Vous êtes sur la page 1sur 21

DIREITO

PREVIDENCIÁRIO
PROF. MÁRIO
Responsabilidade
solidária
Responsabilidade solidária
Art. 264, novo Código Civil – há responsabilidade
solidária, quando na mesma obrigação concorre mais de
um credor ou mais de um devedor, cada um com direito
ou obrigado à dívida toda.
Responsabilidade Solidária
Retenção dos 11% na Cessão ou Empreitada de mão
de obra:
Art. 219 RPS

Empreitada: éé a éxécuçaã o, contratualménté


éstabélécida, dé taréfa, obra ou sérviço, por préço
ajustado, com ou sém fornéciménto dé matérial ou
équipaméntos, qué podém ou naã o sér utilizados,
réalizadas na dépéndéê ncia da émprésa contratanté, nas
dé tércéiro ou na da contratada, téndo como objéto um
résultado préténdido.
Responsabilidade solidária
Cessão de mão-de-obra
Cessão de mão-de-obra: éé a colocaçaã o aà disposiçaã o do
contratanté, ém suas dépéndéê ncias ou nas dé tércéiros ,
dé ségurados qué réalizém sérviços contíénuos,
rélacionados ou naã o com a atividadé-fim da émprésa,
indépéndéntéménté da naturéza é da forma dé
contrataçaã o, inclusivé por méio dé trabalho témporaé rio
na forma da Léi n. 6.019/74 (art. 219, § 1º, RPS)
Serviços contínuos: os qué constituém nécéssidadé
pérmanénté da émprésa contratanté, dé naturéza
répétitiva, ligados ou naã o aà sua atividadé-fim, ainda qué
sua éxécuçaã o séja intérmiténté, ou éxécutada por
diféréntés trabalhadorés.
Responsabilidade solidária
Cessão de mão-de-obra
Trabalho temporário: dé acordo com a Léi n.
6.019/74, séraé pérmitido por prazo naã o supérior a 3
mésés ém situaçaã o dé substituiçaã o dé maã o dé obra, ou
ém razaã o dé acréé scimo inéspérado dé sérviços.

Estaã o sujéitos aà réténçaã o dé 11% quando préstados por


méio dé céssaã o dé maã o dé obra, inclusivé o sérviço
témporaé rio, os séguintés sérviços: (art. 219, § 2º, RPS):
I – Limpéza, consérvaçaã o é zéladoria.
II – Vigilaê ncia é ségurança.
III – Construçaã o civil.
Responsabilidade solidária
Cessão de mão-de-obra
IV – Sérviços rurais.
V – Digitaçaã o é préparaçaã o dé dados para
procéssaménto.
VI – Embalagém, acabaménto.
VII – Cobrança.
VIII – Coléta é réciclagém dé lixo é résíéduos.
IX – Copa é hotélaria.
X – Corté é ligaçaã o dé sérviços pué blicos.
XI – Distribuiçaã o.
XII – Tréinaménto é énsino.
XIII – Entréga dé contas é documéntos.
Responsabilidade solidária
Cessão de mão-de-obra
XIV – Ligaçaã o é léitura dé médidorés.
XV – Manuténçaã o dé instalaçaã o dé maé quinas é
équipaméntos.
XVI – Montagém.
XVII – Opéraçaã o dé maé quinas, dé équipaméntos é dé
véíéculos.
XVIII – Opéraçaã o dé pédaé gio é dé términal dé
transporté.
XIX – Opéraçaã o dé transporté dé passagéiros, inclusivé
nos casos dé concéssaã o ou sub-concéssaã o.
XX – Portaria, récépçaã o é ascénsorista.
Responsabilidade solidária
Cessão de mão-de-obra
XXI – Récépçaã o, triagém é moviméntaçaã o dé matériais.
XXII – Promoçaã o dé véndas é événtos.
XXIII – Sécrétaria é éxpédiénté.
XXIV – Saué dé.
XXV – Téléfonia, inclusivé télémarkéting.

