Vous êtes sur la page 1sur 95

NERVOS CRANIANOS, MENINGES, PREGAS DA

DM, SEIOS DA DM, CISTERNAS


SUBARACNÓIDEAS, VENTRÍCULOS LATERAIS,
VASCULARIZAÇÃO

PROF.CLÁUDIA
SOUZA
NERVOS CRANIANOS
 Corresponde a 12 pares de nervos que apresentam conexão com o
encéfalo;
 10 pares nascem no TE, estão associados ao Cérebro ou Tronco
Encefálico. São descritos em sequência crânio caudal.
 Com exceção do N. Troclear(IV), todos emergem da base do
Encéfalo e saem através da base do crânio (Forames ou canais).

Área de distribuição:
 Cabeça
 Pescoço
 Tórax
 Abdome (N. Vago)
N. OLFATÓRIO

Formado por aproximadamente 20 pequenos feixes de


axônios não mielinizados provenientes das Cél. Olfatórias.

N. OLFATÓRIO= I PAR DE NERVO CRANIANO

PASSAGEM ATRAVÉS DA BASE DO CRÂNIO=LÂMINA


CRIBRIFORME

ORIGEM NO ENCÉFALO=BULBO OLFATÓRIO (é um núcleo


de terminação para o N. Olfatório). CÉL. OLFATÓRIAS DA
REGIÃO OLFATÓRIA

NATUREZA FUNCIONAL= SENSITIVO

TERRITÓRIO DE INERVAÇÃO:
 TÚNICA MUCOSA DA CN
 PARTE SUPERIOR DO SEPTO NASAL
 CONCHA NASAL SUPERIOR
N. ÓPTICO

N. ÓPTICO= II PAR DE NERVO CRANIANO

ORIGEM =ESTRATO GANGLIONAR DA RETINA

NATUREZA FUNCIONAL=SENSITIVO

PASSAGEM ATRAVÉS DA BASE DO CRÂNIO=CANAL


ÓPTICO

TRAJETO MAIS VISÍVEL(ORIGEM)= QUIASMA ÓPTICO

TERRITÓRIO DE INERVAÇÃO:
 RETINA

OBS: O N. ÓPTICO É PARTE DO DIENCÉFALO


N. OCLUMOTOR

N. OCLUMOTOR=III PAR DE NERVO CRANIANO

NO ENCÉFALO=FOSSA INTERPEDUNCULAR (medial ao


pedúnculo cerebral)

NATUREZA FUNCIONAL= MOTORA

PASSAGEM ATRAVÉS DO CRÂNIO=FISSURA ORBITAL


SUPERIOR

TERRITÓRIO DE INERVAÇÃO:
 M. LEVANTADOR DA PÁLPEBRA SUPERIOR
 Mm. RETOS DO OLHO
 M.OBLÍQUO INFERIOR DO OLHO.
N. TROCELAR

N. TROCLEAR= IV PAR DE NERVO CRANIANO

ORIGEM = PÓSTERO CAUDAL AO COLÍCULO


INFERIOR OU CAUDAL À LÂMINA DO TETO

NATUREZA FUNCIONAL=MOTOR

PASSAGEM ATRAVÉS DA BASE DO CRÂNIO=FISSURA


ORBITAL SUPERIOR

TERRITÓRIO DE INERVAÇÃO
 M. OBLÍQUO SUPERIOR DO OLHO
N. TRIGÊMEO

N. TRIGÊMEO= V PAR DE NERVO CRANIANO

ORIGEM = MARGEM LATERAL PONTE

NATUREZA FUNCIONAL=MISTA

DIVISÃO= N. OFTÁLMICO, N.MAXILAR E N. MANDIBULAR

TERRITÓRIO DE INERVAÇÃO:
 OFTÁLMICO: FÓICE DO CÉREBRO, TENTÓRIO DO
CEREBELO,FRONTE, PÁLPEBRAS, DORSO DO NARIZ,
ESCLERA, CÓRNEA, CÉL. ETMOIDAS ANT.,SEIO
OBS: RAÍZ MOTORA (FINA) ESFENOIDAL,ETC.
RAÍZ SENSITIVA(GROSSA)  MAXILAR: BOCHECHAS, PÁLPEBRAS INF., PALATO,
TONSILA PALATINA, ETC.
 MANDIBULAR: Mm. DA MASTIGAÇÃO, DOIS TERÇOS
ANT. DA LÍNGUA, ATM. ETC.
GÂNGLIO TRIGEMINAL: LOCALIZADO EM UMA EVAGINAÇÃO DO ESPAÇO SUBARACNÓIDEO
(CAVIDADE TRIGEMINAL).
N. ABDUCENTE

