Vous êtes sur la page 1sur 40

Credenciamento para Utilização de Armas

de Alta Energia – 2017

Balística
MUNIÇÕES
Padrões para Identificação

Atenção: Bullet = Bala


MUNIÇÕES
Padrões para Identificação

A definição de Calibre Real é diferente de Calibre Nominal


MUNIÇÕES
Padrões para Identificação

Para um mesmo calibre real podem existir vários calibres


nominais, como ocorre, por exemplo, com armas de calibre
real 8,9mm, que possuem, entre outros, os seguintes calibres
nominais: .38 SPL, + SPL, +SPL+, entre outros.

Na Argentina as pistolas de calibre .45 ACP normalmente


são conhecidas pelo seu calibre real, ou seja, 11,25mm.

A definição de Calibre Real é diferente de Calibre Nominal


MUNIÇÕES
Padrões para Identificação
Existem várias denominações
para um mesmo calibre,
como, por exemplo, 9mm
curto, corto, kurtz ou short
(Browning) ou 9 x 17mm,
que são outros nomes para o
380 ACP.

O Cal .38 é equivalente a 0,38


polegadas, mas na realidade
a medida é 0,357 polegadas.
Cal 9x19mm (Luger/Nato/Parabelum
Diâmetro do projétil = 9,02 mm
Comprimento do Estojo = 9,15 mm
MUNIÇÕES
Padrões para Identificação – Armas de Alma Raiada

Importante:
Os números tratam de pura
denominação (calibre
nominal), e representam, na
maioria dos casos uma
aproximação com o calibre
real ou com o diâmetro do
projétil.
V 01

Calibre .50 AE e .50 BMG


MUNIÇÕES
Padrões para Identificação – Armas de Alma Raiada

Escola Europeia (Métrico Decimal Escola Inglesa (Unidade Imperial)

Ex: 7,65 mm e 9mm Ex: .380 e .700

1 Polegada = 2,54 cm
MUNIÇÕES
Padrões para Identificação – Armas de Alma Raiada

Escola Americana
Utilização de 02 (dois)
números significando
diâmetro do projétil em
centésimo de polegada
seguido de letras, palavras
ou números com
significado.

Não há um padrão rígido a ser seguido na denominação das munições


quanto a sua parte complementar. Ex: 7,62 x 51mm NATO, .454
Casull, .40 S&W, .357 Magnum, etc
MUNIÇÕES
Padrões para Identificação – Armas de Alma Raiada
Calibres Nominais
Americanos Calibres Reais

.22 5,56mm
.32 7,62mm
.38 8,9mm
.40 10,8mm
.45 11,25

Tabela Comparativa de Calibres


Munições Calibre 5,56 e 7,62mm

Nas atividades de treinamento e práticas esportivas são utilizadas


munições reais.

Munições utilizadas na PMMG: Real, Manejo e Festim


Curiosidade

Durante a década de 60, o Exército


Americano descobriu que uma equipe de
8 homens equipados com M16 em
5,56x45mm NATO tinha o mesmo poder
de fogo que uma equipe de 11 homens com
rifles M14 em 7,62x51mm.

As tropas americanas podiam carregar


mais que o dobro de munições em 5,56×45
do que podiam em 7,62x539m no mesmo
peso, o que produzia uma vantagem em
combate contra os fuzis AK-47, por
exemplo.
Características das munições
calibres 5,56mm e 7,62mm
Normas Reguladoras Munições 5,56 e 7,62mm

SAAMI: Sporting Arms and Ammunition Manufacturers' Institute (Civil)


OTAN: Organização do Tratado do Atlântico Norte (Militar) V 02
BALÍSITCA
(INTERIOR, EXTERIOR E DE FERIMENTOS)

Conceito de Balística:
É o estudo do movimento e do
comportamento dos projéteis,
dentro e fora das armas de fogo,
em razão das forças e dos fatores
que sobre eles atuam, bem como
de seus efeitos.
É dividida em:
1) Balística Interior;
2) Balística Exterior; e
3) Balística dos Ferimentos ou
dos efeitos
Balística
Conceitos : É a ciência que estuda o movimento dos projéteis.
Balística Interior - compreende o estudo do comportamento do projétil desde o
momento que se inicia a detonação no misto fulminante até o momento em que
o mesmo abandona a boca da arma.

Balística Exterior - estuda o componente do projétil durante a sua trajetória desde


o momento em que abandona o cano até alcançar o alvo.

Balística Terminal ou de Efeitos - estuda o comportamento do projétil desde o


momento em que atinge o alvo até o momento em que se detém.

Trajetória
Acreditava-se que a trajetória descrita por um projétil era retilínea, porém,
Galileu e Newton demonstraram que a trajetória de qualquer corpo sob a
ação da gravidade era parabólica.
BALÍSITCA
(TIPOS DE TRANSFORMAÇÃO)

TIPOS DE TRANSFORMAÇÃO RELAÇÃO METROS POR SEGUNDO

Queima (Inflamação) De 1 a 90 m/seg (pólvora)

Deflagração De 1.000 a 2.000 m/seg.

