Vous êtes sur la page 1sur 28

PROCESSO PENAL II

AULA Nº 1 - APRESENTAÇÃO DO CONTEÚDO


PROCESSO PENAL II

• Plano de ensino;
.Teoria geral da prova no processo penal
1.1 Conceito, finalidade, objeto, fontes, meios,
elementos, natureza, titularidade, princípios, sistemas
de apreciação das provas.
1.2 prova emprestada.
1.3 Limites ao direito à prova. Prova ilícita, ilegítima e
ilícita por derivação. Princípios da proporcionalidade e
da razoabilidade em matéria probatória.
1.4 Sigilo das comunicações. Interceptações
telefônicas-Lei nº 9.296/1996.

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

• Ementa do curso:

Da Prova no processo penal; Os atos de comunicação


processual; Atos processuais realizados pelas partes e pelo
juiz; Procedimentos em espécie Recursos; O habeas corpus
e a revisão criminal; Execução Penal.

• Objetivos.

Objetivo geral:

- Estudar a Teoria da prova, conhecendo os limites


constitucionais ao direito à prova no processo pena, as fontes
e os meios adequados a sua realização como recurso para
convencimento do julgador;
Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

- Compreender e examinar os atos jurídicos processuais


realizados pelas partes e pelo juiz, para que o estudante
possa distingui-los e indicar possíveis vícios em sua forma e
sua finalidade, interagindo com tema procedimento;
- Compreender os atos de comunicação (intimação,
notificação e citação), visando formar a relação jurídico
processual e seus efeitos no processo penal;
- Estudar os procedimentos dispostos no código de processo
penal e em leis especiais, distinguindo suas fases e
incidência, princípios, prazos através da teoria do processo
penal;
- Examinar a estrutura recursal do processo penal através de
uma teoria geral, bem como compreender a dinâmica dos
recursos ordinário e extraordinário;

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

-Compreender as ações de impugnação e garantia pela ótica


da constituição. Analisar o processo de execução, seu
objetivo e os incidentes mais importantes.

-Objetivos específicos:

- Identificar as formas e distinção da comunicação dos atos


processuais (citação, intimação e notificação);
- Identificar a cada infração penal, qual o procedimento que
deverá ser utilizado;
- Compreender a razão e a diferença entre os procedimentos
comum e especial; ordinário, sumário e sumaríssimo;
- Conhecer os critérios de aplicação da lei;

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

- Entender o objetivo filosófico e os fundamentos legais da


participação efetiva da vítima no procedimento;
- Identificar quais os procedimentos a serem utilizados nos
crimes contra a honra, praticados por funcionário
público, e contra a propriedade imaterial;
- Compreender os atos processuais que compõe cada
procedimento;
- Analisar os atos e verificar possíveis nulidades;
- Compreender, na teoria dos recursos, que existem
pressupostos a serem observados, prazo, e forma
determinada;
- Aprender a utilizar os instrumentos corretos para
impugnação das decisões judiciais;
- Identificar as hipóteses de cabimento do recurso

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

- Analisar os casos concretos, identificando qual a decisão a


ser impugnada e qual o recurso cabível, tendo o controle dos
prazos e dos pressupostos objetivos e subjetivos para sua
interposição;
- Conhecer os órgão julgadores e o procedimento a ser
adotado.

• Conteúdos (Semanas de Aula).

UNIDADE 01 - Teoria geral da prova no processo penal


1.1 Conceito, finalidade, objeto, fontes, meios, elementos,
natureza, titularidade, princípios, sistemas de
apreciação das provas.
1.2 prova emprestada.

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

1.3 Limites ao direito à prova. Prova ilícita. Princípios da


proporcionalidade e da razoabilidade em matéria
probatória.
1.4 Sigilo das comunicações. Interceptações telefônicas-Lei
nº 9.296/1996.

UNIDADE 02 - Meios de Prova


2.1 O interrogatório. O direito ao silêncio. A chamada de
corréu. Confissão.
2.2 Prova Pericial. O exame do corpo do delito. Conceito.
Exame de corpo de delito direto e indireto. Laudo
complementar. Peritos oficiais e peritos particulares. Exames
grafotécnicos.
2.3 Declarações do Ofendido. Valor probatório. Acareação.
Prova documental.
Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

2.4 Prova Testemunhal. Classificação. Características. Dever


de depor. Isenção e proibição. Número legal (nos
procedimentos ( ordinário, sumário, sumaríssimo, júri).
Sistema de inquirição. Reconhecimento de pessoa e
de coisa. Reconhecimento judicial e extrajudicial.