N. ABDUCENTE=VI PAR DE NERVO CRANIANO

ORIGEM = SULCO BULBO PONTINO( ENTRE A PONTE E A


PIRÂMIDE BULBAR)

NATUREZA FUNCIONAL= MOTOR

PASSAGEM ATRAVÉS DA BASE DO CRÂNIO=FISSURA


ORBITAL SUPERIOR

TERRITÓRIO DE INERVAÇÃO
 M. RETO LATERAL DO OLHOS

OBS: PENETRA NA DM NO MEIO DO CLIVO, PASSA LATERALMENTE AO SEIO CAVERNOSO E


DEPOIS ATRAVESSA A FISSURA ORBITAL SUPERIOR PARA A ÓRBITA ONDE SUPRE O M. RETO
LATERAL.
N. FACIAL

N. FACIAL= VII PAR DE NERVO CRANIANO

ORIGEM =ÂNGULO PONTOCEREBELAR

NATUREZA FUNCIONAL=MISTO

ENTRADA NA BASE DO CRÂNIO=PORO, MEATO


ACÚSTICO INTERNO e FORAME ESTILOMASTÓIDEO

TERRITÓRIO DE INERVAÇÃO
 Sensitiva: gustação nos 2/3 anteriores da língua
 Motora: Mm. Cutâneos.
OBS: O N. INTERMÉDIO ORIGINA-SE INDEPENDENTE ENTRE O N. FACIAL E O N.
VESTÍBULOCOCLEAR. TRANSPORTA FIBRAS AUTÔNOMAS E GUSTATÓRIAS. APÓS CONEXÃO
COM DIVERSOS NERVOS, FINALMENTE SE UNE AO NERVO FACIAL NA PARTE PETROSA DO
OSSO TEMPORAL. CORRESPONDE A PARTE SENSITIVA DO N. FACIAL.
OBS: FRATURAS DE TEMPORAL (PARTE PETROSA), OTITES MÉDIAS, PODEM LESIONAL O N.
FACIAL.
RAMOS DO N. FACIAL:
Rr. Temporais
Rr. Zigomáticos
Rr. Bucais
Rr. Marginais da mandíbula
Rr. Cervicais
N. VESTÍBULO
COCLEAR
N. VERTÍBULO COCLEAR=VIII PAR DE NERVO CRANIANO

ORIGEM =ÂNGULO PONTOCEREBELAR

NATUREZA FUNCIONAL=SENSITIVO

TRAJETO=DIRETO PARA O LABIRINTO(PELA PARTE PETROSA


DO TEMPORAL= MEATO ACÚSTICO INTERNO)

TERITÓRIO DE INERVAÇÃO:
 órgãos vestibulares (equilíbrio)
 Audição
N. GLOSSOFARÍNGEO=IX PAR DE NERVO CRANIANO

ORIGEM =SULCO PÓSTERO LATERAL DO BULBO (sulco


retro olivar)

NATUREZA FUNCIONAL=MISTA

PASSAGEM PELA BASE CO CRÂNIO=FORAME JUGULAR

TERRITÓRIO DE INERVAÇÃO:
 Sensitiva: gustação nos 1/3 POSTERIOR da língua.
 Motora: Mm. da Faringe.

N.
GLOSSOFARÍNGEO
NERVO VAGO= X PAR DE NERVO CRANIANO

ORIGEM = PÓSTERO LATERAL DO BULBO(sulco retro


olivar), PASSA PELO FORAME JUGULAR.

NATUREZA FUNCIONAL=MISTO

TERRITÓRIO DE INERVAÇÃO:
 Mm. DA FARINGE, DA LARINGE, DO VÉU PALATINO, DA
ÚVULA
 BASE DA LINGUA
 ÓRGÃOS DO PESCOÇO
 DO TÓRAX
 DO ABDOME (ATÉ CERTO PONTO).