Explosão De 2.000 a 4.000 m/seg.

Detonação Acima de 4.000 m/seg (nitrocelulósica)


Processo do Disparo
Classificação quanto à velocidade de transformação

Altos Explosivos - Explodem ou Detonam (TNT) - possuem maior velocidade de


reação com o fogo. Cargas de ruptura\arrebentação.

Baixos Explosivos - Queimam ou Deflagram - possuem menores velocidades de


reação com o fogo. Cargas de Projeção (Pólvora).

Encadeamento Explosivo:
Consiste nas partes de funcionamento do cartucho:

Iniciador (produz o jato inicial da chama que irá inflamar a carga propelente. É
chamado de estopilha ou espoleta (detonante ou fulminante) .

Propelente (que em contato com a chama produzida, entra em combustão


produzindo gases que aumentam a pressão interna no estojo).
BALÍSITCA
(INTERIOR)

Etapas do Disparo:
1) Percussão;
2) Detonação;
3) Início da queima do
propelente;
4) Início do movimento do
projétil;
5) Voo livre e tomada do
raiamento;
O recuo das peças móveis só
6) Projétil adquire velocidade no
pode iniciar após a saída do cano; e
projétil pela boca do cano.
7) Projétil abandona o cano.
BALÍSITCA
(INTERIOR)

O entendimento das
forças atuantes no
interior de um cano após
o disparo é fundamental
para a definição do
sistema de
funcionamento adequado
a uma arma de fogo.
V 03
SISTEMAS DE FUNCIONAMENTO DAS
ARMAS DE FOGO

Ação direta dos gases sobre o ferrolho (blowback)

Pistola IMBEL Cal .380 MT 12 A


SISTEMAS DE FUNCIONAMENTO DAS
ARMAS DE FOGO

Recuo do Cano

Longo Recuo Curto Recuo V 04


SISTEMAS DE FUNCIONAMENTO DAS
ARMAS DE FOGO

Ação indireta dos gases com tomada em um ponto do cano

Fuzis Imbel 5,56 e 7,62mm (Êmbolo) e M16 ou M4 (Tubo de


V 05
Gás)
BALÍSITCA
(EXTERIOR)

A energia a ser
transmitida a um alvo é
fruto da transformação
da energia cinética.

Por esta razão, a


maximização desta
O calibre, o formato, a massa, energia permitirá um
velocidade inicial e a rotação, melhor efeito.
são fatores determinantes para a
construção e desempenho (EC = m.v² / 2)
balístico.
BALÍSITCA
(EXTERIOR)

Variáveis que atuam


sobre o deslocamento do
projétil:

1) Densidade do ar;
2) Coeficiente aerodinâmico
do corpo;
3) Área do objeto voltada para
o movimento;
Esse conhecimento é importante para o
desenvolvimento de projéteis
4) Velocidade relativa do
corpo em relação ao ar.
Balística
Trajetória
O projétil quando sai da boca do cano da arma sofre a ação de uma série de
forças: força dos gases que lhe imprime velocidade; velocidade angular que lhe
permite vencer o atrito do ar. Em oposição a estas forças temos a resistência do
ar, a força da gravidade, etc.
Elementos da Trajetória
Linha de Tiro (LT): reta determinada pelo prolongamento indefinido do eixo
do cano da arma.
Ângulo de Tiro (AT): ângulo que a linha de tiro faz com o horizonte.
Linha de Mira (LM): linha reta imaginária da alça de mira até massa de mira.
Linha de Visada (LV): linha de mira prolongada até o alvo.
Ângulo de Mira (B): ângulo entre a linha de mira e a linha de tiro.
Flexa (F): ordenada máxima (altura) da trajetória.
Ponto de Queda (PQ): ponto em que a trajetória parabólica (curva) corta a
linha de visada em seu ramo descendente.
Ângulo de Queda (C): ângulo que a trajetória faz com a linha de visada, no
ponto de queda.
Ponto de Chegada (PC): ponto em que o projétil encontra o solo.
Ângulo de Chegada (D): ângulo determinado pelo declive do solo e pela
tangente à trajetória, no ponto chegada.
Alcance Efetivo (AE): distância entre a boca da arma e o ponto de queda.
Alcance Real (AR): distância entre a boca da arma e o ponto de chegada.
ALCANCES DOS PROJÉTEIS
Trajetória

Alcance Máximo: Maior distância


que o projétil pode alcançar.

Alcance Útil: Distância máxima


O alcance de cada disparo, atingida, capaz de causar traumas.
mesmo que de calibres
iguais, nunca será idêntico,
Alcance de Precisão: Distância
uma vez que sempre será máxima que um atirador experiente é
permeado por uma série de capaz de atingir um alvo.
variáveis.
Alcance Prático: Distância máxima
que um atirador mediano é capaz de
atingir um alvo.

