Vous êtes sur la page 1sur 28

m http://www.youtube.com/watch?

v=-
4CV05HyAbM
m Vídeo sobre Informação
O leitor ler o que quer,
o escritor, escreve o que pode.

=orge Luís Borges


m Mídia impressa x mídia digital
m Paródia e sátira como posturas leitoras
legítimas
m Rebater é inflamar
m A mobilização como resposta: petição on line
^ O conteúdo do seu dizer é a razão fundamental que o
sustenta e lhe dá razão de existência, pois o fundamental
em alguns gêneros digitais é a abertura irrestrita para
este livre dizer, para o embate aberto das interlocuções,
para o jogo de discursos diversos e divergentes que
constroem e efetivam a cidadania de cada um de seus
participantes (...)µ

(XAVIER & SANTOS, 2005).


- 
ï   



   
a 
 

ï 
 


  
m O leitor que se arrisca, encontra na rede sua
razão de ser;
m Passeia, corre, pesca informações;
m Acostuma-se ao fragmentado;
m Sua leitura não se conclui, é um processo;
m É atingido pelo excesso de informações;
m Nem sempre digere o que parecia ter lido;
O leitura como aventura errante...
- mail, blog, chat, torpedo, twitter, etc.
- não-linearidade discursiva;
- fragmentação;
- uso recorrente de abreviaturas;
- crescente aproximação das variantes de
registro das realizações típicas da oralidade;
- utilização premente de recursos visuais.
O tônus é a fluidez.

A leitura precisa fluir rapidamente, :


- períodos curtos e simples;
- linguagem coloquial;
- marcadores conversacionais;
- vocabulário simples;
- diálogos ágeis.
É preciso capinar o texto, tirar dele esse excesso de ornamentos
e deixar nele só o que pulsa.

^O secura exata, as frases que dizem muito com grande economia de meios.
Serum prosador anti ornamental numa terra em que os prosadores
continuam bacharelesco e relutam em aposentar os ornatos.µ
Graciliano Ramos

´Odmirava as palavras compridas e difíceis da gente da cidade, tentava


reproduzir algumas, em vão, mas sabia
que elas eram inúteis e talvez perigosas.µ
Fabiano em Vidas Secas

Sigam: Carpinejar, Millôr, -zequiel Theodoro


  

 
   
      

ATENÇÃO: quanto maior o grau de


formalidade da ferramenta utilizada, menor
deve ser a presença do internetês.
m Multimídia/transmídia
m Princípios tradicionais são mantidos: clareza,
abrangência e credibilidade
m Texto é apenas um dos elementos de
comunicação, Ex: NYTimes
m Audio, video e infográficos ganham espaço,
mas o texto ainda tem peso 2
m Crossmídia
m Multimídia
m Transmídia
m 6
   
 
     (crescer o
bolo para depois dividir?)
m http://energy.publicdata.eu/ee/vis.html
(energia na Europa)
m http://nces.ed.gov/surveys/international/ide
/ (ferramenta para acesso as bases do PISA
m Meios de comunicação tradicionais estão
inscritos em um contexto empresarial e político
de filtragem
m Na Internet isto não se aplica
m Governos tem medo da Internet por não poder
controlá-la
m Assessorias de imprensa atuam como gargalos
da comunicação
m É preciso construir um novo paradigma entre
transparência vs segurança da informação
m Proibir redes sociais na sua instituição é o
mesmo que proibir o telefone nos anos 70, fax
nos 80, email nos 90.
m A política do segredo é uma remanescência
autocrática (dos tempos em que o Estado era
privatizado pelo autocrata).
@AugustodeFranco
m Limites para e-mails
m Intranet (a despeito da invenção da Internet)
m Escolhem palavras chave para obstruir sites
m Obrigam o uso do outlook, mesmo depois de inventado o gmail
m Ocupação de banda é desculpa para bloquear Youtube/s
m Desconfiam das mídias sociais
m Colocam 4share e slideshare no mesmo patamar de sites
pornográficos
m Agem como agentes da CIA colocando a segurança de dados acima
de todo e qualquer interesse
m Recado aos departamentos de TI: quando você impede
relacionamentos cria ambientes avessos à inovação.
m Impedindo relacionamentos, obstruem a inovação, e mesmo assim
não conseguem barrar as ameaças
m Conceitos tradicionais são mantidos: clareza,
abrangência e credibilidade
m Novidade: Multimídia/transmídia
m Texto, é mais um elemento, mas ainda tem
peso 2
m O que é novidade hj, pode ser novidade
amanhã, tb, com outra roupagem
m Dessacralização do texto
m Site não é assunto de especialista!
m Lapidar informação: o que interessa, mostrar
lacunas, linkar e retirar excessos
m Nem sempre o texto precisa ser curto para ser
útil. Ex: processo judicial
m Metáfora da cebola: informação persuasiva
primeiro e aprofundada depois
m 1a camada: apresentação (capa do jornal)
m 2a camada: contextualização
m 3a camada: detalhamento
m Conteúdos restritos: se é restrito o acesso poderia ser
feito por outro meio, ou pelo menos avise antes do
clique
m Não confunda as camadas,não aprofunde demais na
contextualização ou deixe de explicar o objetivo na
apresentação
m >tilize o tripé: título, texto e link
m Responsável por orientar quem acessa um site
é quem criou o site (redator)
m Abuse de verbos: conheça, descubra, consulte
m Palavras importantes à esquerda
m Grife as palavras chave
m Cada página deve ser um capítulo de novela
m Menu deve ser um resumo, até 9 itens
m Regra dos três cliques
m Escolha um nome de credibilidade para assinar
as postagens
m Temas que não são abordados pela mídia
impressa e ou pelo site oficial
m Bastidores de momentos importantes que
humanizem as figuras políticas
m Entrevistas de aprofundamento sobre temas
m Servem para facilitar a interação
m Servem como disseminadores dos conteúdos
dos blogs e sites
m Referenciamento
m Metadados
m Atualizações
m Repetir palavras
m Creative Commons
m Autorização uso de imagem e texto