Vous êtes sur la page 1sur 26

Fundamentos dos

Processos de Soldagem

LAPES

Prof. Henara Lillian Costa Murray


henaracosta@furg.br; ltm-henara@ufu.br
LAPES

FONTE DE CALOR NA SOLDAGEM A ARCO

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


2
LAPES

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


3
LAPES

ENERGIA NA SOLDAGEM
𝑈𝐼
𝐸𝑆𝑜𝑙 = 𝜂 [kJ/m]
𝑣𝑠𝑜𝑙

Rendimento Térmico
?
𝑄𝑡𝑠𝑜𝑙 𝑄 𝑄
𝜂 = = =
𝑄𝑛𝑜𝑚 𝑡𝑠𝑜𝑙 𝑄𝑛𝑜𝑚 𝑈𝐼
? 4
Prof. Henara Lillian Costa, PhD
LAPES

CALOR IMPOSTO / HEAT INPUT


Calorímetro de Água

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


KOU(2002) 5
LAPES

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


6
LAPES

ENERGIA NA SOLDAGEM

U = 26 V U = 26 V
I = 800 A I = 125 A
v = 12 mm/s v = 1.7 mm/s
H = 1.73 kJ/mm H = 1.9 kJ/mm

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


7
LAPES

ENERGIA NA SOLDAGEM

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


8
LAPES

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


9
ENERGIA NA SOLDAGEM
Energia por comprimento de solda
q Pot UI
E  
L v v
Energia líquida por comprimento de solda
UI
Eliq.  E  
v

Equação geral de energia em sólidos sem mudança de


fase
  T    T    T   T
k    k    k   q  ρc p
x  x  y  y  z  z  t

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


10
LAPES

CAMPO DE TEMPERATURA NA SOLDAGEM

Rosenthal (1941) utilizou da simplificação da derivada da


equação de fluxo de calor para explicar a distribuição de
temperatura durante o processo de soldagem. Desta forma
tem-se:

• Fluxo de calor estacionário;


• Fonte de calor pontual;
• Calor de fusão negligenciada;
• Propriedades térmicas constantes;
• Não há perda de calor na superfície da peça;
• Não é considerada a convecção na poça de fusão;
Prof. Henara Lillian Costa, PhD
11
LAPES

CAMPO DE TEMPERATURA NA SOLDAGEM


Equação de Rosenthal 3D:
2𝜋(𝑇 − 𝑇0 )𝑘𝑅 −𝑉(𝑅 − 𝑥)
= exp
𝑄 2𝛼
k – condutividade térmica
α – difusividade térmica
Q - ηVI

Equação de Rosenthal 2D (Q e v elevados, fonte


linear instantânea no eixo x):
Q vx vr
T − T0 = exp − K0
2gπk 2a 2a 12
Prof. Henara Lillian Costa, PhD
LAPES

CAMPO DE TEMPERATURA NA SOLDAGEM

3D 2D

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


13
LAPES

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA POR TERMOPARES

Aços: Pt-PtRh
Diam: 0.1 mm

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


14
CICLO TÉRMICO DA SOLDAGEM

Para cada ponto da solda

Temperatura de Pico (Granjon,1991)

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


15
CICLO TÉRMICO DA SOLDAGEM

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


16
Curvas de repartição térmica

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


17
LAPES

CAMPO DE TEMPERATURA NA SOLDAGEM

O campo de temperatura é um dos


fatores mais importantes na soldagem.

• Fusão do material;
• Transformação microestrutural;
• Distorções;
• Tensões Residuais;
• Outros.
Prof. Henara Lillian Costa, PhD
18
LAPES

CAMPO DE TEMPERATURA NA SOLDAGEM

A medição ou previsão deste campo de


temperatura na soldagem não é um problema
trivial.
Envolve:

• Altas temperaturas ( Tamb até 1500°C – para


aço);
• Alto gradiente de temperatura;
• Altas taxas de aquecimento e resfriamento;
Prof. Henara Lillian Costa, PhD
19
LAPES

CAMPO DE TEMPERATURA NA SOLDAGEM

Cobre

Aço

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


20
LAPES

CAMPO DE TEMPERATURA NA SOLDAGEM


Espessura da chapa
5 mm

10 mm

20 mm

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


21
LAPES

CAMPO DE TEMPERATURA NA SOLDAGEM

Tipo de junta

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


22
LAPES

CAMPO DE TEMPERATURA NA SOLDAGEM


Energia de soldagem

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


23
LAPES

CAMPO DE TEMPERATURA NA SOLDAGEM


Temperatura de pré-aquecimento

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


24
LAPES

CICLOS TÉRMICOS EM SOLDAGENS


MULTIPASSE

Prof. Henara Lillian Costa, PhD


25
LAPES

- A- Região de granulação grosseira (GGZAC) – mais problemática,


- B - Região de granulação fina (GFZAC) – alta tenacidade e alta
ductilidade,
- C - Região intercrítica (ICZAC) – alta tenacidade e alta ductilidade;
e
- C direita - Região subcrítica (SCZAC) – alívio de tensões.
Prof. Henara Lillian Costa, PhD
26