V 06
BALÍSITCA
ALCANCES PRÁTICOS DE ALGUMAS ARMAS

ARMA DISTÂNCIA (METROS)

Revólver cal .38 20 m


SMtr cal .40 05 m (rajada) 35m (intermitente)
Carabina Puma cal .38 50 m (Precisão = 100m)
CT cal .40 50 m
Pistola cal .40 20 m
Pistola cal 9mm 25 m

Fuzis cal 5,56 e 7,62mm 50 m (Precisão = 300m/600)


BALÍSITCA DOS FERIMENTOS

Cavidade Permanente: É a perfuração causada pela trajetória, no segmento


onde houve a ruptura de tecidos.

Cavidade Temporária: Causada pelos deslocamento do tecido corporal, de


dentro para fora, formando uma bolha no caminho de ruptura do projétil.

V 07
BALÍSITCA DOS FERIMENTOS
EFETIVIDADE BALÍSTICA

A busca por munições que induzissem uma efetiva incapacitação tem


origem em dois fatos históricos, que remontam ao século XIX e início do
século XX:
a) As batalhas pela independência das Filipinas contra o exército norte-
americano;
b) As revoltas indianas contra a colonização britânica.

V 08
Existem munições Dum-Dum?
BALÍSITCA DOS FERIMENTOS
PODER DE PARADA

1) Incapacitação cerebral (Tronco


Cerebral;
2) Incapacitação mecânica Total;
3) Incapacitação mecânica parcial;
4) Síncope Vasovagal (Torso);
5) Choque hipovolêmico (Torso).

Munição intacta não possui poder de parada,


SOMENTE PROBABILIDADES
BALÍSITCA DOS FERIMENTOS
INCAPACITAÇÃO IMEDIATA

Um violento confronto, ocorrido


no ano de 1986 em Miami, definiu
os rumos do desenvolvimento de
munições para armas de porte
das polícias de todo o mundo, no
sentido de serem mais efetivas
contra agressores armados.

Em 1987, o FBI promoveu o Seminário de


Ferimentos Balísticos.
BALÍSITCA DOS FERIMENTOS
CONCLUSÕES DO SEMINÁRIO PROMOVIDO
PELO FBI (1987)

1) A incapacitação total e imediata só é garantida se o projétil atingir a estrutura do


tronco encefálico;
2) A cavidade temporária não tem nenhum efeito na destruição de órgãos que não
tenham sido atingidos;
3) Não há certeza de que a cavidade temporária desempenhe algum papel importante
na incapacitação. Por isto, sugere-se o uso de projéteis expansivo;
4) A possibilidade de incapacitação de um indivíduo atingido depende de seu estado
físico, emocional, psicológico, presença de drogas, etc.;
5) A perda sanguínea (choque hipovolêmico), é um dos principais motivos da
incapacitação, entretanto, nem sempre imediata;
6) Mesmo quando atingido o coração, a pessoa atingido ainda tem oxigênio no
cérebro para que aja voluntariamente (15 segundos)
BALÍSITCA DOS FERIMENTOS
CONCLUSÕES DO SEMINÁRIO PROMOVIDO
PELO FBI (1987)

7) O fator penetração é o principal componente do projétil nas possibilidades de


incapacitação e não pode ser descartado na escolha da munição;
8) Um projétil maior e com boa velocidade causará mais ruptura nos tecidos,
quando comparado com outro de tamanho inferior;
9) A incapacitação depende da região atingida e é proporcional ao número de
disparos;
10) Se o agente confia na arma e na munição, ele tende a atirar melhor.

O policial deve visar à região com melhores possibilidades


conjuntas de acerto e incapacitação: O torso.
Critérios para a escolha de arma de fogo
para uso policial

A escolha de uma arma para uso policial deve exigir a presença


de quatro características:

1) Portabilidade;
2) Máxima capacidade de
municiamento;
3) Potência do calibre e maior
possibilidade de incapacitação;
4) Baixo recuo;
5) Confiabilidade.
Classificação quanto à eficiência balística
(possibilidade):

Baixa Eficiência:
6,35mm Browning , 7,65mm
Browning, .32 S&W e .380
ACP.
Classificação quanto à eficiência balística
(possibilidade):
Média Eficiência:
.38 SPL, SPL +P, .38 +P+
Classificação quanto à eficiência balística
(possibilidade):

Alta Eficiência:
9mm Luger (Parabelum), .45 ACP, .40 S&W, .357 Magnum e .44 Rem
Classificação quanto à eficiência balística
(possibilidade):

Altíssima Eficiência:
5,56 x 45 mm (NATO) e .223 Remington
7,62mm (NATO) e .308 Winchester
FIM