Vous êtes sur la page 1sur 27

 

  



   !
 "#  "#
$ % 
   &   ' ()*+,(,

-
$

 ./   

| 


     

  
' 0 1| 2 3(45+' (67,8
' 9 9:
V Educador theco, nasceu em
Nivnice, na Morávia, em
1592.
V Sua família pertencia a
seita religiosa dos Irmãos
Morávios.
V Cursou teologia na
Universidade Calvinista de
Herborn, na Alemanha,
seguindo as lições de
Ratke e Alsted.
V Segue para Heidelberg, região
da Alemanha, onde aprimora
seus estudos de astronomia e
matemática.
V Ordenado Sacerdote (da Igreja
dos Morávios) em 1616 dedica-
se as atividades de ensino.
V Temperamento batalhador.
V Mudou-se
para Polônia em 1628, como a
maioria dos Irmãos Morávios,
fugindo da perseguição ± início
de peregrinação pela Europa
| =@= 
=
/?
 
?
 -
./ 3|?(5558
]!


 
] ;  < !

 =
 

 "#  3(6(C (6DC8
]. <
]&
 



 .

 
 '
]=
-
  > 
 
› 
  

  

   
 ]
  
 
  
   
 
|A  ]
B   - "#
 
    "#
]|&
3(D7E (4DE8
]  3(46( (6+68
]! ! 3(46D (6D+8
]$
3(456 (64,8
Influências
V Ú- ; F 3(47( (6E48
Importante reformista. Elabora um ideal pansófico que se
apóia em 3 pilares (graça, natureza e línguas). Trata do
método fundamental e natural de aprendizagem (língua
materna; do simples ao complexo). Todos os jovens (ricos
e pobres) devem ser instruídos e defende a divisão do
trabalho didático.

V '> %
>  (1588-1638):
professor de Coménio em Herborn. Liga ao ideal pansófico
e ao método uma forte inspiração religiosa. Para ele Deus
é o princípio de todo saber ± a educação realiza no mundo
a vontade de Deus. Distingue as escolas elementares das
superiores.
V '> G   
  3(4C6 (64D8
Ligado a ordem dos rosacruzes (místicos reformadores de
origem medieval). Estimula a usar na ³escola´ os melhores
autores. A educação deve ser realizada na língua materna.

V=   |   3(46C (6E58


filósofo renascentista italiano, poeta e teólogo dominicano.
Seus escritos exerce forte influência sobre Comenius: o
sensacionismo naturalista (O seu sensismo lança as bases
do método experimental - salientam a necessidade da
experiência humana como uma base para a filosofia); a
idéia de uma cidade reformada nos costumes,
internamente pacificada, guiada por um comum ideal
religioso e organizada de forma educativa
ALGUMAS OBRAS
V Labirinto do Mundo (1623)
V Didáctica checa (1627) - traduzida em 1631 para o
latim como $ /   
V Guia da Escola Materna (1630)
V Porta Aberta das Línguas (1631)
V Novíssimo Método das Línguas (1647)
V Mundo Ilustrado (1651)
V Opera didactica omnia ab anno 1627 ad 1657 (1657)
V Consulta Universal Sobre o Melhoramento dos
Negócios Humanos (1657)
V O Anjo da Paz (1667)
V A Única Coisa Necessária (1668)
Relação Educativa
$| $$;=GH |I$J

EDUCADOR EDUCANDO
³Mestre´ ³aprendiz´

 
K     
K
 
p   
G
 "# -   L 

K   
 
 
;-
 
=;M=| 
  
 G #
  
K    
       "# 
Proíbe o ensino dos      "# 
 " 
clássicos B 

| JN=|
@
- Recuperação dos clássicos
excluindo trechos.
- Harmonizar fé e razão
<
  "#  | . 
  
;-
  
 "#    

  

| 




"#    |
 
 K "# 

 

. >  /  
 - 
&>B
Pensamento

V Aspectos fundamentais e prioritários do seu


pensamento:
As dimensões pansófica (ciência
universal/totalidade do saber) e religiosa.

V Aspecto mais original e significativo do seu


pensamento
O binômio inovação-tradição.
ß...] o espírito conservador e renovador do
momento, ou seja, enquanto, por um lado, há
ênfase na memorização, na diretividade total do
professor, na exposição docente do conteúdo, na
passividade do aluno a quem cabe apenas ouvir,
destaca-se, por outra parte, como nova forma de
ensino, a imitação da natureza, a observação e a
experimentação, os processos das artes
mecânicas, os métodos da nova forma de trabalho
e da ciência (GASPARIN, 1994, p.41).
Educação
V Concepção Educativa abarca problemas teóricos e
práticos.
Seu projeto visava adaptar e harmonizar o ser humano no
novo contexto produtivo e conturbado entre os séculos
XVI e XVII.
V Instrumento para realizar a harmonia do mundo.
Base da sociedade perfeita

