Vous êtes sur la page 1sur 28

Dificuldades de

Aprendizagem em crianças
com idades compreendidas
entre os 7-8 anos de idade
Vivemos num tempo de mudança acelerada que,
provocou nos últimos tempos, profundas
alterações sociais que, indiscutivelmente, lançam
novos desafios , requerendo soluções inovadoras. A
escola assume actualmente um papel demasiado
importante para ser esquecido no contexto, de
uma sociedade em mudança. Esta assume uma
função educativa que excede largamente a função
instrutiva. Apesar, do seu papel crucial, as
dificuldades de aprendizagem continuam ainda
hoje, a ser uma realidade que, afecta o
desenvolvimento integral de qualquer criança.
Desta forma, com este trabalho, pretendemos
abordar as dificuldades de aprendizagem no que,
se refere ao seu significado, causas e possíveis
soluções.
1.Aprendizagem

Podemos afirmar que a característica mais


importante da espécie humana é a
capacidade de aprender, de aprender sempre,
com todos e em qualquer lugar. É a
aprendizagem que permite que o ser humano
se adapte às condições do ambiente sempre
em mudança, assegurando-lhe a flexibilidade
do comportamento.
A aprendizagem pode definir-se como uma mudança
relativamente estável e duradoura do comportamento e do
conhecimento. Esta mudança de comportamento está
relacionada com o exercício, a experiência e a descoberta,
podendo ocorrer de forma consciente ou inconsciente, num
processo individual ou interpessoal. E tudo o que o homem
aprende ocorre no contexto da sua cultura.

Desde que nascemos até morrermos mudamos. E esta


mudança é devida em grande parte à aprendizagem. É
através de experiências que aprendemos novas atitudes,
novas competências, novos medos, novos conceitos, novas
formas de resolver os problemas. Pela aprendizagem
adquirimos saberes, desenvolvemos capacidades,
ocorrendo uma mudança pessoal.
“A aprendizagem é uma modificação relativamente
estável do comportamento, resultante de treino
especial, das situações a que determinadas
actividades ficaram expostas ou ainda da imitação de
determinados modelos.” (VAZ SERRA)

“A aprendizagem faz parte da nossa quotidaneidade;


não é situação específica, limitada no tempo. Faz
parte da nossa condição humana, como contributo
individual ao processo de hominização.”
(Prof. Dr. GUIMARÃES LOPES)
A aprendizagem é assim,
um processo:

 global;
 dinâmico;
 contínuo;
 pessoal;
 gradual.
2. A Escola e a Sociedade Actual

A escola é menos local de acumulação de saberes e


mais local de desenvolvimento da capacidade de
aprender, permitindo uma melhor inserção dos jovens
numa sociedade tornada inconstante. Assim, não será
“um paradoxo menor que as nossas escolas, baseadas
nos princípios mais igualitários, reproduzam na
realidade uma ordem social, até mesmo na forma como
accionam as competências cognitivas das crianças que
lhes são confiadas.” (Willem Doise)
Podemos considerar que vivemos no século de meios de
comunicação da massas e da explosão tecnológica,
situação esta que se reflecte na necessidade de expansão
e de democratização do ensino. Democratização do ensino
que não é sinónimo de democratização socioeconómica e
sociocultural, razão essa que constitui um dos problemas
mais discrepantes e aberrantes da situação actual do
processo de ensino.
A constelação dos problemas pedagógicos advém do
desenvolvimento da industrialização e das suas
contradições sociais, que geram a necessidade do
aumento do nível da instrução para se adaptar à
mobilidade de novos empregos que se reflectem como
pressões sobre a escola.

A busca do sucesso escolar é uma condição do sistema


social actual, é ela que reforça expectativas e que
justifica projectos e esperanças familiares. Podemos
mesmo garantir que o sucesso escolar é um meio de
higiene mental a todos os níveis familiares e sociais.
A sociedade em que estamos hoje inseridos apresenta-se
bastante competitiva sendo, o diploma sinónimo de salvo-
conduto e de sobrevivência social, facto este, de onde
nascem as causas das epidemias das dificuldades
escolares.
3. Dificuldades de Aprendizagem

O termo dificuldades de aprendizagem começou a ser


usado frequentemente, segundo Correia (1991), nos
anos 60 para, descrever uma série de incapacidades
relacionadas com o insucesso escolar que, não podiam
ser atribuídas a outros tipos de problema.

Kirk (cit. Por Correia, 1991), define dificuldade de


aprendizagem como sendo um atraso, desordem ou
imaturidade num ou mais processos da linguagem falada,
da leitura, da ortografia, da caligrafia ou da aritmética,
resultantes de uma possível disfunção cerebral e / ou
distúrbios de comportamento e não dependentes de uma
deficiência mental, de uma privação sensorial, de uma
privação cultural ou de um conjunto de factores
pedagógicos.
Quais as características e comportamentos
típicos mais frequentes em crianças com
este tipo de dificuldade?

Principais características:

 Dificuldades de aprendizagem nos processos


simbólicos:
 Fala
 Leitura
 Escrita
 Cálculo

Discrepância no seu potencial de aprendizagem

Dificuldades no processo de informação tanto a nível


receptivo como integrativo e expressivo

 Diversidade de comportamentos
Comportamentos típicos:

 Actividade motora: hiperactividade ou hipoactividade,


dificuldade de coordenação;

 Atenção: baixo nível de concentração, dispersão;

 Área matemática: Problemas em seriações, inversão de


números e erros de cálculo;

 Área verbal: problemas na codificação/ descodificação


simbólica, irregularidades na lectoescrita, disgrafia,
discalculia e dislexia;
→ Emoções: desajustes emocionais leves, baixa auto-
estima;

→ Memória: dificuldades de fixação e raciocínio;

→ Percepção: reprodução inadequada de formas


geométricas, confusão entre figura e fundo, inversão de
letras;

 Sociabilidade: inibição participativa, pouca habilidade


social, agressividade e impulsividade.
As dificuldades de aprendizagem são
inatas ou produzidas pela sociedade e
pela escola?

