Vous êtes sur la page 1sur 16

Os funcionários

incompetentes do mês são:

Lilian Rodrigues Câmara


Valdeniza de Castro
Assédio Moral no
Trabalho
O que é assédio ?

• É o termo utilizado para designar toda conduta que cause


constrangimento psicológico ou físico à pessoa. São de duas
espécies: o assédio sexual e o assédio moral.

• O assédio sexual caracteriza-se pela conduta de natureza sexual,


repetitiva, sempre repelida pela vítima e que tenha por fim
constranger a pessoa em sua intimidade e privacidade.
Definição de Assédio Moral
• Conduta abusiva, de natureza psicológica, que atenta contra a
dignidade psíquica, de forma sistemática, frequente e prolongada,
que expõe o trabalhador a situações humilhantes e
constrangedoras, capazes de causar ofensa à personalidade, à
dignidade ou à integralidade psíquica.

• Também conhecido como “terror psicológico”, pode se manifestar


através de comportamentos, palavras, atos, gestos, escritos
agressivos e vexatórios, capaz de constranger a vítima, trazendo
nela sentimentos de humilhação, inferiorização, afetando
essencialmente a auto estima do empregado.
Tipos de Assédio Moral
1. Assédio Vertical Ascendente: Dos funcionários para os superiores hierárquicos.
Exemplo: Os empregados em concluio podem sabotar a autoridade de um novo chefe contratado, forçando-
o a renunciar ao cargo.

Chefia

Trabalhador

2. Assédio Vertical Descendente: Verifica-se quando o superior hierárquico comete o assédio moral
contra seus subordinados.
Exemplo: O empregador ou quem o represente, se utiliza da sua superioridade hierárquica para constranger
seus subalternos.

Chefia

Trabalhador

3. Assédio Horizontal: É aquele que surge entre colegas da mesma hierarquia funcional.
Exemplo: O caso é bem comum e consiste quando o agressor é o próprio colega de trabalho da vítima.
Nesta modalidade não existe hierarquia, pois é o empregado quem assedia o outro empregado.

Trabalhador Trabalhador
Atitudes Hostis Empregada
Pelos Assediadores
1. Deteriorização proposital das condições de trabalho:

• Retirar da vítima autonomia;


• Contestar sistematicamente todas as suas decisões;
• Criticar seu trabalho de forma injusta ou exagerada;
• Dar-lhe permanentemente novas tarefas;
• Induzir a vítima ao erro...

2. Isolamento e recusa de comunicação:

• Superiores hierárquicos ou colegas não dialogam com a vítima;


• Recusam todo o contato com ela, mesmo visual;
• Ignoram sua presença, dirigindo-se apenas aos outros;
• Proíbem os colegas de lhe falar;
Atitudes Hostis Empregada
Pelos Assediadores
3. Atentado contra à dignidade:

• Utilizam insinuações desdenhosas para qualificá-la;


• Fazem gesto de desprezo diante dela (suspiros; olhares desdenhosos; levantar de
ombros);
• Espalham rumores ao seu respeito;
• Atribuem-lhe tarefas humilhantes;
• É injuriada com termos obscenos ou degradantes;
• É culpabilizada ou responsabilizada publicamente.

4. Violência Verbal, física ou sexual:

• Ameaças de violência física;


• Agridem-na fisicamente, mesmo que de leve, é empurrada,
• Falam com ela aos gritos;
• É assediada ou agredida sexualmente (gestos ou propostas);
Expressões usualmente
utilizada pelos agressores
• “ Você é mesmo difícil... Não consegue aprender as coisas mais
simples!”

• “A empresa não é lugar para doente. Aqui você só atrapalha”.

• “Você é mole... Frouxo, se você não tem capacidade para trabalhar,


então porque não fica em casa?”

• “A empresa não precisa de incompetentes igual a você!”

• “Ela faz confusão com tudo... É muito encrenqueira! É histérica!”

• “É mal casada, brigou com o marido!”

• “É melhor pedir demissão... Não está produzindo nada... Está indo


muito ao médico.”
Consequências do
Assédio Moral
Perdas para a empresa e Administração Pública:

• Queda da produtividade e menor eficiência; imagem negativa


da empresa perante os consumidores e mercado de trabalho;

• Alteração na qualidade do serviço/produto e baixo índice de


criatividade;

• Doenças profissionais, acidentes de trabalho e danos aos


equipamentos;

• Troca constante de empregados, ocasionando despesas com


rescisões, seleção e treinamento de pessoal;

• Aumento de ações trabalhistas, inclusive com pedidos de


reparação por danos morais.
ASSÉDIO MORAL
Implicações para a Saúde
A curto prazo: Estresse no Trabalho

• Estresse é a reação do organismo a uma situação ameaçadora. Os estressores (ou agentes


estressantes) são as causas externas, enquanto que o estresse é a resposta do corpo aos estressores.

