Vous êtes sur la page 1sur 65

CFOE – CTA: FUNDAMENTOS DE CARTOGRAFIA

Projeções Cartográficas

Leonardo Marini Pereira


leo.marini@uol.com.br
Cap Eng CGR
Abril - 2019
Objetivos

a) definir os objetivos da cartografia (Cn);


b) demonstrar as consequências da representação da Terra em um plano
(Cp);
c) apontar as superfícies de desenvolvimento de projeções (Cn);
d) diferenciar superfície de referência (coordenadas geodésicas) de
superfície de projeção (An);
e) enunciar projeções equidistantes, conformes, equivalentes e afiláticas
(Cn);
f) identificar as diferentes projeções cartográficas utilizadas no Brasil e
principalmente na cartografia aeronáutica (Cn);
g) explicar as principais projeções cartográficas utilizadas no Brasil (Cp); e
h) interpretar as características do sistema UTM (Cp).
2
Roteiro
• Geodésia → Cartografia
• Projeção Cartográfica
• Superfícies de Projeção
• Conceitos de Azimute, Ortodromia e Loxodromia
• Propriedades Geométricas das Projeções
• Superfície de Referência x Superfície de Projeção
• Projeções mais utilizadas no Brasil (*UTM)
• Exemplos
3
Roteiro
• Geodésia → Cartografia
• Projeção Cartográfica
• Superfícies de Projeção
• Conceitos de Azimute, Ortodromia e Loxodromia
• Propriedades Geométricas das Projeções
• Superfície de Referência x Superfície de Projeção
• Projeções mais utilizadas no Brasil (*UTM)
• Exemplos
4
Geodesia → Cartografia
• Geodesia:
– Estabelecimento de um Sistema de Referência
– (j, l, h)SGR; (X,Y,Z)SGR
Z

P(j, l, h)
– Superfície de Referência: (X,Y,Z)

• Elipsoide (3D) j Y

• Cartografia:
– Representação dos elementos da superfície terrestre em um
plano (papel ou tela do computador)
– Superfície:
• Plano (2D)

5
Roteiro
• Geodésia → Cartografia
• Projeção Cartográfica
• Superfícies de Projeção
• Conceitos de Azimute, Ortodromia e Loxodromia
• Propriedades Geométricas das Projeções
• Superfície de Referência x Superfície de Projeção
• Projeções mais utilizadas no Brasil (*UTM)
• Exemplos
6
Cartografia
Superfícies de Projeção

Plano

Superfície de Projeção
Referência
(Geodesia)

7
Projeção Cartográfica
• Transformação de Coordenadas entre:
– Sistema Geodésico e Sistema Cartesiano 2D
Z

P(j, l, h) Y
(X,Y,Z)

Projeção
j Y y
P(x,y)
l Cartográfica
X
0 x
X

• Consequências:
– Distorções quando da conversão do sistema Geodésico
para o sistema cartesiano 2D
– Elipsoide x Plano
8
Roteiro
• Geodésia → Cartografia
• Projeção Cartográfica
• Superfícies de Projeção
• Conceitos de Azimute, Ortodromia e Loxodromia
• Propriedades Geométricas das Projeções
• Superfície de Referência x Superfície de Projeção
• Projeções mais utilizadas no Brasil (*UTM)
• Exemplos
9
Superfícies de Projeção

• PLANO
– Tangente ou Secante à Superfície
de Referência
– Parâmetro principal: Coordenadas
do ponto central

Posições:
(Aspectos)

Polar Equatorial Oblíquo


10
Superfícies de Projeção

• CILÍNDRO
– Tangente ou Secante à Superfície de Referência

– Parâmetro principal: Linhas de tangência ou


secância (paralelos, meridianos ou linhas
oblíquas)

Posições:
(Aspectos)

Normal Transverso Oblíquo


11
Superfícies de Projeção
• CONE
– Tangente ou Secante à Superfície de
Referência
– Parâmetro principal: Meridiano Central e
Paralelo(s)-Padrão

(1) Um Tangente
Paralelo-padrão

(2) Dois
Paralelos-padrão Secante

12
Superfícies de Projeção
• POLISSUPERFICIAIS
– Mais de uma Superfície de Projeção (do mesmo tipo)

Policônica

13
Superfícies de Projeção: Polissuperficiais
Poliédrica

14
Superfícies de Projeção
• Plano • Polissuperficiais
(Projeções Azimutais)

• Cilindro

• Cone

15
Roteiro
• Geodésia → Cartografia
• Projeção Cartográfica
• Superfícies de Projeção
• Conceitos de Azimute, Ortodromia e Loxodromia
• Propriedades Geométricas das Projeções
• Superfície de Referência x Superfície de Projeção
• Projeções mais utilizadas no Brasil (*UTM)
• Exemplos
16
Alguns Conceitos...