N. VAGO
N. ACESSÓRIO=XI PAR DE NERVO CRANIANO

ORIGEM =SULCO PÓSTERO LATERAL DO BULBO(raízes


cranianas=sulco retro olivar) (raízes espinais=medula
cervical)

NATUREZA FUNCIONAL=MOTOR

TERRITÓRIO DE INERVAÇÃO
 M. Esternocleidomastóideo
 M. Trapézio.

N.
ACESSÓRIO

OBS: POSSUI RAÍZES CRANIANAS E RAÍZES ESPINAIS


N. HIPOGLOSSO=XII PAR DE NERVO CRANIANO

ORIGEM =SULCO ANTEROLATERAL DO BULBO

NATUREZA FUNCIONAL=MOTOR

PASSAGEM ATRAVÉS DA BASE DO CRÂNIO= CANAL DO N.


HIPOGLOSSO

TERRITÓRIO DE INERVAÇÃO:
 Mm. INTRÍNSECOS DA LÍNGUA E ALGUNS EXTRÍNSECOS
(ESTILOGLOSSO,HIOGLOSSO E GENIOGLOSSO).

N.
HIPOGLOSSO
MENINGES
O Sistema Nervoso é muito delicado. Por esse motivo apresenta um elaborado
sistema de proteção. Aqui falaremos sobre a proteção MENINGES.

DEFINIÇÃO: São membranas conjuntivas. São em número de três: Dura Mater


(mais externa- também conhecida como PAQUIMENINGE), Aracnóide (média) e Pia
Mater (mais interna) são delicadas e podem ser consideradas por alguns autores
como uma apenas as LEPTOMENINGES.

O CONHECIMENTO DA ESTRUTURA E DA DISPOSIÇÃO DAS MENINGES É MUITO


IMPORTANTE NÃO SÓ PARA COMPREENSÃO DE SEU IMPORTANTE PAPEL DE
PROTEÇÃO DOS CENTROS NERVOSOS, MAS TAMBÉM PORQUE ELAS SÃO
FREQUENTEMENTE ACOMETIDAS POR PROCESSOS PATOLÓGICOS (EX: MENINGITES,
MENINGIOMAS,ETC.). NOS ACESSOS CIRÚRGICOS DO SNC, O CONTATO COM AS
MENINGES É UMA CERTEZA.
DURA MATER
É A MENINGE MAIS SUPERFICIAL, ESPESSA E RESISTENTE, FORMADA POR TC CONJUNTIVO
MUITO RICO EM FIBRAS COLÁGENAS, CONTENDO NERVOS E VASOS. É FORMADA POR DOIS
FOLHETOS: UM EXTERNO E UM INTERNO.O EXTERNO ADERE INTIMAMENTE AOS OSSOS DO
CRÂNIO E SE COMPORTA COMO UM PERIÓSTEO DESSES OSSOS, MAS SEM CAPACIDADE
OSTEOGÊNICA(O QUE DIFICULTA A CONSOLIDAÇÃO DE FRATURAS NO CRÂNIO E TORNA
IMPOSSÍVEL A REGENERAÇÃO DE PERDAS ÓSSEAS). ESTA PECULIARIEDADE, ENTRETANTO, É
VANTAJOSA, POIS A FORMAÇÃO DE UMA CALO ÓSSEO NA SUPERFÍCIE INTERNA DOS OSSOS
DO CRÂNIO PODE CONSTITUIR GRAVE FATOR DE IRRITAÇÃO DO TECIDO NERVOSO. EM
VIRTUDE DA DURA MATER SER ADERIDA AO CRÂNIO, NÃO EXISTE O ESPAÇO EPIDURAL COMO
EXISTE NA MEDULA ESPINAL. A ARTÉRIA QUE IRRIGA A D.M. É A ARTÉRIA MENÍNGEA
MÉDIA(RAMO DA ARTÉRIA MAXILAR). A DM É RICAMENTE INERVADA(AO CONTRÁRIO DAS
OUTRAS DUAS MENINGES). COMO O ENCÉFALO NÃO POSSUI TERMINAÇÕES NERVOSAS
SENSITIVAS, TODA OU QUALQUER SENSIBILIDADE INTRACRANIANA SE LOCALIZA NA DM
(RESPONSÁVEL PELA MAIORIA DAS DORES DE CABEÇA). EM ALGUMAS ÁREAS O FOLHETO
INTERNO DA DM DESTACA-SE DO EXTERNO E FORMA PREGAS QUE DIVIDE A CAVIDADE
CRANIANA EM COMPARTIMENTOS QUE SE COMUNICAM AMPLAMENTE: SÃO AS PREGAS DA
DM.
PREGAS DA DM
FOICE DO CÉREBRO: É UM SEPTO VERTICAL, MEDIANO EM FORMA DE FOICE, QUE
OCUPA A FISSURA LONGITUDINAL DO CÉREBRO.

