Vous êtes sur la page 1sur 61

“Irmãos biológicos mais

velhos versus irmãos não-


biológicos mais velhos e a
orientação sexual
masculina”

Anthony F. Bogaert
Departamentos das Ciências da Saúde e
Psicológicas Comunitárias, Universidade
de Brock, St. Catharines, ON, Canadá
L2S 3A1
Por Franciele Finck
Sigmund Freud

“Relacionamentos
familiares
anormais levam
crianças a
desenvolver
orientação
homossexual. O
homossexualismo
pode ser curado
por psicanálise.”
Orientação Homossexual
Orientação Homossexual
Sigmund Freud

“A presença de
irmãos mais velhos
altera a dinâmica
familiar,
submetendo o filho
mais novo a um
ambiente social
que leva à
homossexualidade.

Efeito FBO sobre a orientação
homossexual masculina

Nos anos 90, Ray


Blanchard e Anthony
Bogaert fizeram uma
surpreendente contra-
intuitiva descoberta:
quanto mais irmãos
mais velhos um
garoto tiver, mais
susceptível ele está
a ser gay.
Origem fetal da homossexualidade
feminina

Não existem evidências de que características


fraternas são seguramente ligadas à orientação sexual
feminina.
Objetivo
Testar o efeito FBO
(Fraternal Birth Order
– Ordem de
Nascimento Fraterno)
na definição da
orientação
homossexual em
homens.
Objetivo
Demonstrar que o número de irmãos
biológicos mais velhos, incluindo
aqueles não criados com o participante,
aumenta a
probabilidade de
homossexualidade em
homens.
Teoria I
Se fatores pós-natais
associados a irmãos
mais velhos são a base
do FBO, então todos
os irmãos mais
velhos criados com o
participante poderiam
prognosticar a
orientação sexual,
pois todos eles (tanto
biológicos quanto não-
Teoria I
Se um fator pré-natal
é base do efeito FBO,
então apenas irmãos
biológicos mais
velhos deveriam
prognosticar a
orientação sexual,
pois apenas estes (e
não irmãos não-
biológicos mais velhos)
Teoria II
Se fatores pós-natais
são a base do efeito
FBO, então,
geralmente o tempo
de criação com
irmãos tanto
biológicos quanto não-
biológicos aumentaria
a oportunidade
relativa de irmãos
Teoria II
Se um fator pré-
natal é base do
efeito FBO, então
um fator pós-natal,
tal qual o tempo de
criação com irmãos
mais velhos (sejam
eles biológicos ou
não), não deveria
Teoria III
Se um fator pré-natal é
base do efeito FBO, então
irmãos biológicos mais
velhos com os quais os
participantes não foram
criados deveriam
prognosticar a
orientação sexual por
todos os irmãos
biológicos, mesmo
aqueles que não foram
Metodologia
Foram examinados, a fim de
testar esta teoria, quatro grupos
amostrais de homens homossexuais e
heterossexuais (número total = 944),
informando sobre as características de
seus pais e irmãos (ex.: irmãos biológicos
e não biológicos).
Metodologia
Duas das amostragens
foram de graduandos
heterossexuais
masculinos da
Universidade de Brock, na
região canadense do
Niágara, recrutados para
Metodologia

O outro grupo controle foi de


uma comunidade homens
bissexuais e gays, de Toronto
de da região canadense do
Niágara, recrutados
primeiramente para explorar
teorias sobre saúde sexual
(número = 282).
Metodologia
A quarta amostragem
(grupo experimental) foi
de uma comunidade de
homens gays, bissexuais
e heterossexuais
(número = 521) criados
em famílias não-
biológicas ou adotivas
(ex.: criados com meios
irmãos ou adotados),
recrutados de várias
Metodologia