UNIDADE 03 - Atos Processuais


3.1 Os atos decisórios: Sentença. Conceito. Sentença
absolutória e condenatória. Requisitos. Sentenças
executáveis, não executáveis e condicionais. Sentenças
simples e sentenças subjetivamente complexas.
3.2 Correlação entre acusação e sentença. Emendatio libelli e
mutatio libelli
3.3 Decisões definitivas ou com força de definitivas
3.4 Decisões interlocutórias simples e mistas.
Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

UNIDADE 04 - Comunicação dos Atos Processuais


4.1 Citação. Conceito. Formas de citação. Espécies. Revelia.
Efeitos.
4.2 Intimação. Notificação. Conceito. Finalidade. Formas.
Contagem do prazo.

UNIDADE 05 - Procedimentos
5.1 Processo e procedimento. Procedimento comum
ordinário. Instauração. Recebimento da inicial e resposta
do Réu.
5.2 Procedimento comum sumário. Instauração. Recebimento
da inicial e resposta do Réu. Suspensão do Processo.
Absolvição sumária.

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

5.3 Procedimento Sumaríssimo. Lei 9099/95. Princípios


informadores. Conceito de infração de menor potencial
ofensivo. Competência. Conciliação civil: cabimento. As
causas despenalizadoras aplicadas na fase preliminar e seu
cumprimento.
5.4 Procedimentos Especiais: Procedimento nos crimes
contra a honra, nos crimes praticados por funcionário
público e nos crimes contra a propriedade intelectual.
5.5 Procedimento no Tribunal do Júri. O sistema bifásico. O
Juízo de Admissibilidade. Pronúncia. Natureza jurídica.
Princípio da congruência. Pronúncia. Impronúncia. Absolvição
sumária. Desclassificação. Natureza jurídica. Crimes
conexos. Sessão Plenária - 2ª fase do procedimento.

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

UNIDADE 06 - Dos Recursos e das Nulidades


6.1 Fundamento Constitucional do recurso. O princípio do
duplo grau de jurisdição. Princípios. Pressupostos
subjetivos e objetivos. Efeitos dos recursos.
6.2 Do Recurso em sentido estrito. Procedimento. Hipóteses
de cabimento. Prazos. Juízo de retratação.Efeitos.
6.3 Do Recurso de Apelação. Cabimento. Apelação das
decisões do Tribunal do Júri.
6.4 Embargos infringentes e de nulidade. Conceito.
Cabimento. Legitimidade. Efeitos. Competência. Prazo.
6.5 Embargos de declaração. Conceito. Cabimento. Efeito.
Prazo.
6.6 Carta testemunhável. Conceito. Cabimento.
6.7 Nulidades no processo penal.

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

UNIDADE 07 - Ações Autônomas de Impugnação


7.1 Do Habeas Corpus. Natureza jurídica. Espécies de
habeas corpus. Objeto do habeas corpus. Cabimento.
Legitimidade ativa. Autoridade coatora. Competência para
julgar.
7.2 Da ação de Revisão Criminal. Conceito. Natureza jurídica.
Objeto. Condições da ação. Competência para julgamento.

UNIDADE 08 - Execução Penal


8.1 Visão constitucional. Competência. Princípios. Incidentes.
Recursos

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

PROCEDIMENTOS DE ENSINO:

Aulas expositivas, interativas e discussões dirigidas.


Leitura e aplicação de dispositivos legais voltados para a
resolução de problemas constantes dos Planos de Aula,
envolvendo
casos concretos com ênfase no estudo da relação jurídica e
da inter-relação entre os seus componentes.
Realização de pesquisas e debates.
Produzir filmes de curta duração de audiências para trabalho
prático e teórico em sala de aula.
Discussão sobre enunciados, jurisprudências e súmulas.

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO:

No Curso de Direito, a avaliação se dá de forma continuada.


