Vous êtes sur la page 1sur 26

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE


DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA
|   
       

ANATOMIA FISIOLÓGICA DO CORAÇÃO

ENDOCÁRDIO ± fina membrana endotelial, formando pregas nos orifícios


( 2 l2las cardíacas; sob o endoc rdio, camadas de col geno e elastina e
camada rdimentar de músclo liso

PERICÁRDIO ± tecido conjnti2o ( sistema de membranas para proteção


e amortecimento

MIOCÁRDIO ± anatomicamente semelhante ao músclo esqelético,


fncionalmente semelhante ao músclo liso
MIOCÁRDIO ± VÁRIOS TIPOS DE CÉLULAS:

A) MIOCÁRDIO OPERACIONAL - fibras cilíndricas, núcleo


central, prolongamentos formando m SINCÍCIO
B) FIBRAS DE PURKINJE - céls. grandes, p lidas,
glicogênio e pocos filamentos contr teis e mitocôndrias, sistema T
raro o asente
C) CÉLULAS NODAIS ± céls. peqenas, ricas em glicogênio,
pocos filamentos contr teis
MIÓCITO MIÓCITO ATRIAL CÉLS. PURKINJE
VENTRICULAR
FORMATO Longo e estreito Elíptico Longo

COMPRIMENTO (µ) 60-140 Cerca de 20 150-200

DIÂMETRO (µ) Cerca de 20 5-6 35-40

VOLUME (µ3) 15-45.000 Cerca de 500 135.000-250.000

TÚBULOS T Abndante Raro o asente Asente

DISCOS Proeminente, transmissão Transmissão lado a Mito proeminente, mitas


INTERCALARES ponta a ponta lado e ponta a ponta jnções gap, r pida
transmissão ponta a ponta

APARÊNCIA GERAL Mitocôndrias Feixes separados por Pocos sarcômeros


abndantes, ramificações amplas reas de
retanglares, poco col geno
col geno
COMPOSIÇÃO CÉLULA VENTRICULAR

ORGANELA % VOL. CELULAR


Miofibrila O   

 
Mitocôndria  
 
Sistema T O  
Retíclo sarcoplasm tico  
(RS) 
Cisternas terminais SR 
Rede RS    
Sarcolema   
Núcleo O  
Sarcoplasma O    

MATRIZ CARDÍACA: col geno, proteoglicanos, fibronectina, elastina,
glicoproteínas
COLÁGENO ± 5 tipos no coração: I, II, IV, V e VI ± 3 cadeias alfa, cjo
arranjo tridimensional é estabilizado por resídos de hidroxiprolina
Fnções do col geno:
1) Conexão miócitos, mantendo alinhamento dos elementos contr teis;
2) E2itar qe miócitos sejam excessi2amente estirados;
3) Contribição estiramento passi2o drante enchimento;
4) Transmissão de força gerada pelos miócitos;
5) Gera pressão tisslar, e2itando o edema;
6) Contribi para o realongamento do mioc rdio início da di stole;
Hipertrofia ( tendência ao acúmlo de col geno no insterstício
amenta distância
capilar-miócito, piora
a hipóxia;
dificlta transmissão
mecânica;
ele2a rigidez câmara,
insficiência diastólica

Deposição de
col geno

ANGIOTENSINA II ,
ALDOSTERONA
SINCÍCIO ATRIAL E VENTRICULAR ± separados por
tecido fibroso de sstentação qe rodeia as 2 l2las
VÁLVULAS CARDÍACAS DURANTE A SÍSTOLE
VÁLVULAS CARDÍACAS DURANTE A DIÁSTOLE
Val2a mitral
o AV
esqerda

Val2a tricúspide
o AV direita
ULTRAESTRUTURA DO MÚSCULO CARDÍACO
FÁSCIA ADERENTE

DISCO
INTERCALAR DESMOSSOMA

JUNÇÃO ABERTA
DISCO INTERCALAR
JUNÇÃO ABERTA o r 
 MUSCULATURA ATRIAL X MUSCULATURA VENTRICULAR
 MUSCULATURA VENTRICULAR DIREITA X ESQUERDA
 VENTRÍCULO D ( bomba de 2olme
 VENTRÍCULO E ( bomba de pressão

Lei de la Place T= Px R
2h

Hipertrofia ± amenta h , eqilibrando o amento de P ±


estresse de parede constante
MUSCULATURA ATRIAL ± músclos pectinados
MUSCULATURA ESPIRALADA DAS PAREDES
VENTRICULARES
ULTRA-ESTRUTURA DA FIBRA MIOCÁRDICA

FIBRA MUSCULAR ( 300-700 miofibrilas


MIOFIBRILA ( miofilamentos GROSSOS ± MIOSINA
FINOS ± ACTINA
SARCOPLASMA ± presença de:
1) MITOCÔNDRIAS
2) SISTEMA SARCO-TUBULAR ± RS + túblo T (tríades)
³PÉS´- conexão elétrica entre RS e túblo T ( proteínas=
receptores de RIANODINA (alcalóide 2egetal) ( CANAL DE
LIBERAÇÃO DE Ca++ do RS
BOMBA SERCA ± sarcoendoplasmic reticlm calcim ATPase
PROTEÍNAS SARCOMÉRICAS:

a) CONTRÁTEIS ± actina e miosina


b) MODULADORAS ± troponina e tropomiosina
c) ESTRUTURAIS - actinina, conectina o titina,2imentina, espectrina,
anqinina

ATPase miosínica ± ISOFORMAS HUMANOS - ! ,


RATO - V1, V2, V3
!, V1- hidrólise lenta de ATP
, V3- hidrólise r pida de ATP
ATPase miosínica + exercício físico, hipertireoidismo
- idade, IC, insficiência adrenal,
inati2idade física