• Azimute

• Ortodromia

• Loxodromia

17
Ângulo Azimute
“Ângulo contado a partir do Norte N
até uma dada direção pelo leste”.
AzA,B

A
N

N B

AzB,A

D
AzD,C
N

AzC,D

C
18
Ortodromia
• Também conhecida como Ortodrômica ou linha Geodésica é a linha
(arco) que representa a menor distância entre dois pontos na
superfície de referência.
• A navegação sobre uma ortodromia
exige constantes mudanças de
Azimute. B

19
Loxodromia
• Linha de mesmo Azimute (“rumo” na navegação
náutica e aeronáutica)
• Não corresponde à distância mais curta entre dois
pontos.
Loxodromia

20
Roteiro
• Geodésia → Cartografia
• Projeção Cartográfica
• Superfícies de Projeção
• Conceitos de Azimute, Ortodromia e Loxodromia
• Propriedades Geométricas das Projeções
• Superfície de Referência x Superfície de Projeção
• Projeções mais utilizadas no Brasil (*UTM)
• Exemplos
21
Propriedades Geométricas das Projeções
• Equidistantes
– Preservam Distâncias

• Equivalentes
– Preservam Áreas

• Conformes
– Preservam Formas (ângulos)

• Afiláticas
– Não preservam nenhuma das outras
três propriedades

22
Projeções Equidistantes
• Preservam as distâncias apenas para algumas linhas.
• Exemplo – Projeção Cilíndrica Equidistante: Meridianos e Equador

Distância no Mapa igual a 7230 km


Linha Geodésica com a respectiva distância
23
Projeções Equivalentes
• Preservam as áreas.
• Meridianos e paralelos não se interceptam em ângulo reto.

Projeção NÃO-EQUIVALENTE Projeção EQUIVALENTE


(Mercator) (Mollweide)

24
Projeções Conformes
• Preservam os ângulos. Consequentemente, as formas.
• Paralelos e meridianos se cruzam em ângulos retos.
• Loxodromias são representadas como linhas retas (navegação).

Loxodromia com Azimute de 292.5º


25
Projeções Afiláticas
• Não preservam distâncias, áreas ou ângulos.
• Possuem alguma outra propriedade relevante que a justifique.
• Exemplo - Projeção. Gnomônica: As ortodrômias são linhas retas

26
Roteiro
• Geodésia → Cartografia
• Projeção Cartográfica
• Superfícies de Projeção
• Conceitos de Azimute, Ortodromia e Loxodromia
• Propriedades Geométricas das Projeções
• Superfície de Referência x Superfície de Projeção
• Projeções mais utilizadas no Brasil (*UTM)
• Exemplos
27
28
Coord. Geodésicas como Coord. de Projeção
• Em qualquer mapa (computador ou papel):
– As coordenadas são referenciadas a um sistema geodésico (j,l).

– As coordenadas utilizadas são resultados da transformação de


coordenadas geodésicas (j,l) para coordenadas de projeção (x,y).

– É possível ler coordenadas geodésicas (j,l) a partir de coordenadas de


projeção (x,y): Transformação inversa.

– Sempre são armazenadas coordenadas de projeção (x,y).

– É possível fazer uso diretamente de coordenadas geodésicas como se


fossem de projeção:
x=l
y=j 29
Coord. Geodésicas como Coord. de Projeção
• Sistemas de Software:
– “Sem projeção”
– “Geographic [Lat/Long]”
– GCS (Geographic Coordinate System)

ArcGIS

Nome do Datum

Parâmetros
do elipsóide

30
Coord. Geodésicas como Coord. de Projeção
• Sistemas de Software:
– “Sem projeção”
– “Geographic [Lat/Long]”
– GCS (Geographic Coordinate System)

Spring: Datum

Nome da
Projeção

31
Coord. Geodésicas como Coord. de Projeção
• Sistemas de Software:
– “Sem projeção”
– “Geographic [Lat/Long]”
– GCS (Geographic Coordinate System)

MicroStation
Geographics:

Projeção

32
Coord. Geodésicas como Coord. de Projeção
• O que é entendido nos sistemas como...
– “Sem projeção”
– “Geographic [Lat/Long]”
– GCS (Geographic Coordinate System)
• ...é a projeção Conforme Plate-Carrée:

33
Plano x Elipsoide
• Medidas efetuadas sobre sistemas de projeção (plano) estão sujeitas a
distorções.

• Medidas efetuadas sobre a superfície de referência (elipsoide) são


consideradas reais, porém há a dificuldade de representá-las no plano
(papel ou tela do computador).

