Vous êtes sur la page 1sur 11

Punção Abdominal

Punção Abdominal
 Nomenclaturas : paracentese, punção peritonial e
paracentese abdominal.
 Trata-se de uma manobra invasiva destinada a
fins terapêuticos (esvaziamento de líquido e ar,
além da possibilidade de gerar lavagem
abdominal) e diagnósticos (retirada de líquidos
para análise).
2
Punção Abdominal
Indicações : Antes do nascimento
 hidropsia não imunogênica : alguns trabalhos mostram índices de
diagnóstico em 71% dos casos quando realizado antes e ao
nascimento e morte.
 hidropsia imunogênica : para realização de transfusão intra-útero
(anemia não hidrópica, placenta posterior, inserção de cordão
inacessível, falência da transfusão intravascular e diâmetro da veia
umbilical menor que 4 mm.
 ascite fetal isolada : geralmente relacionada a anomalias do trato
urinário; pode ser útil para se evitar a distócia de parto.
3
Punção Abdominal
Indicações : Após o nascimento
 criança neonatal : hidropsia imune e não imune; ascite neonatal
(uropatia obstrutiva, peritonite meconial, obstrução linfática, perfuração
do trato biliar, hemorragia intraabdominal, ascite quilosa, peritonite
aguda); enterocolite necrozante e perfuração intestinal (defeitos
intestinais congênitos; citomegalovirose; obstrução intestinal;
cateterização de artéria umbilical; uso de esteróides e indometacina,
apendicite aguda).
 crianças maiores : intuito diagnóstico, diante de um quadro ascítico
sem causa aparente é de relativa freqüência em trauma abdominal ou
tóracoabdominal fechado. 4
Punção Abdominal

 Devemos sempre ter certeza de que a bexiga


encontra-se vazia. Ou o procedimento acorre
imediatamente após a criança ter urinado, mesmo
assim depois de afastada causas obstrutivas baixas
de trato urinário, ou, diante da necessidade, com
uma sondagem ou punção vesical prévia.

5
Punção Abdominal
Técnica

 A posição preferencial e a
sentada, com o dorso
apoiado em um coxim. A
posição deitada também é
aceita em situações que a
exija.

6
Punção Abdominal
Técnica
 Fazer a anti-sepsia em metade inferior do abdômen.
 Colocar campos estéreis, estabelecendo o local da
punção.
 A anestesia local deve ser realizada tomando-se o
cuidado de infiltrar todos os planos abdominais.

7
Punção Abdominal
Técnica

 Duas posições são aceitas : na


linha mediana, em um ponto
central, eqüidistante da sífise
pubiana e da cicatriz
umbilical e um ponto lateral,
na meia distância da linha que
une a cicatriz umbilical à
crista ilíaca.
8
Punção Abdominal
Técnica
 A punção é realizada apoiando-se a ponta do trocater no
local anestesiado, de forma perpendicular a parede, e
gerar uma pressão contínua e brusca através da parede,
até que haja a penetração na cavidade. Retira-se o guia e
inicia-se o processo de aspiração. Devemos tomar o
cuidado de determinar uma pressão negativa quando da
saída da agulha.
9
Punção Abdominal
 Com o advento da ultra-sonografia a punção
abdominal pautada somente em dados clínicos
hoje praticamente inexiste. Muitas das causas
descritas acima podem ter seu diagnóstico
estabelecido e, quando for necessário, o
procedimento deve ser guiado por imagem.
10
Punção Abdominal
Complicações
 Hematoma no sítio de inserção do cateter (mais
comum).
 Lacerações de fígado e baço são possíveis.
 Existe a possibilidade de punções de alças rápidas
e sem derramamento de líquido intestinal em
cavidade. Geralmente não acarretam problemas.
11