Para Mauco (1975), as dificuldades escolares podem ter


múltiplas origens. A saúde física e psíquica da criança, as
suas aptidões intelectuais ou manuais, os seus gostos, o seu
meio familiar e social, o comportamento dos seus
professores e os seus métodos pedagógicos, as matérias
ensinadas e finalmente, as reacções dos pais em face dos
resultados intervêm, em graus variados no comportamento
do aluno.
Factores:

Podemos considerar quatro grandes grupos:

• Orgânicos;
• Educacionais;
• Ambientais;
• Familiares.

Orgânicos: Educacionais:

• Pré-Natais • Motivação;

• Peri-natais • Métodos;

• Currículos;
• Pós-natais
• Relação
• Hereditários professor/aluno,
aluno/aluno;
Ambientais:

• Má nutrição;

• Diferenças sócio-culturais;

• Clima emocional adverso;

• Dispedagogias;

• Tóxicos ambientais.
Familiares:

• Violência doméstica;

• Stress familiar;

• Desemprego;

• Divórcio;

• Alcoolismo.
Como combater as dificuldades
de aprendizagem?

Combate às Dificuldades de Aprendizagem e


insucesso escolar
Envolverá:

• Individualização (sinónimo de ensino plástico e


adaptativo);
• Desenho curricular;
• Reforços positivos;
• Aprendizagem especializada;
• Avaliações sistemáticas.
Isto é:

• Começar por algo que saibamos de antemão que o aluno


pode aprender (inventário de aptidões);

• Simplificar ou subdividir o nível de dificuldade em


componentes altamente motivadores e susceptíveis de
serem resolvidas por aproximações sucessivas (em vez de
esperar que o aluno ultrapasse o nível de exigência das
tarefas educacionais);

• Encontrar o método mais adaptado (é o método que se


adapta ao aluno e não o contrário);

• Utilizar planos detalhados e específicos;


• Prever alternativas;

• Seleccionar materiais;

• Definir objectivos em termos operacionais;

• Verificar se estão ou não a ser alcançados;

• Aplicar reforços positivos;

• Sistematizar a aprendizagem numa sequência


hierarquizada;
• Generalizar e transferir as aquisições já feitas
para novas situações;

• Procurar criar materiais e recursos que se


ajustem às necessidades do aluno. Rafael, H

“ O bom ensino exige duas coisas: é necessário dizer aos


alunos o que está bem e o que está mal, e, quando o que
fazem está bem, há que os orientar de modo a dar o passo
seguinte.” (SKINNER)
Qual a consequência das dificuldades de
aprendizagem em termos do desenvolvimento
da personalidade da criança?

A existência de um ambiente inadequado, pode ter


repercussões a nível do desenvolvimento integral da
criança. Compreende-se, assim, porque razão alguns
aspectos cruciais da personalidade como, a autonomia,
o autocontrolo, a capacidade de comunicação
interpessoal, a expressão das ideias dos afectos e a
construção de projectos de vida são gradualmente
danificados.
Uma criança com dificuldades de aprendizagem
transporta um peso frustracional que se reflecte na
família, no professor e no grupo dos seus companheiros.
Este aspecto, para além de ser impregnado de tendências
antissociais que se verificam mais tarde, converteu-se
num sentimento de autodesvalorização e
autosubestimação que urge combater.
Ajude o seu filho e ajude-nos a ajudá-lo!

...E como diz José Carlos Ary dos Santos, no seu


poema «Aprender a Estudar»:

“...Estudar é escrever um ditado


sem ninguém nos ditar;
e se um erro nos for apontado
é sabê-lo emendar.
É preciso, em vez de um tinteiro,
Ter uma cabeça que saiba pensar,
pois, na escola da vida,
primeiro está saber estudar...
...Estudar é muito
mas pensar é tudo!”
Intervenção Psicopedagógica

BAPAE
Bateria de Aptidões
para a Aprendizagem
Escolar
Compreensão Relações Conceitos Orientação
Aluno Idade Verbal Espaciais Quantitativos Constância da Forma Espacial

7
A anos 35% 35% 65% 10% 20%

8
B anos 20% 15% 77% 35% 99%

7
C anos 55% 35% 50% 55% 99%

7
D anos 65% 15% 90% 35% 99%

7
E anos 55% 35% 90% 65% 20%

7
F anos 95% 99% 85% 75% 11%

Total:
54.2% 39% 76.2% 45.8% 58%
Este teste foi aplicado a um grupo de seis crianças (1.º
ciclo ensino básico) com idades compreendidas entre os
7-8 anos (2.º ano)

Visto que, a prova de relações espaciais foi aquela onde


se constatou maiores dificuldades, tornar-se-ia
pertinente a aplicação de uma intervenção
psicopedagógica.
Assim, utilizaríamos como metodologia a aplicação de
um jogo didáctico- Tangran. Segundo este, as crianças
poderiam manipular as diversas peças que o constituem,
tentando construir pequenas imagens.
Universidade Lusófona do Porto
Porto, 20 de Janeiro de 2006

Disciplina: Pedagogia

Docentes: Prof. Dr.º Guimarães Lopes e


Dr.ª Liliana Almeida

Discentes: Carla Sousa n.º 7922


Cátia Ferreira n.º 7924