O “stress” ocupacional é provocado por diversos fatores, que tem um efeito cumulativo sobre o organismo.
A persistência dos mesmos pode levar a doenças típicas do “stress”.
Síndrome de Burnout = fadiga, depressão, ansiedade e estresse

A longo prazo: Depressão e doenças psicossomáticas.

• As doenças vão se agravando e o estresse cede lugar a um estado depressivo e a perturbações


psicossomáticas, porque a todo abalo emocional há uma manifestação fisiológica. Exemplos: gastrite,
úlcera, hipertensão, arritmia, reações alérgicas, obesidade, menstruação dolorosa, enxaqueca,
Cardioespasmo, Hipoglicemia, etc.

• O assédio moral, além de ser uma dano pessoal, é visto como doença ou acidente decorrente do
trabalho, pois provoca lesão física ou mental, reduzindo a capacidade para o trabalho, seja de forma
permanente ou temporária.
O Assédio Moral na
Legislação
 Código Civil Brasileiro

Conforme dispõem os artigos 186 e 187 do Código Civil Brasileiro:


♦ Art. 186. “Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou
imprudência, violar direto e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente
moral, comete ato ilícito”.
♦ Art. 187. “Também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-lo,
excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela
boa-fé ou pelos bons costumes”.

 Consolidação das Leis do Trabalho CLT

A CLT estabelece as situações de rompimento unilateral de contrato de trabalho


quando houver uma falta grave de uma das partes. O art. 482 refere-se aos
empregadores e dispõe sobre a rescisão por justa causa, ao passo que o art. 483
dispõe sobre a rescisão por iniciativa do trabalhador. Como o assédio moral se
constitui numa falta grave por parte da empresa, o trabalhador pode recorrer a
esse dispositivo para pleitear a rescisão do contrato de trabalho, necessitando para
isso constituir um advogado.
O Assédio Moral na
Legislação
• Lei Municipal nº 13.288 de 10 de janeiro de 2002, de São Paulo.
“Art. 1º. (...)

Parágrafo único. Assédio moral é todo tipo de ação, gesto ou palavra que atinja,
pela repetição, a auto-estima e a segurança de um indivíduo, fazendo-o duvidar de
si e de sua competência, implicando em dano ao ambiente de trabalho, à evolução
da carreira profissional ou à estabilidade do vínculo empregatício do funcionário,
tais como: marcar tarefas com prazos impossíveis; passar alguém de uma área de
responsabilidade para funções triviais; tomar crédito de idéias de outros; ignorar
ou excluir um funcionário só se dirigindo a ele através de terceiros; sonegar
informações de forma insistente; espalhar rumores maliciosos; criticar com
persistência; subestimar esforços.”
Consequências Jurídicas do
Assédio Moral
Para a vítima:
• Direito à Indenização:
• Por danos morais
• Por danos materiais (ressarcimento das despesas médicas pelos danos à
saúde do empregado).
Para o agressor:
Punições: advertências, suspensão, multa, participação obrigatória em
cursos de aprimoramento profissional – ética relacionamento
interpessoal (tentativa de reeducação) e demissão por justa causa.
Consequências Jurídicas do
Assédio Moral
• Um dos fatores que dificultam a formulação de leis e, consequentemente, a
penalização por assédio está relacionado ao elevado grau de subjetividade
em questão, bem como à dificuldade de verificação do nexo causal (ou
seja, definir que a ocorrência do assédio levou ao adoecimento, por
exemplo). Em casos de ações na Justiça, o assédio moral somente poderá
ser caracterizado se, além das impressões do assediado, forem
apresentadas provas materiais e testemunhas da conduta lesiva.

• Por se tratar de uma violência de ordem psicológica, as medidas


legislativas nem sempre são suficientes para combater e prevenir as
práticas de assédio moral no trabalho. Entende-se que o assédio deve ser
reconhecido e coibido pela gestão das próprias organizações, como forma
de garantia dos direitos individuais dos seus trabalhadores, bem como da
saúde psicológica destes e da própria organização.
Referências
• AGUIAR, André Luiz Souza Aguiar. Assédio Moral: o direito a
indenização pelos maus-tratos e humilhações sofridos no
ambiente de trabalho. São Paulo: LTr, 2005.

• FELKER, Reginald Delmar Hintz. O Dano moral, o Assédio


Moral e o Assédio Sexual nas Relações de Trabalho. São Paulo:
LTr, 2006.

• GLOCKNER, César Luís Pacheco. Assédio Moral no trabalho.


São Paulo: IOB Thomson, 2004.

• NASCIMENTO, Sônia A. C. Mascaro. O Assédio moral no


ambiente de trabalho.
www1.jus.com.br/doutrina/texto.asp?id=5433.

• www.assediomoral.org
Leonardo Brito
Lilian Câmara
Valdeniza Castro