• Alguns sistemas oferecem a possibilidade de escolher a superfície de


medição (plano ou elipsoide) entretanto, sempre a representam no plano.

• O FPDAM executa todas os cálculos (distâncias e ângulos) diretamente


sobre o elipsoide e os representa por meio de um sistema de projeção.

34
Roteiro
• Geodésia → Cartografia
• Projeção Cartográfica
• Superfícies de Projeção
• Conceitos de Azimute, Ortodromia e Loxodromia
• Propriedades Geométricas das Projeções
• Superfície de Referência x Superfície de Projeção
• Projeções mais utilizadas no Brasil (*UTM)
• Exemplos
35
Projeções utilizadas no Brasil

• Policônica

• Cônica conforme de Lambert

• Plana Estereográfica

• Universal Transversa de Mercator (UTM)

36
Z
Parâmetros de Projeção
P(j, l, h) Y
(X,Y,Z)

Projeção
j Y y
P(x,y)
l Cartográfica
X
0 x
Parâmetros X
da Projeção

• Toda projeção cartográfica possui um conjunto de parâmetros, cuja finalidade


é associar pontos ou regiões notáveis da superfície de projeção (ponto de
tangência, linhas de tangência ou de secância) com pontos ou regiões
específicos da superfície de referência.
• Por esta razão, os parâmetros das projeções são dados em coordenadas
geodésicas.
• Exemplo: coordenadas do ponto de tangência; longitude do meridiano central;
latitude dos paralelos padrão.
37
Projeção Policônica
• Polissuperficial e Afilática.
• Cada paralelo é desenvolvido por um cone tangente a ele.
• Parâmetro: Longitude do Meridiano Central.

38
Projeção Cônica Conforme de Lambert
• Cônica e Conforme (interesse da navegação).
• É adotada para as cartas WAC e cartas IFR.
• Faz uso de 1 ou 2 paralelos-padrão (tangente ou secante)
• A distorção é nula ao longo dos paralelos-padrão
• Parâmetros: 1) Longitude do Meridiano Central e
2) Latitude(s) do(s) paralelo(s)-padrão

(1) Um Tangente
Paralelo-padrão

(2) Dois
Paralelos-padrão Secante

39
Projeção Cônica Conforme de Lambert
• Cônica e Conforme (interesse da navegação).
• É adotada para as cartas WAC e cartas IFR.
• Faz uso de 1 ou 2 paralelos-padrão (tangente ou secante)
• A distorção é nula ao longo dos paralelos-padrão
• Parâmetros: 1) Longitude do Meridiano Central e
2) Latitude(s) do(s) paralelo(s)-padrão

40
Projeções Perspectivas Planas
• Fazem uso do conceito de “ponto de vista”.

Gnomônica Estereográfica Ortográfica


PV: Centro da SR PV: Ponto Diametralmente oposto PV: Infinito

41
Projeções Perspectivas Planas
• Variação do “ponto de vista”.

Gnomônica
PV: Centro da SR

GIF ►

Estereográfica
PV: Ponto Diametralmente oposto

Ortográfica
PV: Infinito
42
Projeções Perspectivas Planas
• Variação do “ponto de vista”.

Gnomônica
PV: Centro da SR

Estereográfica
PV: Ponto Diametralmente oposto

Ortográfica
PV: Infinito
43
Projeção Azimutal Estereográfica
• Plana e Conforme
• É adotada para projeção de dados de radares
• Principal parâmetro: Coordenadas do Ponto de Tangência do plano, ponto central
da projeção livre de distorções.

44
Projeção de Mercator
Plana
Estereográfica
GIF ►
Polar

Cônica
Conforme
de Lambert

Mercator

45
Projeção de Mercator para Cônica de Lambert (GIF)

46
Projeção de Mercator
• Cilíndrica e conforme.
• Cilindro tangente ao equador (posição normal)
• Aumento da distorção ao se afastar do equador.