V Educação universal que não faça diferença de sexo


ou classe social.
³ß...] devem ser enviados às escolas não apenas os filhos
dos ricos ou dos cidadãos principais, mas todos por igual,
nobres e plebeus, ricos e pobres, rapazes e raparigas, em
todas as cidades, aldeias e casais isolados.´ (COMENIO,
p.139).
Educação
V Centralidade na vida do homem e da sociedade.
V Educação deve começar na mais tenra idade e
deve ser feita na instituição escolar:
³quando as mentes não estão ainda ocupadas e
contaminadas por pensamentos vãos e por costumes
mundanos´
Pedagogia
V Deve ter feição de ciência para que a educação
desenvolva seu potencial reformador.
V Disciplina autônoma e separada da teologia e
filosofia.
V Conceito de instrução para toda a vida e aberta
a todos.
V Concepção unitário do saber e empenho por
uma educação para a paz (irênica) e a
concórdia entre os povos.
Concepção Pedagógica
V Baseada em um ideal religioso
concebe o homem e a natureza como
manifestação de um preciso princípio divino.
Deus está no centro do mundo e da vida do
homem.

V Construção pedagógica
tem caráter ético-religioso e conotação utópica:
a educação é a criação de um modelo universal
de ³homem virtuoso´, a qual é confiada a reforma
geral da sociedade e dos costumes.
PRINCÍPIOS DO MÉTODO
V Ensinar ³tudo a todos totalmente´
Referência aos três reinos do saber: mundo, mente e
revelação.
Confere à educação uma dimensão cidadã
V O sincretismo
relação entre natureza e arte (arte de ensinar a didática
extrai suas regras da natureza; processo educativo repete
as leis do desenvolvimento natural)

V Substancial unidade estrutural


Homem muda de forma, mas permanece
substancialmente imutável
Assim, Conteúdos didaticamente necessários ao homem
permanecerão os mesmos, mudando o modo de
apresentá-los
ESCOLA
V Pensada como ³oficina de homens´.
Para atender seu objetivo formativo devem ser
reformadas e reorganizadas de maneira diversa.

V Modelo de ³Escola bem Ordenada´::


Todos são instruídos plenamente;
Há lugar para os ideais da sapiência, da honestidade e
da piedade;
Educação se realiza com a máxima delicadeza e doçura,
sem severidade e coerção;
Cultura dispensada é sólida;
Não é cansativa..
V Tem como parâmetro as ³artes´
Superação do artesanato pela manufatura:
 salto qualitativo de produção;
 fundou as bases da produção capitalista.

V Ensino vinculado ao cotidiano do aluno


 ler e escrever problematizando as coisas, ³... juntar
as palavras e as coisas´ (COMENIO, s/d, p.295)
V A favor da expansão escolar
Escola tem elevados custos ± para expandir é
necessário barateá-la
 Transformação do instrumental do trabalho
didático - objetivação do trabalho didático
 Com os instrumentos os sábios tornavam-se
desnecessários

   .

 
 ¢
  p 

A proa e a popa da nossa Didáctica será


investigar e descobrir o método segundo o qual os
professores ensinem menos e os estudantes
aprendem mais; nas escolas, haja menos barulho,
menos enfado, menos trabalho inútil, e, ao
contrário, haja mais recolhimento, mais atractivo e
mais sólido progresso; na Cristandade, haja
menos trevas, menos confusão, menos dissídios,
e mais luz, mais ordem, mais paz e mais
tranqüilidade (COMENIO, s.d., p.44).
Organização Escolar
V Quatro Escolas - Graus sucessivos ± objetivos,
conteúdos e métodos específicos.

() | J=;J;IO|


A mais importante
Objetivo - preparar o ³terreno da inteligência´; está
ligada a ³toda esperança da reforma universal das
coisas´
+) | J| J G;N|J
;|

Objetivo: ³fazer adquirir prontidão e esbeltez para


o corpo, para os sentidos, para a inteligência´.

Dividida em seis classes nas quais se aprende:


leitura, escrita, matemática, primeiros preceitos
morais e rudimentos da fé.
E) | J$J= !N ;
$ J|2|

Objetivo: ³colocar em forma a floresta de noções


recolhidas pelos sentidos para um uso mais claro
do raciocínio´.

Chamada de latim porque educa para a elegância


expressiva e leitura individual dos textos
D) |$;'G=$

Objetivo: ³formação da luz harmônica, plena,


universal, que congrega sapiência, virtude e fé´.

Chamada academia porque se coloca como


³conselho´ de sábios e está situada em lugar
afastado e tranquilo.
Ao lado das 4 Escolas prevê
V  
&   
: fornecer
aos pais conselhos úteis no plano moral e
higiêncio-sanitário

V   G
 : destina-se à idade
madura orientar a vida do indivíduo por meio do
temor de Deus e o empelho profissional

V   G>: preparação para a morte

V   
: para todas as idades.
REFERÊNCIAS
V ALVES, Gilberto Luiz. Y   
 

   . SP: Autores Associados, 2005.
(Coleção Educação Contemporânea)
V CAMBI, F. (1999). þ      . São
Paulo: Editora UNESP.
V COMENIO, J. A. ¢ 

   (1632).
Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, (s/d).
V GADOTTI, Moacir. História das Idéias
Pedagógicas. SP: Ática, 2008
V GASPARIN, J. L. |      
   . Campinas: Papirus, 1994.