TENTÓRIO DO CEREBELO(TENDA DA CEREBELO):PROJETA-SE PARA DIANTE COMO UM


SEPTO TRANSVERSAL ENTRE OS LOBOS OCCIPITAIS E O CEREBELO. SEPARA A FOSSA
POSTERIOR DO CRÂNIO DA FOSSA MÉDIA, DIVIDINDO A CAVIDADE CRANIANA EM
DOIS COMPARTIMENTOS: SUPERIOR OU SUPRATENTORIAL E OUTRO INFERIOR OU
INFRATENTORIAL(IMPORTANTE).

FOICE DO CEREBELO:PEQUENO SEPTO VERTICAL MEDIANO, SITUADO ABAIXO DA


TENDA DO CEREBELO, ENTRE OS HEMISFÉRIOS CEREBELARES.

DIAFRAGAMA DA SELA :PEQUENA LÂMINA HORIZONTAL QUE FECHA


SUPERIORMENTE A SELA HIPOFISIAL (TURCA) DO ESFENÓIDE. DEIXA APENAS UM
PEQUENO ORIFÍCIO PARA PASSAGEM DA HASTE HIPOFISÁRIA.
CAVIDADE E SEIOS DA DM

EM DETERMINADAS ÁREAS OS DOIS FOLHETOS DA DM SE SEPARAM DEMAIS E


DELIMITAM CAVIDADES. ESTAS CAVIDADES FORMADAS SÃO REVESTIDAS POR
ENDOTÉLIO E CONTÉM SANGUE, ESTAS FORMAM OS SEIOS DA DURA MATER.

SEIOS DA DURA MATER: SÃO ESPAÇOS SANGUÍNEOS DE PAREDE RÍGIDA E


DESPROVIDOS DE VÁLVULAS QUE COLETAM SANGUE DO ENCÉFALO POR MEIO DE
VEIAS CEREBRAIS SUPERFICIAIS. A DRENAGEM PRINCIPAL DO INTERIOR DO CRÂNIO
SE DÁ PELOS SEIOS SIGMÓIDEOS PARA AS Vv. JUGULARES INTERNAS.
SEIOS:
A)SEIO SAGITAL SUPERIOR :ÍMPAR E MEDIANO, PERCORRE A MARGEM DE INSERÇÃO DA
FOICE DO CÉREBRO. TERMINA PRÓXIMO A PROTUBERÂNCIA OCCIPITAL INTERNA NA
CHAMADA CONFLUÊNCIA DOS SEIOS(SAGITAL SUPERIOR,RETO E OCCIPITAL).

B)SEIO SAGITAL INFERIOR : SITUA-SE NA MARGEM LIVRE DA FOICE DO CÉREBRO. TERMINA


NO SEIO RETO.

C)SEIO RETO: LOCALIZA-SE NA UNIÃO DA FOICE DO CÉREBRO E A TENDA DO CEREBELO

D)SEIO TRANSVERSO : PAR, SITUA-SE DE CADA LADO AO LONGO DA INSERÇÃO DA TENDA DO


CEREBELO NO OSSO OCCIPITAL.

E)SEIO SIGMÓIDEO : EM FORMA DE “S” É UMA CONTINUAÇÃO DO SEIO TRANSVERSO ATÉ O


FORAME JUGULAR, ONDE CONTINUA DIRETAMENTE COM A VEIA JUGULAR INTERNA. OBS:
ESTE SEIO DRENA QUASE TODO SANGUE VENOSO DA CAVIDADE CRANIANA.

