Vous êtes sur la page 1sur 26

Questões PEDAGÓGICAS

AVALIAÇÃO CHAMADA
MATERIAL
ESTUDO
ENTREGA
DE
TRABALHO
HORÁRIO DE
AULA

VISTA DE
PROVA
Atividade
interdisciplinar
CONCEITO, MÉTODOS E FUNÇÕES

O QUE É
CRIMINOLOGIA?
ETMOLOGICAMENTE
O TERMO DERIVA DO LATIM CRIMINO (CRIME)
E DO GREGO LOGOS (TRATADO OU
ESTUDO),
SERIA PORTANTO O "ESTUDO DO CRIME”
ATUALMENTE A CRIMINOLOGIA POSSUI UMA
PROPOSTA MAIS ABRANGENTE DE
ESTUDOS, VAI ALÉM DE ESTUDAR DE MODO
RESTRITO O CRIME
CRIMINOLOGIA

É UMA CIÊNCIA HUMANA

EMPÍRICA

INTERDISCIPLINAR

AUTÔNOMA.
A criminologia não chega as suas conclusões simplesmente
pela leitura de livros, de uma opinião de um achismo, de
uma especulação, ela vai à realidade concreta e observa
diretamente a realidade.

POSSUI MÉTODO EMPÍRICO, INDUTIVO.


OBSERVAÇÃO DIRETA DA REALIDADE.
EMPÍRICA INTERDISCIPLINAR

Baseia-se na experiência da Para estudar o crime, criminoso, a


observação, nos fatos e na vitima e o controle social, ela
prática, mais que em opiniões e conversa com diversas outras
argumentos. ciências que também pensam sobre
estes objetos de uma forma
diferente.

É UMA CIÊNCIA HUMANA


AUTÔNOMA.

POSSUI OBJETO E MÉTODO


PSICANÁLISE FILOSOFIA

PSICOLOGIA

DIREITO INTERDISICPLINAR BIOLOGIA

SOCIOLOGIA

ANTROPOLOGIA PSICOPATOLOGIA
POSSUI MÉTODO E OBJETO
INDEPENDENTES.
POR ESTE FATO NÃO É AUXILIAR
DO DIREITO PENAL
A CRIMINOLOGIA POSSUI MÉTODO DIFERENTE DO DIREITO PENAL

DIREITO PENAL CRIMINOLOGIA

Método dedutivo, especulativo.


Preocupado estudar a norma penal, Não está preocupada com as questões
abstratas, ou seja, conceituas apenas. Se insere
interpretar a norma, verificar se uma na realidade e busca investigar por exemplo se
um determinado comportamento está sendo
conduta é típica ou não atípica, se ela mais ou menos praticado, independente desse
é ilícita ou não ilícita. Exemplo: Estudo comportamento ser criminoso ou não, típico
ou atípico até porque essas questões elas
de um homicídio a primeira coisa, ler o mudam ao longo do tempo e ao longo dos
locais. Estudo criminológico você estuda as
artigo 121 e verificar qual a norma que causas, frequência, o porquê, quantos
homicídios, variação, quantos homicídios
explícita nessa lei - que é proibido
foram perseguidos e quantos não foram
matar. Logo, começa explicar o delito, perseguidos, quantos ficaram na “cifra negra”
(não foram notificados para a polícia ) se faz o
formas de execução, tipo de homicídio, estudo do ponto de vista da realidade.
analisa o do ponto de vista normativo.
A CRIMINOLOGIA: seus objetos

É PRECISO ENTENDER A EVOLUÇÃO HISTÓRICA

ANTIGAMENTE QUANDO NÃO EXISTIA CRIMINOLOGIA


CONFUNDIA-SE A CRIMINOLOGIA COM O DIREITO PENAL.
ÉPOCA DA ESCOLA CLÁSSICA DE FRANCISCO CARRARA, BECCARIA,
SÉCULO XVIII.
SÉCULO XIX
• Lombroso funda a criminologia no século XIX,
mais do que o crime o objeto da criminologia
passa ser o criminoso.
• Entender o criminoso, porque o criminoso se
comporta de um jeito ou de outro, as causas do
crime, os fatores biológicos, sociais, e
psicológicos.
• Este objeto de estudo (crime e o criminoso) da
criminologia vai até mais ou menos a década de
1960, do século XX.
Academicamente a Criminologia
começa com a publicação da obra de
Cesare Lombroso chamada "L'Uomo
Delinquente", em 1876.
Sua tese principal era a do
delinquente nato.
JÁ E XIS TIRAM VÁRIAS TE NDÊNCIAS CAUS AIS NA

C RIMINOLOGIA .
ROUSSEAU LOMBROSO

Para erradicar o delito deveríamos


A criminologia deveria procurar a encontrar a eventual causa no próprio
causa do delito na sociedade; delinquente e não no meio.
Enquanto um extremo que procura organicista, investigava o arquétipo do
todas as causas de toda criminalidade criminoso nato (um delinquente com
na sociedade, determinados traços morfológicos,
influência do Darwinismo).