Esta amostragem final também


continha informações, na
maioria das vezes, de
participantes que foram criados
com cada irmão, de acordo com
a informação, sem nenhum
irmão biológico com quem nunca
tenham sido criados.
Resultados e Discussões
Na primeira análise, foram usados todos os
quatro grupos amostrais, e foi inserida a
idade (a qual estava relacionada à
orientação sexual, com participantes
homossexuais sendo mais velhos) e oito
variações fraternais dentro de uma análise
de regressão linear prognosticando a
orientação sexual.
Variantes Fraternais

1) O número de
irmãos biológicos
mais velhos com os
quais foi criado;
Variantes Fraternais
2) O número de
irmãos não-
biológicos mais
velhos com os
quais foi criado;
Variantes Fraternais
3) O número de irmãs
biológicas mais velhas
com as quais foi
criado;
Variantes Fraternais
4) O número de
irmãs não
biológicas mais
velhas com as quais
foi criado;
Variantes Fraternais

5) O número de
irmãos biológicos
mais novos com os
quais foi criado;
Variantes Fraternais

6) O número de
irmãos não-
biológicos mais
novos com os quais
foi criado;
Variantes Fraternais

7) O número de
irmãs biológicas
mais novas com as
quais foi criado;
Variantes Fraternais
8) O número de
irmãs não-
biológicas mais
novas com as quais
foi criado.
Fig. 1. Na amostragem acima, coeficientes de intervalos de confiança para
irmãos biológicos e não-biológicos criados com o participante prognosticando
orientação homssexual. Os valores são de pêsos de regressão padronizados.
Valores positivos indicam homossexualidade.
Eles são estatisticamente significantes quando zero não está incluso dentro
dos 95% de intervalos de confiança. Um valor de 0.10 para o número de
Resultados e Discussões
Apenas o número de irmãos biológicos
mais velhos criados com o participante,
e nenhuma outra característica fraterna,
incluindo o número de irmãos não
biológicos mais velhos criados com o
participante, foi significantemente
relacionada à orientação sexual.
Resultados e Discussões

Na segunda análise, examinou-se se


o tempo de criação com cada irmão
junto com todos os irmãos
biológicos (criados juntos ou não),
prognosticavam a orientação
sexual.
Resultados e Discussões
A quarta amostragem foi selecionada
(famílias não biológicas ou misturadas) e
apenas aqueles, dos 521 homens deste grupo
amostral, com informações válidas sobre
idade, irmãos biológicos (com que foram
criados ou não), irmãos não biológicos, e
idade materna (a idade da mãe biológica
quando do nascimento do participante).
Variantes Fraternais
1) O número de anos que foi
criado com irmãos biológicos
mais velhos;
Variantes Fraternais
2) O número de anos que foi criado
com irmãos não-biológicos mais
velhos;
Variantes Fraternais
3) O número de anos que foi
criado com irmãs biológicas
mais velhas;
Variantes Fraternais
4) O número de anos
que foi criado com
irmãs não-biológicas
mais velhas;
Variantes Fraternais
5) O número de anos que foi
criado com irmãos biológicos
mais novos;
Variantes Fraternais

6) O número de anos que foi criado


com irmãos não-biológicos mais
novos;
Variantes Fraternais
7) O número de anos que
foi criado com irmãs
biológicas mais novas;
Variantes Fraternais
8) O número de anos
que foi criado com
irmãs não-biológicas
mais novas;
Resultados e Discussões
Apesar da influência mais fraca do que a das
análises prévias (número válido = 378),
resultados muito similares ocorreram: apenas
irmãos biológicos mais velhos (com que foram
criados ou não) e nenhuma outra característica
fraterna, incluindo irmãos não-biológicos mais
velhos e o tempo de criação com irmãos
biológicos ou não-biológicos mais velhos,
prognosticou a orientação sexual masculina.
Fig. 2. No grupo amostral 4, coeficientes e
95% de intervalos de confiança para
características fraternas prognosticando
Resultados e Discussões
A distribuição destes 905
homens quanto à variação de
orientação sexual foi como
segue:
• 329 tiveram escore 2
(exclusivamente ou quase
exclusivamente
heterossexualidade);
• 151 tiveram escore entre 2 e 6
Origem fetal da orientação
homossexual masculina