F)SEIO OCCIPITAL: PEQUENO E IRREGULAR, DISPÕE-SE AO LONGO DA MARGEM DE INSERÇÃO


DA FOICE DO CEREBELO.
OUTROS SEIOS: VENOSOS DA BASE:

A)SEIO CAVERNOSO :UM DOS MAIS IMPORTANTES, SITUADO DE CADA LADO DO CORPO DO
ESFENÓIDE E DA SELA. RECEBE O SANGUE PROVENIENTE DAS VEIAS OFTÁLMICAS E CENTRAL
DA RETINA. ESTE SEIO É ATRAVESSADO PELA ARTÉRIA CARÓTIDA INTERNA, N. TROCLEAR, N.
OCLUMOTOR E PELO RAMO OFTTÁLMICO DO N. TRIGÊMIO. ESTES ELEMENTOS SÃO
SEPARADOS DO SANGUE DO SEIO POR UM REVESTIMENTO ENDOTELIAL. A RELAÇÃO DO SEIO
CAVERNOSO COM ESSES ELEMENTOS É DE SUMA IMPORTÂNCIA CLÍNICA.

B)SEIOS INTERCAVERNOSOS:UNEM OS DOIS SEIOS CAVERNOSOS.

C)SEIO ESFENOPARIETAL: PERCORRE A FACE INTERIOR DA ASA MENOR DO ESFENÓIDE E


DESEMBOCA NO SEIO CAVERNOSO.

D)SEIO PETROSO SUPERIOR :SITUA-SE NA PORÇÃO PETROSO DO TEMPORAL. DRENA O


SANGUE DO SEIO CAVERNOSO PARA O SEIO SIGMÓIDE.

E)SEIO PETROSO INFERIOR :PERCORRE O SULCO PETROSO INFERIOR, LANÇA-SE NA VEIA


JUGULAR INTERNA

F)PLEXO BASILAR :ÍMPAR, LOCALIZA-SE NA PORÇÃO BASILAR DO OCCIPITAL.


SEIO
SAGITAL
SUPERIOR

SEIO
CAVERNOSO

SEIO
SAGITAL
INFERIOR

SEIOS
SEIO TRANSVERSOS
SEIO
OCCIPITAL RETO
ARACNÓIDE

MEMBRANA MUITO DELICADA, JUSTAPOSTA À DURA MATER, DA


QUAL SE SEPARA POR UM ESPAÇO VIRTUAL (ESPAÇO SUBDURAL),
QUE CONTÉM UMA PEQUENA QUANTIDADE DE LCE, NECESSÁRIO
APENAS À LUBRIFICAÇÃO DAS SUPERFÍCIES DE CONTATO DAS DUAS
MEMBRANAS. SEPARA-SE DA PIA MATER PELO ESPAÇO
SUBARACNÓIDEO. POSSUI AS TRABÉCULAS ARACNÓIDEAS.
A ARACNÓIDE EM ALGUMAS ÁREAS SE SEPARA DEMAIS DA PIA
MATER E COM ISSO O ESPAÇO SUBARACNÓIDEO FICA MAIS DILATADO
NESSAS REGIÕES SÃO AS CHAMADAS CISTERNAS SUBARACNÓIDEAS:
A)CISTERNA CEREBELO MEDULAR OU MAGNA: SITUA-SE ENTRE A
FACE INFERIOR DO CEREBELO E A FACE DORSAL DO BULBO. OBS:
UTILIZADA ÀS VEZES PARA PUNÇÕES DE LCE .
B)CISTERNA PONTINA :VENTRALMENTE À PONTE

