Vous êtes sur la page 1sur 39

A ORIGEM DA TESTAGEM PSICOLÓGICA.

•“Há registros que os procedimentos de avaliação variaram muito ao


longo da história, com influência das crenças, das filosofias e das
posições políticas próprias de cada época e região, desde o período
neolítico, datando 12.000 a. C., passando pelas culturas egípcias e
suméria (10.000 a.C) até os dias atuais”
• (Barclay, 1991; Van Kolck, 1981; Urbina, 2007)
MEADOS DOS SÉC XIX
•OS psicofísicos
alemães Weber e
Fechner.
WILHELM WUNDT
•Criou o primeiro laboratório de
psicologia em Leipzig na Alemanha.
•Levando pesquisadores da Europa
para os Estados Unidos.
•Dentre os pesquisadores estava
Francis Galton.
FRANCIS GALTON
•Mensuração das funções
psicológicas.
•Laboratório antropométrico em
Londres.
•Física e psicologia da pessoa.
•Criou instrumentos para medida de discriminação
sensorial. (barra para medir a percepção do
comprimento).
•Apito para a percepção de altura do tom.
•Criação de escalas de atitudes (escalas de pontos,
questionários e associação livre) e o desenvolvimento
e a simplificação de métodos estatísticos
• (Anastasi, 1977)
JAMES MCKEEN CATTELL.
•Acreditava que a chave da compreensão
do funcionamento da mente, estava nos
processos elementares.

•Medidas sensoriais.
THÉODORE SIMON ALFRED BINET
1900 NA FRANÇA
• Criticaram afirmando que eram
medidas exclusivamente
sensórias.

• Tinha maior precisão na


medidas.
•Os testes sensórias não tinham
relação importante com as
funções intelectuais.

•Funções mais amplas como


memória, imaginação,
compreensão, entre outras.
1º TESTE DE CAPACIDADE COGNITIVA GERAL
• Escala Binet-Simon
• 30 itens em ordem crescente
de dificuldade.

• Avaliava algumas funções como


o julgamento, compreensão e
raciocínio.
• O teste foi desenvolvido a pedido do
departamento de educação do
governo francês, a fim de identificar
as crianças com deficiência
intelectual e compor um sistema
diferenciado de educação para
elas.
REVISÃO EM 1908 E 1911
•Um ano antes de Stern propor o
Quoeficiente Intelectual (QI), que viria a
ser refinado por Lewis Terman, na
Universidade de Stanford, no Estados
Unidos, em 1916.
LEWIS TERMAN
•Exprime numericamente e de
forma padronizada a
capacidade intelectual dos
avaliados.
•“Stern e terman sugeriram um cálculo que se baseava
na divisão da idade mental (IM) pela idade cronológica
(IC) multiplicada por cem. Seus estudos sugeriram que,
quando a idade mental ultrapassasse a idade
cronológica, a razão resultante levaria a um escore
acima de cem. Por outro lado, quando a idade
cronológica ultrapassasse a idade mental, levaria a um
escore abaixo de cem” (Sternberg, 2000.)
•“Naquele momento histórico, outros instrumentos
inspirados na Stanford-Binet foram construídos nos
Estados Unidos, onde a avaliação cognitiva ganhou
grande impulso por conta da Primeira Guerra Mundial,
ocorrida entre 1914 e 1918” (Dubois, 1970).
INSTRUMENTOS SIMPLES E RÁPIDOS.
•Army Alpha
TESTE NÃO VERBAL.
•Army beta
•“Ao final da Primeira Guerra Mundial, os testes
Army Alpha e Army Beta, que eram somente
utilizados no exército, foram liberados para uso
civil após várias revisões e estudos com
pessoas de diferentes faixas etárias e níveis de
escolaridade” (Anastasi, 1977)
DESENVOLVIMENTO
•Novos testes foram publicados.
•Melhoria na qualidade dos instrumentos.
•Nos processos de administrações e pontuações.
•A partir da década de 1920, a testagem educacional ganhou
campo.
HABILIDADES ESCOLARES.
•School Aptitude Test (SAT).
•Graduate Record Exam
(GRE).
•Medical College
Admission Test (MCAT).
•Law School Admission
Test (LSAT).
1930 – EM PLENA EXPANSÃO.
•Nos Estados Unidos.
•Capacidades cognitivas.
CHARLES SPEARMAN.
•Realizou doutorado no
laboratório de Wundt.

•Principal teórico no
inicio da psicometria.
•Trabalhava com modelos
matemáticos ao estudo do
funcionamento mental,
especialmente com o refinamento
do método de correlação,
desenvolvido por Karl Pearson. E da
análise fatorial.
•Lançou mão dessas técnicas e
desenvolveu estudos a partir
dos quais sugeriu a teoria de
que todas as habilidades
cognitivas convergiam para
uma capacidade geral, o
chamado FATOR G.
THURSTONE EM 1938
•Sugeriu a existência de
habilidades específicas e
independentes que não se
organizam em torno de uma
habilidade geral.
•Teoria das aptidões primárias.
•De acordo com Ribeiro (1998), estava implícito
nas teorias que o fator geral dependeria de
uma energia mental essencialmente biológica
e inata, enquanto que os fatores específicos
dependeriam da aprendizagem.
•Na segunda metade do séc passado, esta concepção
polarizada evoluiu para um modelo integrado hierárquico
chamado de teoria Gf-Gc ( inteligência fluida e
cristalizada), iniciada por Cattell (1941, 1971),
desenvolvida e aprimorada por um de seus estudantes
chamado Horn (1991). E em 1993 publicou a Teoria dos
Três Estados.
QUESTÕES TEÓRICAS DO SÉC XX
•CATTELL 1940; 1971
•HORN 1991
•CARROLL 1993
•Apresentou uma proposta de integração das teorias da
inteligência, por meio de um modelo hierárquico das habilidades.

•Além do desenvolvimento técnico que os testes ajudaram a


implementar na psicologia, eles contribuíram para avanços
teóricos importantes, uma vez que permitiam que as teorias fossem
testadas na realidade.

•Esse período ocorreu na Europa e nos Estados Unidos.


OBRIGADO
• psicologoalisson@yahoo.com.br