Vous êtes sur la page 1sur 17

Escola Santo Afonso

Liberação do porte de arma


vantagens e desvantagens

Alunos Camila e
Edivaldo

Professora Fabiane
DESARMAMENTO:
UMA QUESTÃO DE VIDA
Armas de fogo no Brasil

Mortes por causas externas (todas menos as naturais)


30% por armas de fogo [1].
26% por acidente de trânsito

SER 2002
SER 2002
Legislação: conheça as diferenças entre
posse e porte de armas
Posse:
 Com o direito à posse, a arma de fogo só pode ser mantida no
interior de residência ou em local de trabalho, desde que o
dono seja o titular ou o responsável legal do estabelecimento
ou empresa. A legislação brasileira estabelece uma série de
requisitos para a aquisição de armas.
Porte

Já o porte de arma de fogo consiste em


transitar com a arma de fogo, mantendo-a em
um ambiente que não seja a residência ou local
de trabalho do dono do armamento
Países com liberação de posse e porte de
arma
Áustria Paquistão
Azerbaijão República Democrática do Congo

Chade Senegal
Estados Unidos Tanzânia
Guam Zâmbia
Honduras
Iêmen
Brasil
Ilhas Cayman
Namíbia
Nigéria
Brasil
 3% da população mundial
 8% das mortes por arma de fogo
 considera-se que o total de armas de fogo que circulam
no Brasil é de 17,5milhões.
 10% pertencem ao Estado (forças armadas e policiais )
 90% estão em mãos civis
Jovens maiorias vítimas
Se considerarmos todas as mortes (naturais ou por causas
externas) dos jovens brasileiros (15 a 24 anos), 38,8%
acontecem por armas de fogo! Acidentes de trânsito
somam 16% [1].

Taxa geral: 21,8 /100 mil habitantes. (entre


homens de 20 a 29 anos): 5 vezes maior- 103,1 /100
mil habitantes.
Nova lei sancionada em dezembro de 2003.

▪ Proibiu o porte de armas.


▪ Aumentou a idade mínima (25 anos) e impôs regras para a compra.
▪ Previu a Campanha de Entrega Voluntária de Armas.
▪ Determinou que seja feito um Referendo popular em outubro de 2005.
▪ Aumenta o controle sobre a produção e venda de armas não só para
civis, mas também para órgãos públicos e empresas de segurança
privada.
▪ Centraliza a emissão do registro de armas na Polícia Federal (SINARM).
▪ Integra o banco de dados do Exército e da Polícia Federal (SIGMA e
SINARM).
▪ Prevê a impressão digital da arma e a marcação da munição.
▪ Cria o crime de tráfico ilegal de armas
Fotos: INC/Divulg.

ARMAS CURTAS DE USO PERMITIDO

Taurus 817 .38 SPL CZ 83 .32 ACP


(Brasil)
(República Tcheca)

ARMAS LONGAS DE USO PERMITIDO

CBC Pump cal. 12 (cano de 610


mm/BRA)

Carabina Winchester 38-40 (EUA)


Fotos: INC
ARMAS CURTAS DE USO RESTRITO

Fotos: Divulg.

Colt Python Elite .45


SW 627 8 tiros (EUA)
357 MAG
(EUA)
Ruger SR .44 M agnum
(EUA)

Ruger .40
(EUA)

Glock 19 9mm CZ 97B .45


(Áustria) (República Tcheca)
ARMAS LONGAS DE USO RESTRITO

Colt AR-15
5,56 mm/223
Remington
(EUA)

Colt M16
Colt m4a1 5,56 mm/
5,56 mm/223 Rem. 223 Rem.
(EUA) (EUA)

HK G3 7,62x51 mm
(Alemanha)

Fotos: Divulg.
•1996 – EUA deixou de exportar para oParaguai;

•1999 – Brasil deixou de exportar para o Paraguai;

•2001 – Alíquota de 150% para exportação de armas do


Brasil para países da América do Sul e Central (exceto
Argentina, Chile e Equador – Res. no. 17/2001-CAMEX);

•2001 – Brasil deixou de importar armas argentinas.


A campanha de entrega voluntária
de armas (que teve início em
julho de 2004) já apresenta
resultados muito interessantes:

▪ 400.985 armas entregues até 01/08/05.

Em números absolutos, São Paulo foi o Estado que mais


arrecadou: 113.066 armas!

Essas armas estão deixando de ser usadas em conflitos


interpessoais e também de ser roubadas em assaltos.

▪ Redução do número de armas furtadas no país: De 40 mil em


2003, para 15 mil em 2004.
Jornal: O ESTADO DE S. PAULO
Metrópole
Sábado, 3 de setembro de 2005

Morte por arma de fogo cai 8,2%

Ministério registrou no ano passado 3234 casos a menos que em 2003,


resultado atribuído ao Estatuto do Desarmamento.

Depois de 13 anos de aumento constante, o número de mortes por arma de fogo caiu no país.
No ano passado, morreram 36.091 – 3.234 a menos do que em 2003, isso significa redução de 8,2 %.
O Governo atribuiu a queda à campanha do desarmamento, programa de entrega
voluntária de armas iniciado em julho de 2004.

Feita pelo Ministério da Saúde, a pesquisa constatou a redução das mortes em 18 Estados. Mato Grosso
foi o que apresentou a maior queda: 20,6, em relação a 2003. Em números absolutos, o maior impacto
na estatística foi registrado em São Paulo: 1.960 mortes a menos do que o notificado em 2003.