C)CISTERNA INTERPEDUNCULAR: FOSSA INTERPEDUNCULAR

D)CISTERNA QUIASMÁTICA: ADIANTE DO QUIASMA ÓPTICO

E)CISTERNA SUPERIOR: ENTRE O CEREBELO E O ESPLÊNIO DO CORPO


CALOSO. OBS: PARA CLÍNICOS CORRESPONDE A CISTERNA AMBIENS

F)CISTERNA DA FOSSA LATERAL DO CÉREBRO: CORRESPONDE A


DEPRESSÃO FORMADA PELO SULCO LATERAL DE CADA HEMISFÉRIO
CEREBRAL.
G)CISTERNA DO CORPO CALOSO: NA MARGEM SUPERIOR DO CORPO
CALOSO
PIA MATER
É A MAIS INTERNA DAS MENINGES, ADERIDA INTIMAMENTE À SUPERFÍCIE DO ENCÉFALO E
DA MEDULA, CUJOS RELEVOS E DEPRESSÕES ACOMPANHA, DESCENDO ATÉ O FUNDO DOS
SULCOS CEREBRAIS. SUA PORÇÃO MAIS PROFUNDA RECEBE NUMEROSOS
PROLONGAMENTOS DOS ASTRÓCITOS DO TC. NERVOSO, CONSITUINDO ASSIM A
MEMBRANA PIO GLIAL. A PIA MATER DÁ RESISTÊNCIA AOS ÓRGÃOS NERVOSOS, POIS O TC
NERVOSO É MOLE.
ESPAÇOS ENTRE AS MENINGES
HIPOCAMPO
VENTRÍCULO LATERAL
Os dois ventrículos laterais são os maiores de todos os ventrículos do cérebro. Seu formato
é irregular. Cada um consiste de uma parte central, com cornos : anterior, posterior e
inferior. Localiza-se nos hemisférios cerebrais direito e esquerdo, contém LCE (Líquido
cérebro espinal).
Seu teto e a margem anterior são formados pelo joelho do
Corno Anterior corpo caloso, sua parede medial, pelo septo pelúcido. O assoalho
(frontal) é formado pelo rostro do corpo caloso e sua parede lateral é
formada pela cabeça do núcleo caudado.

O teto é formado pelo tronco do corpo caloso. A parede medial


é formada pelo pilar do fórnice e pelo septo pelúcido. A parede
Parte Central
lateral pelo corpo do núcleo caudado e o assoalho pela lâmina
afixa do plexo corióideo.

O teto e a parede lateral são formados pela radiação do corpo


Corno Posterior (occipital) caloso. A parede medial é formada pelo calcar avis. O assoalho é
formado pelo trígono colateral.

O teto e a parede lateral estão relacionados à calda do núcleo


caudado. A parede medial é formada pela fímbria do hipocampo
Corno inferior (temporal)
e pelo plexo corióideo. O assoalho é formado pelo álveo do
hipocampo
PLEXO CORIÓIDEO do ventrículo lateral, é uma evaginação de vasos envolvidos pela
pia mater (meninge protetora do cérebro) projetando-se na cavidade ventricular e
cobertos pela camada epitelial. Um processo triangular de pia mater projetando-se para
cima dentro do ventrículo lateral cobre a margem lateral do fórnice e é conhecida como
tela corióidea.
COMUNICAÇÕES ENTRE OS
VENTRÍCULOS
COMUNICAÇÕES ENTRE OS
VENTRÍCULOS
LÍQUIDO CÉREBRO
ESPINAL
LCE
LCE
VASCULARIZAÇÃO
O SN É FORMADO POR ESTRUTURAS NOBRES E ALTAMENTE ESPECIALIZADAS, QUE
EXIGEM PARA SEU METABOLISMO UM SUPRIMENTO PERMANENTE E ELEVADO DE
GLICOSE E OXIGÊNIO. QUEDAS NAS CONCENTRAÇÕES DESSES ELEMENTOS NÃO
SUPORTADOS ALÉM DE UM PERÍODO MUITO CURTO. A PARADA DA CIRCULAÇÃO
CEREBRAL POR MAIS DE SETE SEGUNDOS LEVA O INDIVÍDUO À PERDA DA
CONSCIÊNCIA. APÓS CERCA DE CINCO MINUTOS COMEÇAM A APARECER LESÕES
QUE PODEM SER IRREVERSÍVEIS. O FLUXO CEREBRAL É MUITO ELEVADO SENDO
SUPERADO APENAS PELOS RINS E PELO CORAÇÃO. CALCULA-SE QUE EM UM
MINUTO CIRCULA PELO ENCÉFALO UMA QUANTIDADE DE SANGUE
APROXIMADAMENTE IGUAL A SEU PRÓPRIO PESO. A VASCULARIZAÇÃO DO
ENCÉFALO É PECULIAR, POIS AS CONTRÁRIO DA MAIORIA DAS VÍSCERAS, NÃO
POSSUI UM HILO PARA A PENETRAÇÃO DOS VASOS. OS VASOS PENETRAM NO
ENCÉFALO A PARTI DE VÁRIOS PONTOS DE SUA SUPERFÍCIE. OUTRO PONTO DE
DIFERENÇA É QUE AS ARTÉRIAS CEREBRAIS POSSUEM PAREDES FINAS QUE
PROPROCIONA UMA MAIOR FACILIDADE PARA AS HEMORRAGIAS. SUA TÚNICA
MÉDIA TEM MENOS FIBRAS MUSCULARES .
Aa. Centrais
anteromediais