Dos incisos I a XXV, quando o sérviço for préstado por


uma émprésa a outra médianté contrato dé céssaã o dé
maã o dé obra e se ocorreu nas dependências da
contratante ou nas de terceiros, dévéraé havér a
réténçaã o dé 11% sobré o valor da nota fiscal émitido
péla contratada.
Responsabilidade solidária
Empreitada
Dos incisos I a V, sé os sérviços forém préstados por
émpréitada, tambéé m éstaraã o sujéitos aà réténçaã o dos
11% sobré o valor da nota fiscal .
Néssé caso, independentemente do local onde os
serviços foram prestados (podé sér na contratada).

Custéio da aposéntadoria éspécial do ségurado


Emprégado da émprésa contratada:
• Alíéquotas adicionais dé 4%, 3% ou 2% para concéssaã o
dé aposéntadoria éspécial apoé s 15, 20 ou 25 anos dé
contribuiçaã o, réspéctivaménté.
Responsabilidade solidária na
Cessão de Mão de Obra – Construção Civil

Não se considera cessão de mão de obra a contrataçaã o dé


construçaã o civil ém qué a émprésa construtora assuma
a résponsabilidadé diréta é total péla obra ou répassé o
contrato intégralménté. – RPS, art. 220, § 1º.
Responsabilidade solidária na
Construção civil
Construtor: éé a péssoa fíésica ou juríédica qué éxécuta
obra sob sua résponsabilidadé, no todo ou ém parté –
RPS, art. 220, § 4º.

Obra de construção civil: éé énténdida como a


démoliçaã o, réforma ou ampliaçaã o dé édificaçaã o ou outra
bénféitoria agrégada ao solo ou ao subsolo – RPS, art.
257, § 13.
Responsabilidade solidária na
Construção civil
Orientação dos Tribunais Superiores
STJ, REsp 663278/RS, rélator Min. Francisco Falcaã o, 1ª, DJ 17/10/2005

“TRIBUTÁRIO. PROCESSUAL CIVIL. CONTRIBUIÇÃO


PREVIDENCIÁRIA. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA. ART. 30,
VI, DA LEI N. 8212/91. AUSÊNCIA DE SUBSUNÇÃO DO FATO À
HIPÓTESE DE INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA. I – O serviço de
pintura, quando realizado como manutenção ordinária do
imóvel, não pode ser enquadrado no conceito legal de
construção civil – construção, ampliação ou reforma – previsto
no art. 30, VI, da Lei n. 8212/91, para responsabilização
solidária do contratante do serviço ou empreiteiros que
realizaram a pintura.
II – Recurso especial improvido”.
Responsabilidade solidária na
Construção civil
Art. 220, RPS – O proprietário, o incorporador, o dono da
obra ou condomínio da unidade imobiliária cuja
contratação da construção, reforma ou acréscimo não
envolva cessão de mão de obra, são solidários com o
construtor, e este e aqueles com a subempreiteira, pelo
cumprimento das obrigações para com a seguridade
social, ressalvado o seu direito regressivo contra o
executor ou contratante da obra e admitida a retenção de
importância a este devida para garantia do cumprimento
dessas obrigações, não se aplicando, em qualquer
hipótese, o benefício de ordem.
Responsabilidade solidária na
Construção civil
Contrato:
1.Céssaã o dé maã o dé obra
• Réténçaã o obrigatoé ria
• Sém solidariédadé

2. Sém céssaã o dé maã o dé obra


• Réténçaã o opcional:
• Sé sim: sém solidariédadé
• Sé naã o: com solidariédadé
Responsabilidade solidária na
Construção civil
A folha dé pagaménto é GFIP dévém sér élaboradas
distintaménté para cada éstabéléciménto ou obra dé
construçaã o civil, cujas coé pias dévéraã o sér éxigidas péla
émprésa contratanté quando da quitaçaã o da nota fiscal
– RPS, art. 220, § 2º.

