Vous êtes sur la page 1sur 14

Geração de 70

A esta geração pertenceram muitos


intelectuais que, nas últimas décadas do século
XIX, levaram a cabo uma autêntica revolução no
modo de pensar o País, a sociedade e a literatura.

Influenciados pelos modelos europeus,


agitaram a consciências e o poder e legaram às
gerações seguintes uma obra inestimável nos
diversos domínios da sua intervenção.
Nomes importantes

Antero de Quental
(1842-1890)
Eça de Queirós
(1845-1900)

Ramalho Ortigão
(1836-1915)
Nomes importantes

Oliveira Martins
(1845-1894)
Guerra Junqueiro
(1850-1923)

Teófilo Braga
(1843-1924)
Antecedentes (1850/1870)
 Romantismo muito limitado aos
problemas nacionais e cheio de
sentimentalismos – Ausência de
contacto com o estrangeiro.

 Romantismo muito desviado das


qualidades verdadeiramente originais
(com Garrett e Herculano) – Período de
modorra na cultura portuguesa.
Objectivos
 Libertar a literatura e a cultura portuguesas do
romantismo desvirtuado.

 Pôr em questão toda a literatura portuguesa desde


as origens.

 Preconizar uma profunda transformação na


ideologia política e na estrutura social portuguesa
(prepara a Rev. Republicana de 1910).

 Revolucionar o país culturalmente tendo em


conta que é importante a tradição cultural.
Geração de 70

Criação de ideias e obras

Profunda Revolução Cultural


Questão Coimbrã

Como surgiu?
 Pinheiro Chagas publica o Poema da
Mocidade, uma biografia lírica típica do
saudosismo ultra-romântico Na carta-posfácio
redigida por António Feliciano Castilho, este
elogia Pinheiro Chagas e recomenda-o para a
cadeira de Literatura do Curso Superior de
Letras. Nessa carta, Castilho alude à moderna
escola de Coimbra e à sua poesia ininteligível.

 Antero responde com um artigo intitulado


Bom Senso e Bom Gosto.
Questão Coimbrã
O que é?
Confronto entre duas concepções de
romantismo: confronto entre os ultra-românticos
que praticavam uma cultura puramente
decorativa e a geração de 70 que considerava
que a literatura devia focar os problemas sociais.

 Luta pelo fortalecimento da consciência


crítica; a literatura deve ser um fenómeno de
intervenção crítica na vida da colectividade.
As Conferências do Casino
Objectivos
Discutir ideias que revelam preocupação com a
transformação social, moral e política dos povos.

 Ligar Portugal com o movimento cultural


moderno.
 Procurar adquirir consciência dos factos que
nos rodeiam na Europa.

 Agitar na opinião pública as grandes questões


da Filosofia e da Ciência moderna.
 Estudar as condições de transformação política,
económica e religiosa da sociedade portuguesa.
Conferências Democráticas do Casino
1ª Conferência – O Espírito das Conferências, de Antero de
Quental

2ª Conferência – Causas da Decadência dos Povos


Peninsulares, de Antero de Quental

3ª Conferência – A Literatura Portuguesa , de Augusto


Soromenho

4ª Conferência – A Literatura Nova, ou como mais


tarde foi designada, O Realismo como Nova
Expressão de Arte, de Eça de Queirós

5ª Conferência – O Ensino, de Adolfo Coelho


4ª Conferência – A Literatura Nova, ou como mais tarde
foi designada, O Realismo como Nova Expressão de Arte,
de Eça de Queirós

O realismo é uma reacção contra


o romantismo: o romantismo era a
apoteose do sentimento; o realismo é a
anatomia do carácter. É a crítica do
homem. É a arte que nos pinta a nossos
próprios olhos – para nos conhecermos,
para que saibamos se somos
verdadeiros ou falsos, para condenar o
que houver de mau na nossa sociedade.
Realismo
Começa por ser um movimento de contestação do
idealismo romântico.

Fundando-se na observação e análise dos costumes


sociais, o realismo adopta uma atitude crítica em relação à
sociedade do seu tempo.

Temas de alcance Temas Critérios de


colectivo contemporâneos verosimilhança

Temas da vida Temas da vida Temas da vida


familiar: educação, económica: ambição, cultural e social:
adultério… opressão, usura… jornalismo, política...
Eça moendo o Idealismo com o pilão do Realismo. Caricatura de Rafael
Bordalo Pinheiro alusiva à Conferência de Eça sobre o realismo
Realismo 
Naturalismo
2.ª metade do séc. XIX
Interesse pela descrição
e estudo da realidade
O Naturalismo encara a literatura como um
documento sociológico. Acredita-se que os males descritos
resultam de causas determinantes, como a educação, o
meio e a hereditariedade.