funcionamento
F3 – Depende da quantidade de arranques por horas
Factor F1
Factor F2

Factor F3
3- Escolher na tabela de acoplamentos que vá se utilizar uno que tenha um par
nominal igual ou superior ao Pc.
4 - Verifique as outras condições limitantes:
- Velocidade máxima.
- Diâmetro máximo do furo do cubo.
Distância entre eixos, diâmetro externo do acoplamento e outras dimensões.
Exemplo
Selecione um acoplamento flexível Rex Omega standard com os seguintes
dados:
- Motor elétrico 55 kW
- rpm - 1500
- Diâmetro eixo do motor 65 mm
- Máquina acionada - Bomba centrífuga.
- Diâmetro eixo bomba 48 mm
- Trabalho 24 horas.

9550  kW 55 kW
Pn  Pn  9550
r. p.m 1500 rpm Pn = 350,16 N.m

Pc = Pn x F1 x F2 x F3
Pc = 350,16 N.m x 1,2 x 1,3 x 1
F1 = 1,2
F2 = 1,3 Pc = 546,25 N.m
F3 = 1
Usando a tabela correspondente a estes tipos de acoplamento se entra pela
coluna correspondente ao Torque Nominal e se seleciona o primeiro que seja
igual ou maior que o Pc calculado.

-Diâmetro eixo bomba 48 mm


Pc = 546,25 N.m < 622 N.m n =1500 rpm
- Diâmetro eixo do motor 65 mm
SELEÇÃO POR CATÁLOGO
Critério MT nominal

TKN < TKN permissível

N
TKN  9545 ·FS·FK·FT·FG
n
Onde
TKN: Momento torçor nominal. [Nm]
N: Potência nominal. [Kw]
n: Freqüência de rotação na árvore de entrada. [rpm]
FS: Fator de serviço. FS = 1...3,5. Ver catálogo
FK: Fator de desalhinamento. FK = 1....2. Ver catálogos
FT: Fator de temperatura. FT = 1....3. Ver catálogos
FG: Fator de # de arranques. FG = 1...1,3. Ver catálogos
Criterio de MT máximo

TM < TM permissível

N
TM  9545 ·FC·FK·FT·FG
n
Onde
TM: Momento torcor máximo. [Nm]
N: Potência nominal. [Kw]
n: Freqüência de rotação na árvore de entrada. [rpm]
FC: Fator de choque. FC = 2....6. Ver catálogo
FK: Fator de desalinhamento. FK = 1....2. Ver catálogo
FT: Fator de temperatura. FT = 1....3. Ver catálogo
FG: Fator de # de arranques. FG = 1....1,3. Ver catálogo
Seleção de acoplamento.

Além disso:

n < n máxima
dentrada< dmáximo
dsaida< dmáximo
Exemplo
Escolha dos acoplamentos (elásticos)
Critério
São necessários dados de potência e rotação.

1) Cálculo do momento Torçor:

2) Cálculo do Fator de Segurança:


Onde:
F1 = Tipo de aplicação (compressor, guindaste, etc.)
F2 = Tempo de funcionamento contínuo diário em horas.
F3 = Freqüência de partida por hora.
F4 = Temperatura ambiente em graus Celsius.

3) Momento Torçor equivalente: 78


4) Definir o tipo construtivo mais adequado à aplicação.

5) Selecionar o tamanho através do “MT” máximo dado


no catálogo, sendo igual ou superior ao momento torçor
equivalente calculado anteriormente.

6) Escolhido o tamanho, verificar se o furo máximo


admissível obtido no catálogo é suficiente para receber o
eixo da aplicação e se a rotação máxima é igual ou maior
que a rotação da aplicação

79