Como irmãos mais velhos


afetam o
desenvolvimento sexual
em seus irmãos mais
novos?
Hipótese da Imunização Maternal

Quando uma mãe está


carregando seu primeiro
filho, a barreira da
placenta protege ambos à
exposição das proteínas
um do outro.
Hipótese da Imunização Maternal

Mas inevitavelmente a
liberação de uma mistura
dos sangues exporá a mãe
pela primeira vez a
proteínas especificamente
masculinas, incluindo
aquelas codificadas no
cromossomo Y.
Hipótese da Imunização Maternal

Se seu sistema imunológico


produz anticorpos a estas
proteínas, então a placenta
pode transportar ativamente
estes anticorpos para a
subseqüente prole in utero,
potencialmente afetando o
desenvolvimento dos
próximos filhos, mas não
próximas filhas.
Hipótese da imunização Maternal
Origem fetal da homossexualidade
feminina

Lésbicas, em média, foram expostas a


mais testosterona fetal que mulheres
heterossexuais.
Origem fetal da orientação
homossexual masculina

Nos homens, os
marcadores de
testosterona não
revelaram diferenças
significantes.
O efeito da ordem de nascimento de
irmãos (FBO)

Diversos relatórios abordam esta


questão indiretamente. Por
exemplo, exames retrospectivos
de registros revelaram um efeito
FBO no peso natal: cada
subseqüente bebê que uma mãe
carregou tende a pesar mais,
mas garotos dos quais a mãe
tenha carregado irmãos antes
deles não pesam tanto quanto
garotos com irmãs mais velhas.
O efeito da ordem de nascimento de irmãos
(FBO) na orientação sexual masculina

O efeito FBO no peso natal era maior em garotos que se


tornaram homossexuais do que naqueles que se tornaram
héteros, sugerindo que aqueles garotos que se tornaram
gays por irmãos mais velhos são também mais propensos ao
efeito FBO em seu peso natal.
O efeito da ordem de nascimento (FBO) de
irmãos na orientação sexual masculina

Amparando a
literatura, esses autores
encontraram um relatório
antigo sobre o peso da
placenta, o qual também
tende a tornar-se mais leve a
cada criança
subseqüentemente
carregada, pesa ainda menos
para garotos se eles tiverem
irmãos mais velhos em vez
de irmãs.
O efeito da ordem de nascimento (FBO) de
irmãos na orientação sexual masculina

Mais recentemente,
Blanchard et al.
coletaram
diversos grupos
de dados e
encontrou outra
surpresa: ter
irmãos mais
velhos aumenta a
probabilidade de
um garoto ser
gay apenas se ele
O efeito da ordem de nascimento (FBO) de
irmãos na orientação sexual masculina

Entre homens
canhotos, não há
diferença na incidência
de homossexualidade
não importando
quantos irmãos ele
tiver.
O efeito da ordem de nascimento (FBO) de
irmãos na orientação sexual masculina

O que é curioso sobre esta descoberta é que, por si mesmo,


ser canhoto aumenta sensivelmente a probabilidade de
homens e mulheres serem homossexuais.

Então ser canhoto faz


homens serem
sensivelmente mais
propensos a serem gays,
mas também anula os
efeitos de irmãos mais
velhos na orientação.
Sigmund Freud

Um pai
distante,
emocionalment
e frio, pode
impedir um
garoto de
identificar-se
com ele e guiá-
lo à
homossexualid
ade.
Origem fetal da orientação
homossexual masculina

Em vez da rejeição
psicológica do pai,
provavelmente é a
rejeição imunológica
da mãe que
inadvertidamente,
mas ativamente, faz
seu filho ser gay.
Fim
Apresentação criada por Franciele Finck, acadêmica do
curso de Ciências Biológicas Bacharelado da
Universidade Regional Integrada – Campus Erechim em
29 de abril de 2007.