Isto é, antes de cada aula o estudante deverá solucionar os
casos concretos que se encontram na webaula da disciplina e
postar suas respostas no ambiente on line.
Após a revisão e autocorreção, o estudante deverá refazer a
análise do caso concreto, no ambiente webaula,
acrescentando citações doutrinárias e jurisprudenciais. O
conjunto dos trabalhos práticos realizados ao longo do
período valerá até 2,0 (dois) pontos na AV1, AV2 e AV3.
As AV1, AV2 E AV3 serão realizadas através de provas
escritas, valendo, no mínimo, até 8,0 (oito) pontos, contendo
questões objetivas e discursivas, sendo, ao menos uma das
questões, um caso concreto para análise e resolução.
Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

A soma de todas as atividades ( provas escritas e resolução


dos casos aula a aula) comporão o grau final de cada
avaliação, não podendo ultrapassar o grau máximo de 10
(dez), sendo permitido atribuir valor decimal às avaliações.
A AV1 contemplará o conteúdo da disciplina até a sua
realização, incluindo o das atividades estruturadas, nas
disciplinas que as contenham.
As AV2 e AV3 abrangerão todo o conteúdo da disciplina,
incluindo o das atividades estruturadas.
Para aprovação na disciplina o aluno deverá:
1. Atingir resultado igual ou superior a 6,0, calculado a partir
da média aritmética entre os graus das avaliações, sendo
consideradas apenas as duas maiores notas obtidas dentre
as três etapas de avaliação (AV1, AV2 e AV3). A média
aritmética obtida será o grau final do aluno na disciplina.
Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

2. Obter grau igual ou superior a 4,0 em, pelo menos, duas


das três avaliações.
3. Frequentar, no mínimo, 75% das aulas ministradas.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

Oliveira, Eugenio Pacelli. -Curso de Processo Penal, 16ª


Ed. 2012. São Paulo, Atlas;
LIMA, Marcellus Polastri - Manual de Processo Penal, 3ª
Ed. 2009. Rio de Janeiro, Lumen Juris
CAPEZ, Fernando. Curso de Processo Penal. 19. ed. - São
Paulo: Saraiva, 2012.

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

ARANHA, Adalberto José Q.T. de Camargo. Da Prova no


Processo Penal. - 7 edição. 2006. Editora Saraiva
Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar. Curso de Direito
Processual Penal; 6 edição. 2011. Salvador, Bahia Editora
JusPodium
NUCCI, Guilherme de Souza - Manual de Processo Penal e
Execução Penal 9ª Ed. Ver. Atual. Ampl. 2012, Revista dos
Tribunais – RT. São Paulo;
NASCIMENTO, Paulo Sérgio Rangel do. Direito Processual
Penal. 19 edição. 2011. Editora Lumen Juris
Manual de Processo Penal. Fernando da Costa Tourinho
Filho Editora: Saraiva Ano: 2010 Edição: 13ª

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

Direito Processual Penal, Aury Lopes Jr.


Editora: Saraiva, 2012, Edição: 9ª .

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

TEORIA GERAL DA PROVA.

Em sentido amplo, os atos de instrução abrangem os atos


probatórios e as alegações das partes. Mas, em sentido
estrito, os atos de instrução abrangem apenas os atos
probatórios, que começam com o interrogatório do acusado
(arts. 185 a 196 do CPP) e termina com as diligências
requeridas pelas partes.

Em sentido amplo, as provas são os elementos colhidos para


a formação da convicção do juiz, tanto na fase policial quanto
na fase judicial.

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

Em sentido estrito, as provas são os elementos colhidos


apenas na fase judicial, sendo certo que os elementos
colhidos na fase policial são chamados de atos de
investigação.

As provas têm dupla função:


(a) formar o convencimento do juiz;
(b) justificar perante a sociedade a decisão do juiz, de modo
que não restem dúvidas quanto à honestidade do
julgamento.

Definição de prova: prova é todo elemento ou meio


destinado ao convencimento do juiz sobre o que se procura
demonstrar em determinado processo.

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

Elementos da prova

A prova é integrada por três elementos:

(a) o objeto da prova.

O objeto da prova é aquilo que as partes desejam


demonstrar ou aquilo que o juiz deve conhecer, que
compreende os fatos pertinentes, relevantes e não
submetidos à presunção legal.