47
Projeção de Mercator → Transversa de Mercator
GIF ►

Transversa de
Mercator

Oblíqua de
Mercator

Mercator

48
Projeção de Mercator → Transversa de Mercator
GIF ►

49
Projeção Transversa de Mercator (TM)
• Cilíndrica e conforme (variação da projeção de Mercator).
• Cilindro tangente um meridiano (posição transversa)
• Principal parâmetro: Meridiano Central

50
Universal Transversa de Mercator (UTM)
• Cilíndrica e conforme (variação da projeção TM).
• Cilindro na posição transversa, secante a duas linhas
simétricas a um meridiano central.
• Principal parâmetro: Meridiano Central

Vista Superior:

Ampliação

Ampliação
Redução

Redução
Meridiano Central
Linhas de Secância
Perfil:
Ampliação Redução Ampliação

Linhas de Secância

Superfície de Referência
Superfície de Projeção 51
Universal Transversa de Mercator (UTM)
• Recomendada para áreas com pequena extensão no sentido Leste-Oeste.

• Faz uso do Sistema UTM: 60 fusos com 6º de Amplitude (3º para cada lado do Meridiano Central).

• Brasil: 8 fusos.

• A contagem dos fusos se inicia no anti-meridiano de


Greenwich e aumenta para o leste.

Fuso 18 19 20 21 22 23 24 25
M.C. -75º -69º -63º -57º -51º - 45º -39º -33º 52
Universal Transversa de Mercator (UTM)
• O sistema UTM considera ainda a zona UTM
• Porém, os parâmetros mais importantes são:
– Hemisfério da zona UTM
– nº do Fuso UTM

53
Universal Transversa de Mercator (UTM)
• Variação dos fusos UTM.
• A contagem dos fusos se inicia no anti-meridiano de Greenwich e
aumenta para o leste.

AVI ►

54
Universal Transversa de Mercator (UTM)

• Coordenadas do Sistema de Projeção:

• As coordenadas são dadas em metros (m).

• [X,Y]→[E,N]

• E = 500.000 m no meridiano central.

• Equador:
• N = 0 m (Hemisfério Norte)
• N = 10.000.000 m (Hemisfério Sul)

55
Universal Transversa de Mercator (UTM)
• Coordenadas do Sistema de Projeção:

56
Universal Transversa de Mercator (UTM)
CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES

• Projeção mais utilizada no Brasil;


• As coordenadas UTM são coordenadas de um sistema de projeção;
• É fundamental o conhecimento do fuso e do hemisfério da zona UTM;
• Não é recomendado para áreas com grandes extensões em longitude.
• Problema: Áreas na interseção de fusos
– É possível escolher um e adotar para toda a área
– Recomenda-se outra projeção, por conta das distorções da projeção

57
Interseção de Fusos

• Visualização de fusos no Google Earth


– Ferramentas >> Opções
• Mostrar lat/long >> Universal Transversa de Mercator
– Visualizar >> Grade 58
Conhecimento do Sistema de Referência

• Exemplo: ArcGIS

59
Definição de Parâmetros de Projeção

• Exemplo: ArcGIS

60
Roteiro
• Geodésia → Cartografia
• Projeção Cartográfica
• Superfícies de Projeção
• Conceitos de Azimute, Ortodromia e Loxodromia
• Propriedades Geométricas das Projeções
• Superfície de Referência x Superfície de Projeção
• Projeções mais utilizadas no Brasil (*UTM)
• Exemplos
61
Demonstração Global Mapper

62
Roteiro
• Geodésia → Cartografia
• Projeção Cartográfica
• Superfícies de Projeção
• Conceitos de Azimute, Ortodromia e Loxodromia
• Propriedades Geométricas das Projeções
• Superfície de Referência x Superfície de Projeção
• Projeções mais utilizadas no Brasil (*UTM)
• Exemplos
63
Objetivos

a) Definir os objetivos da cartografia (Cn);


b) demonstrar as consequências da representação da Terra em um plano
(Cp);
c) apontar as superfícies de desenvolvimento de projeções (Cn);
d) diferenciar superfície de referência (coordenadas geodésicas) de
superfície de projeção (An);
e) enunciar projeções equidistantes, conformes, equivalentes e afiláticas
(Cn);
f) identificar as diferentes projeções cartográficas utilizadas no Brasil e
principalmente na cartografia aeronáutica (Cn);
g) explicar as principais projeções cartográficas utilizadas no Brasil (Cp); e
h) interpretar as características do sistema UTM (Cp).
64
Para refletir...

"Não ser descoberto numa mentira é o mesmo que dizer


a verdade“
Aristóteles Onassis
(Empresário Grego)

65