Vous êtes sur la page 1sur 18

7ª AULA

Constituição de 1988: princípios e objetivos


fundamentais.
Direitos fundamentais: direitos e deveres
individuais e coletivos, direitos sociais, direitos
da nacionalidade, direitos políticos.
PRINCÍPIOS E OBJETIVOS FUNDAMENTAIS
ART.1º :
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE
1988.

Art. 1º. A República Federativa do Brasil, formada pela união


indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal,
constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como
fundamentos:
I - a soberania;
II - a cidadania;
III - a dignidade da pessoa humana;
IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
V - o pluralismo político.

2
A República (do latim res publica, "coisa pública“) é uma forma
de governo na qual o chefe do Estado (Presidente da
República) é eleito pelos cidadãos, para um mandato de
duração limitada, exercido em nome do povo (pelo povo e para
o povo).

Portanto: poder emana do povo, ao invés de outra origem,


como a hereditariedade ou direito divino.
A nossa república é presidencialista.

Art. 1º, parágrafo único da Constituição Federal. Todo o poder


emana do povo, que o exerce por meio de representantes
eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.
CARACTERÍSTICAS DA REPÚBLICA
 Responsabilidade do Chefe de Estado
 Eletividade
 Temporariedade
.
O QUE É O ESTADO DEMOCRÁTICO DE
DIREITO?

• Estado de Direito significa que nenhuma pessoa, autoridade


ou cidadão comum, está acima da lei. É o ESTADO DAS LEIS.
Todos devem respeitar as leis: cidadãos e autoridades.

• Estado Democrático: as leis vigentes no Estado são elaboradas


pelos representantes do povo. As leis devem expressar a
vontade do povo, não os caprichos de reis, ditadores, militares,
líderes ou partidos políticos.
FUNDAMENTOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO
BRASIL
1º) a soberania: é o poder supremo e independente que não
admite outro que lhe seja superior ou mesmo concorrente dentro
de um mesmo território. Em todos os casos a soberania
pressupõe um poder superior a todos (poder do Estado)

2º) a cidadania: exercer os inúmeros direitos assegurados pela CF


(direitos civis e políticos). O que participa ativamente da vida do
Estado é chamado de cidadão (quem VOTA).

3º) a dignidade da pessoa humana: é a garantia de condições


mínimas para que o ser humano viva de maneira digna.
É a qualidade distintiva de cada ser humano, que o faz merecedor
de respeito e consideração por parte do Estado e da comunidade,
implicando, neste sentido, um complexo de direitos e deveres
fundamentais que asseguram à pessoa condições existenciais
mínimas para uma vida saudável e digna, além de propiciar e
promover sua participação ativa nos destinos da própria
existência e da vida em comunhão com os demais seres humanos.
Proíbe todo e qualquer ato de cunho degradante e desumano.

4º) os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa: A


Constituição procura equilibrar valores sociais com valores
capitalistas, pois ao mesmo tempo se preocupa com o
trabalhador, mas também admite a importância do empresário,
da livre iniciativa e da concorrência.
5º) o pluralismo político: convivência harmônica dos interesses
contraditórios e das diversas ideologias. O caráter pluralista da
sociedade se traduz no pluralismo social, político (art. 1º),
partidário (art. 17), religioso (art. 19), econômico (art. 170, de
ideias e de instituições de ensino (art. 206, III), cultural (arts. 215
e 216) e de meios de informação (art. 220).
OBJETIVOS DA REPÚBLICA
FEDERATIVA DO BRASIL
Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República
Federativa do Brasil:
I - construir uma sociedade livre, justa e solidária;
II - garantir o desenvolvimento nacional;
III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as
desigualdades sociais e regionais;
IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem,
raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de
discriminação.
1º) construir uma sociedade livre, justa e solidária:
Coincidem com os princípios da revolução francesa de 1789
(liberdade, igualdade e fraternidade). A CF/88 é orientada, além
dos direitos e garantias individuais, por valores sociais.

2º) garantir o desenvolvimento nacional:


O poder público é parceiro importante no processo produtivo.