Isoladamente, tanto as tendências sociológicas, quanto as orgânicas fracassaram. Hoje


discute-se homem bio-psico-social.
Cesare Lombroso
• considerado o pai da Antropologia Criminal.
Na visão dele o crime era explicado a partir de
uma base biológica, o criminoso tinha uma
doença que fazia cometer o crime.
• Ao seu lado Enrico Ferri e Raffaele Garófalo.
TRÊS EXPOENTES DO POSITIVISMO CRIMINOLÓGICO DA SEGUNDA METADE DO
SÉCULO XIX.

LOMBROSO FERRI GARÓFALO


A criminologia é dividida:
• Escola clássica
(Beccaria, século XVIII).
• Escola positiva
(Cesare Lombroso, Enrico Ferri e Raffaele
Garófalo, século XIX)
• Escola sociológica ou moderna alemã
(final do século XIX, Lizst).
• Enrico Ferri (1856 – 1929) é considerado o pai da Sociologia
Criminal, dava ênfase aos fatores sociais (meio social que
influenciava o crime), mas também era determinista, dizia que o
meio determinava a conduta da pessoa, igual os fatores inatos de
Lombroso.

• Lombroso tentou explicar o crime em bases antropológicas e


biológicas, dizendo que a pessoas com determinadas características
fisionômicas e corporais já vinha criminoso. Valeu da antropologia e
da biologia para explicar quem era criminoso nato.

• Este pensamento determinista vai mudar ao longo do século XX,


quando estudamos as escolas sociológicas, elas explicam o crime
tentando entender também os fatores sociais, mas não agem de
forma determinista como os positivistas do século XIX.

• Todas as áreas explicam o crime, entretanto ninguém tem respostas


“certas” que de conta da complexidade que envolve.
A partir da década de 1960, acontece uma
grande mudança, uma revolução na criminologia
faz com que o objeto se alargue, ou seja, ao
invés de estudar apenas o crime e o criminoso, a
passa também investigar vítima e o controle
social.
Preocupações da Criminologia
• Crime (delito)
• criminoso (delinquente)
• Vítima
• Controle social
Até meados do século passado somente se estudava delito e
delinquente.

Da segunda guerra para frente meados do século passado inclui a vítima

A partir dos anos 70 mais um objeto para criminologia: o controle social.

Controle social (organismos, instituições, as normativas que cuidam do


assunto delito, portanto fazem parte do controle social formal (polícia
ostensiva, forças armadas, justiça, ministério público) controle informal
(família, escola, profissão, clubes)

A criminologia pode estudar o comportamento dos juízes,


comportamento do legislador, comportamento da polícia.

Alguns estudiosos consideram o Controle Social o principal objeto da


criminologia
PARA QUE SERVE A CRIMINOLOGIA
Depende da concepção que você tem da criminologia
• 1. Quando o objeto da criminologia era apenas o estudo do crime e
do criminoso, a função da criminologia era tentar explicar as causas
do crime, raízes do crime, paradigma etiológico, a partir do
momento em que ocorre a evolução da criminologia, se percebeu
que não basta apenas investigar causas, mas sim estudar formas de
prevenir, ter impacto social e prático.
• 2. Surge a segunda função: estudar formas de prevenir a
criminalidade, entender as causas da criminalidade para poder
prevenir, a criminologia continua evoluindo além das causas,
prevenção a sociedade como um todo.
• 3. A partir da década de 1960 surge estudos controle social, e não
apenas o criminoso, critica a sociedade como um todo, ganha uma
outra função: criticar e questionar a sociedade.
A CRIMINOLOGIA HOJE EXERCE TRÊS FUNÇÕES.

• Etiológica (causas)
• Preventiva
• Crítica (critica sistema penal que é injusto,
desigual, só recai pobres, negros,
MODERNA CRIMINOLOGIA
• O crime deve ser analisado como um problema com
sua face humana e dolorosa.
• Aumenta o espectro de ação da criminologia, para
alcançar também a vítima e as instâncias de controle
social.
• Acentua a necessidade de prevenção, em contraposição
à ideia de repressão dos modelos tradicionais.
• Substitui o conceito de “tratamento” (conotação clínica
e individual) por “intervenção” (noção mais dinâmica,
complexa, pluridimensional e próxima da realidade
social).
• Empresta destaque aos modelos de reação social ao
delito como um dos objetos da criminologia.
CLASSIFICAÇÃO DA CRIMINOLOGIA
• A criminologia geral: consiste na
sistematização, comparação e classificação
dos resultados obtidos no âmbito das ciências
criminais acerca do crime, criminoso, vítima,
controle social e criminalidade.
• A criminologia clínica: consiste na aplicação
dos conhecimentos teóricos daquela para o
tratamento dos criminosos.
• Criminologia científica: conceitos e métodos
sobre a criminalidade, o crime e o criminoso,
além da vítima e da justiça penal;
• Criminologia aplicada: abrange a porção
científica e a prática dos operadores do
direito;
• Criminologia acadêmica: sistematização de
princípios para fins pedagógicos;
• Criminologia analítica: verificação do
cumprimento do papel das ciências criminais
e da política criminal.
• Criminologia crítica ou radical : negação do
capitalismo e apresentação do delinquente
como vítima da sociedade, tem no marxismo
suas bases;

• Criminologia cultural: relações e interações do


homem com a sociedade de consumo, que se
utiliza da mídia para projetar suas diretrizes,
de modo que a propaganda, o marketing e o
contexto cultural poderiam contribuir para a
mitigação do problema da criminalidade.