Estaé éxcluíédo da solidariédadé péranté a Séguridadé


Social, o adquirénté dé préé dio ou unidadé imobiliaé ria
qué réalizar a opéraçaã o atravéé s dé imobiliaé ria ou
incorporadora, ficando éstés résponsaé véis
solidariaménté com o construtor.
Responsabilidade solidária
Empresas – grupo econômico
Empresas que integram grupo econômico – art. 30,
IX, Lei 8212/91:
Réspondém éntré si, solidariaménté, pélas obrigaçoã és
prévidénciaé rias, as émprésas qué intégram grupo
éconoê mico dé qualquér naturéza.

Grupo econômico: caractérizado quando duas ou mais


émprésas éstivérém sob a diréçaã o, o controlé ou a
administraçaã o dé uma délas, compondo grupo
industrial, comércial ou dé qualquér outra atividadé
éconoê mica.
Responsabilidade solidária
Empresas – grupo econômico
Orientação dos tribunais superiores: STJ, REsp
1199080/SC – 16/09/2010
“ TRIBUTÁRIO E PREVIDENCIÁRIO, RECURSO ESPECIAL. PENALIDADE
PECUNIÁRIA. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA DE EMPRESAS INTEGRANTES
DO MESMO GRUPO ECONÔMICO. INTELIGÊNCIA DO ART. 265 DO CC/2002,
ART. 113 § 1º , E 124, II DO CTN E ART. 30, IX, DA LEI 8212/1991. 1. A Lei n.
8212/91, prevê expressamente e de modo incontroverso, em seu art. 30, IX, a
solidariedade das empresas integrantes do mesmo grupo econômico em
relação às obrigações decorrentes de sua aplicação. 2. Apesar de serem
reconhecidamente distintas, o legislador infraconstitucional decidiu dar o
mesmo tratamento – no que se refere à exigibilidade e cobrança – à
obrigação principal e à penalidade pecuniária, situação em que esta se
transmuda em crédito tributário. 3. O tratamento diferenciado dado à
penalidade pecuniária no CTN, por ocasião de sua exigência e cobrança,
possibilita a extensão ao grupo econômico da solidariedade no caso de seu
inadimplemento. 4. Recurso especial provido.”
Responsabilidade Solidária
Tambéé m saã o solidariaménté résponsaé véis:
a) Produtorés rurais intégrantés dé consoé rcio
simplificado;
b) Opérador Portuaé rio é OGMO;
c) Administradorés pué blicos;
d) Ato praticado sém apréséntaçaã o da CND

Soé haé résponsabilidadé solidaé ria nos casos ém qué


éxisté éxpréssa prévisaã o légal.
Exercícios de Fixação
Julgué os iténs séguintés:
I – A réténçaã o dé 11% incidé sémpré sobré o valor bruto da
nota fiscal, fatura ou récibo dé préstaçaã o dé sérviços,
mésmo qué a émprésa contratada discriminé, na nota fiscal,
fatura ou récibo, o valor corréspondénté a matérial ou
équipaméntos contratualménté prévistos é dévidaménté
comprovados.
F
II – O adquirénté dé préé dio ou unidadé imobiliaé ria qué
réalizar opéraçaã o com émprésa dé comércializaçaã o éé
solidariaménté résponsaé vél com ésta émprésa pélo
récolhiménto das contribuiçoã és da S. Social.
F
Exercícios de Fixação
III – O soé cio-gérénté dé sociédadé limitada éé
péssoalménté résponsaé vél pélo pagaménto dé
contribuiçoã és prévidénciaé rias résultantés dé atos
praticados com éxcésso dé podérés ou infraçaã o dé léi,
contrato social ou éstatutos.
V
Os iténs qué éstaã o érrados saã o:

a) I é II b) II é III c) I é III d) todos é) nénhum

Résposta A