3º) erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as


desigualdades sociais e regionais:
Atua diretamente na atividade econômica de modo subsidiário
(art.173, produzindo bens e serviços) e indiretamente (art.174,
como agente regulador e normatizador definindo e executando
políticas públicas socioeconômicas, regionais e setoriais, além das
nacionais).
4º) promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça,
sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação:
Qualquer espécie de preconceito deve ser combatida. As formas
de discriminação podem até mesmo constituir crime (art.150 do
Código Penal, por exemplo). No entanto, admite-se a
discriminação positiva (também chamada de ação afirmativa) que
são medidas compensatórias temporárias.
PRINCÍPIOS QUE REGEM AS RELAÇÕES
INTERNACIONAIS
Previstos no artigo 4º da Constituição Federal.
A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações
internacionais pelos seguintes princípios:
I - independência nacional;
II - prevalência dos direitos humanos;
III - autodeterminação dos povos;
IV - não-intervenção;
V - igualdade entre os Estados;
VI - defesa da paz;
VII - solução pacífica dos conflitos;
VIII - repúdio ao terrorismo e ao racismo;
IX - cooperação entre os povos para o progresso da
humanidade;
X - concessão de asilo político.
CO
SEPARAÇÃO DOS PODERES

Art. 2º. São Poderes da União, independentes e harmônicos entre


si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.

Nossa CF adotou a teoria tripartite de poder de MONTESQUIEU


(1.748). Não inventou as funções, que já havia sido identificado
por LOCKE (1.690) e ARISTOTELES 340 a.C.

OBS: Cada uma das funções que decorrem do poder, devem ser
desempenhadas por órgãos distintos, criando a divisão orgânica
de função (legislativa, executiva e judiciária).
Direitos fundamentais: direitos e deveres individuais e
coletivos, direitos sociais, direitos da nacionalidade,
direitos políticos.

DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS

Os Direitos Fundamentais consistem em instrumentos de


proteção do indivíduo frente à atuação do Estado.

Pelo vocábulo “fundamental”: tudo aquilo “que serve de


fundamento; necessário; essencial.”
Tal conceito não se afasta do sentido real do termo na esfera
jurídica. Assim, como entende Vladimir Brega Filho, direito
fundamental “é o mínimo necessário para a existência da vida
humana.” (2002, p. 66)
Ressaltando-se que o mínimo essencial deve garantir a existência de uma vida digna,
conforme os preceitos do princípio da dignidade da pessoa humana.

DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS

 Direitos Fundamentais: positivados em uma Constituição


 Direitos Humanos: provenientes de normas de caráter internacional.

PROTEÇÃO ESPECIAL

Chamadas cláusulas pétreas (embora exista divergência quanto à expressão “individuais”


do artigo 60, §4º, IV da CF)

§ 4º - Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir:


I - a forma federativa de Estado;
II - o voto direto, secreto, universal e periódico;
III - a separação dos Poderes;
IV - os direitos e garantias individuais.
DESTINATÁRIOS

“Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer


natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros
residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à
igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes...”

 Todas as PESSOAS (físicas ou jurídicas, nacionais ou


estrangeiros).

16
16
ABRANGÊNCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS:

DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS – art. 5º


DIREITOS E DEVERES COLETIVOS – art. 5º
DIREITOS SOCIAIS – art. 6º
NACIONALIDADE – arts. 12 e 13
DIREITOS POLÍTICOS – arts. 14 e 16
PARTIDOS POLÍTICOS - art. 17

17
17
C
TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS
HUMANOS
§3º - Os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos que
forem aprovados, em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, por
três quintos dos votos dos respectivos membros, serão equivalentes às
emendas constitucionais. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 45, de
2004) (Atos aprovados na forma deste parágrafo) (chamados blocos de
constitucionalidade)
Essa adquiriu status de NORMA CONSTITUCIONAL.

TPI (TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL)


§ 4º O Brasil se submete à jurisdição de Tribunal Penal Internacional a cuja
criação tenha manifestado adesão. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 45,
de 2004)

18
18