(b) o sujeito ou órgão da prova.

É a pessoa física que no processo transmite o conhecimento


de um objeto de prova (ex. testemunha).
Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

(c) o meio de prova.

São os meios através dos quais o juiz recebe os elementos de


prova, os quais são ilimitados, salvo com relação às provas
obtidas por meios ilícitos (art. 5º, LVI, da CF) e com relação
ao estado da pessoa (art. 155 do CPP). No CPP, estão
relacionados os seguintes meios de prova: exame de corpo
de delito e perícias em geral (arts. 158 a 184 do CPP),
interrogatório (arts. 185 a 196 do CPP), perguntas ao
ofendido (art. 201 do CPP), testemunhas (arts. 202 a 225 do
CPP), reconhecimento de pessoas ou coisas (arts. 226 a 228
do CPP), acareação (arts. 229 e 230 do CPP), documentos
(arts. 231 a 238 do CPP) e busca e apreensão (arts. 240 a 250
do CPP).

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

Momentos da prova

Existem os seguintes momentos da prova:

(a) da proposição (ex. o MP indica testemunhas na denúncia).


(b) da admissão (ex. o juiz defere as oitivas).
(c) da produção (ex. é realizado o sumário de acusação).
(d) da valoração (ex. o juiz valora os depoimentos na
sentença).

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

Ônus da prova

Exercício suplementar da semana 01:

Em uma briga de bar, Joaquim feriu Pedro com uma faca,


causando-lhe sérias lesões no ombro direito. O promotor de
justiça ofereceu denúncia contra Joaquim, imputando-lhe a
prática do crime de lesão corporal grave contra Pedro, e
arrolou duas testemunhas que presenciaram o fato. A defesa,
por sua vez, arrolou outras duas testemunhas que também
presenciaram o fato. Na audiência de instrução, as
testemunhas de defesa afirmaram que Pedro tinha apontado
uma arma de fogo para Joaquim, que, por sua vez, agrediu
Pedro com a faca apenas para desarmá-lo.

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

Já as testemunhas de acusação disseram que não viram


nenhuma arma de fogo em poder de Pedro. Nas alegações
orais, o Ministério Público pediu a condenação do réu,
sustentando que a legítima defesa não havia ficado provada.
A Defesa pediu a absolvição do réu, alegando que o mesmo
agira em legítima defesa. No momento de prolatar a
sentença, o juiz constatou que remanescia fundada dúvida
sobre se Joaquim agrediu Pedro em situação de legítima
defesa.

Considerando tal narrativa, assinale a afirmativa correta.


(A) O ônus de provar a situação de legítima defesa era da
defesa. Assim, como o juiz não se convenceu completamente
da ocorrência de legítima defesa, deve condenar o réu.

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

(B) O ônus de provar a situação de legítima defesa era da


acusação. Assim, como o juiz não se convenceu
completamente da ocorrência de legítima defesa, deve
condenar o réu.
(C) O ônus de provar a situação de legítima defesa era da
defesa. No caso, como o juiz ficou em dúvida sobre a
ocorrência de legítima defesa, deve absolver o réu.
(D) Permanecendo qualquer dúvida no espírito do juiz, ele
está impedido de proferir a sentença. A lei obriga o juiz a
esgotar todas as diligências que estiverem a seu alcance para
dirimir dúvidas, sob pena de nulidade da sentença que vier a
ser prolatada.

Aula Nº 1
PROCESSO PENAL II

Marcellus Polastri interpreta o art. 156, 1ª parte, do CPP, de


forma literal, ou seja, cabe à acusação a prova da ocorrência
do fato e de sua autoria, enquanto cabe à defesa a prova em
relação à inexistência do fato, a existência de uma
excludente da ilicitude ou da culpabilidade e a existência de
qualquer circunstância que implique em benefício para o
réu.

O art. 156, 2ª parte, do CPP, permite que o juiz determine


diligências de ofício.

Observação importante: Marcellus Polastri entende que a


atuação de ofício do juiz só é possível na fase judicial, em
razão do princípio da verdade real e do sistema da persuasão
racional, e não na fase do inquérito policial.
Aula Nº 1