A. CEREBELAR SUP.
Aa. Centrais
posteromediais A.CEREBELAR I. A.

A. do LABIRINTO

A. Cerebelar I. P.
RAMOS DA CARÓTIDA INTERNA
 A. Oftálmica
 A. Cerebral anterior
 A. Cerebral média (parte esfenoidal e parte insular)
 A. Coróidea Anterior
RAMOS DA A. COMUNICANTE POSTERIOR

 R. Quiasmático
 R. do N. oclumotor
 A. Talamotuberal
 R. Hipotalâmico
 A. do Túber Cinéreo
 A. CEREBRAL ANTERIOR : circunda o rostro e o joelho do corpo caloso, ATINGE O SULCO
PARIETO OCCIPITAL. Supre as superfícies mediais dos lobos frontal e parietal, as margens
dos hemisférios cerebrais.

RAMOS: Aa. Centrais ântero mediais


A. perfurante Anterior
A. comunicante Anterior
A. Frontobasilar medial
A. Calosomarginal
A. Pericalosa (Rr. Paracentral e pré cuneais)

 CEREBRAL MÉDIA: estende-se para a fossa lateral e se divide em 4 segmentos:

1) Parte esfenoidal
2) Parte insular
3) Aa. Frontobasilares lateral
4)A. do sulco central
5)A. do sulco pós central
6)A. do giro angular
7) R. Temporal anterior, médio e posterior

OBS: oclusões nessa artéria causa AVE (HEMIPLEGIA CONTRALATERAL)


 A. CEREBRAL POSTERIOR: Vai para o lobo occipital, a parte basal do lobo temporal e o
tálamo.

RAMOS:

1) A. Coróidea posterior
2) Rr. Perfurantes ( pedúnculo cerebrais, subst. Negra e rubra, etc.)
3) A. Calcarina
CONSIDERAÇÕES ANATOMOCLÍNICAS

DO PONTO DE VISTA NEUROLÓGICO, UM DOS ASPECTOS MAIS IMPORTANTES DA CAVIDADE


CRÂNIO VERTEBRAL E SEU REVESTIMENTO DE DURA MATER É O FATO DE SER UMA CAVIDADE
COMPLENTAMENTE FECHADA, QUE NÃO PERMITE A EXPANSÃO DO SEU CONTEÚDO.DESSE
MODO , O AUMENTO DE VOLUME DE QUALQUER COMPONENTE DA CAVIDADE REFLETO
SOBRE OS DEMAIS, LEVANDO A UM AUMENTO DA PRESSÃO INTRA CRANIANA. POR
EXEMPLO: TUMORES, HEMATOMAS.

MENINGITE- INFLAMAÇÃO DAS MENINGES.

HÉRNIAS- DILATAÇÕES DAS ESTRUTURAS CEREBRAIS.

HIDROCEFALIA- AUMENTO DO LCE

ANEURISMA- DILATAÇÃO DE UM VASO


SÍNDROME D WALLEMBERG: DISTÚRBIO NA PERFUSÃO DA A. VERTEBRAL. NESTA SÍNDROME
CAUSA OCLUSÃO DA A. CEREBELAR INFERIOR POSTERIOR, QUE CAUSARÁ : NISTAGMO,
DISTÚRBIOS DE EQUILÍBRIO, TONTURA,ETC.

ANEURISMAS ENCEFÁLICOS: EM 90% DOS CASOS, OS VASOS MAIS COMPROMETIDOS: A.


COMUNICANTE ANTERIOR E A. CARÓTIDA INTERNA. RUPTURA =HEMORRAGIAS, ALTERAÇÕES
DA CONSCIÊNCIA.
AVE

ENCEFÁLICO
AVE
AVE
OBRIGADA!!!