Vous êtes sur la page 1sur 24

SYGNE

Les sources
N°3 / 2020

littéraires de
l’œuvre de
LACAN
SYGNE

0
SYGNE N°3 / 2020

1
SYGNE
signe que non
SYGNE N°3 / 2020

L’énigmatique négation qui signe la tragédie moderne, ce tic qui aux yeux
de beaucoup défigure et rend méconnaissable le sujet, il revient à
l’éthique de la psychanalyse de continuer à le supposer signifiant. Dans
cette optique, le CIAP a choisi le nom de Sygne, une manière pour notre
groupe, non pas de rendre hommage à son vain sacrifice au nom du Père,
mais au contraire de reconnaître sa valeur d’otage dans la tragédie
généralisée du Verbe. Fidèles à la filiation freudo-lacanienne et à
l’orientation du CIAP, les pages numériques de la revue SYGNE seront
dédiées au renouvellement de l’analyse du malaise dans la culture et de
ses formes variables d’expressions. Signe que non, nunca es triste la verdad
lo que no tiene es remedio…

The enigmatic negation which characterizes the modern tragedy, which in


the eyes of many disfigures and renders the subject unrecognizable, must
continually be supported by the ethics of psychoanalysis, thereby
becoming meaningful. From this perspective, the CIAP has chosen the
name of Sygne, a way for our group – not to pay homage to Sygne’s vain
sacrifice in the name of the Father – but on the contrary, to recognize its
value of being a hostage in the generalized tragedy of the Word. In order
to remain faithful to the Freud-Lacanian lineage and the orientation of the
CIAP, the digital pages of the journal SYGNE will be dedicated to the
renewal of the analysis of civilization and Its malaise and its variable forms
of expression. Signifying that no, nunca es triste la verdad, lo que no tiene
es remedio...

Le corresponde a la ética del psicoanálisis continuar suponiendo


significante la negación enigmática que distingue la tragedia moderna,
ese tic que a los ojos de muchos desfigura y hace irreconocible al sujeto,
Desde esta perspectiva, el CIAP ha elegido el nombre de Sygne, como
una manera para nuestro grupo, no de rendir homenaje a su sacrificio inútil
en el nombre del Padre, sino, por el contrario, para reconocer su valor de
rehén en la tragedia generalizada de la Palabra. Fieles al linaje freudiano-
lacaniano y a la orientación del CIAP, las páginas digitales de la revista
SYGNE se dedicarán a la renovación del análisis del malestar en la cultura
y sus formas variables de expresión. Signo que no, nunca es triste la verdad,
lo que no tiene es remedio… 2
SYGNE N°3 / 2020

Comité de Rédaction

Rédacteur en chef

Markos ZAFIROPOULOS

Secrétariat de rédaction

Sandra BERGER
Lionel LE CORRE
Isabelle GUILLAMET
Maria OTERO ROSSI
René SARFATI

Membres du Comité de Rédaction

Corinne GARCIA
Themis GOLEGOU
Sarah GUERINEAU
Elisa DOS MARES GUIA-MENENDEZ
Kevin POEZEVARA
Paul ROBE
Maria JESUS TOBAR
Frédérique TOPALL-RABANES

Réalisé avec la collaboration de :

Ruxandra POPESCU - communication,


gestion du site web et contenu, mise en page

4
SYGNE N°3 / 2020

www.sygne.net

5
SYGNE N°3 / 2020

Les auteurs

6
SYGNE N°3 / 2020

Alain ABELHAUSER : Psychanalyste, Professeur de psychopathologie clinique à l’Université


Rennes 2.
Lallá BARRETTO : Historienne, Psychanalyste, Docteur en anthropologie psychanalytique,
Université Paris Diderot, Membre du Cercle International d’Anthropologie Psychanalytique
(CIAP).
Guillermo BATISTA : Psychanalyste, Psychiatre, Directeur de l'hôpital psychiatrique de
Caracas (Venezuela).
Jan Horst KEPPLER : Professeur d’économie à l’Université de Paris-Dauphine, Membre du
Cercle International d’Anthropologie Psychanalytique (CIAP).
Lionel LE CORRE : Analyste praticien, Chercheur associé au CRPMS à l’Université Paris Diderot,
Docteur en anthropologie psychanalytique, Membre du Cercle International
d’Anthropologie Psychanalytique (CIAP), Membre de PsyGai.e.s.
Franco LOLLI : Psychanalyste.
Marie PESENTI-IRRMANN : Psychanalyste, Analyste membre d’Espace Analytique (AMEa).
Kevin POEZEVARA : Psychologue clinicien, Docteur en psychopathologie et psychanalyse,
Membre du Cercle International d’Anthropologie Psychanalytique (CIAP).
Anouar RAHMANI : Ecrivain et journaliste.
Vicenzo RAPONE : Professeur de sciences politiques à l’Université Federico II, Naples.
Paul ROBE : Psychanalyste, Docteur en anthropologie psychanalytique, Membre du Cercle
International d’Anthropologie Psychanalytique (CIAP).
Renato SARRIEDINE ARAUJO : Docteur en psychanalyse, Psychanalyste à Belo Horizonte
(Brésil), Membre du Cercle International d’Anthropologie Psychanalytique (CIAP) et
Chercheur au centre Psicanálise e Laço Social no Contemporâneo (PSILACS), Université
Fédérale de Minas Gerais — UFMG.
Juliana SILVEIRA MAFRA : Docteur en beaux-arts de l'Université Fédérale de Minas Gerais
(UFMG), Professeur à l'Université de l'État de Minas Gerais (UEMG), membre du groupe de
recherche « Stratégies de l'art dans une ère de catastrophes » (UFMG).
Colette SOLER : Psychanalyste à l’Ecole de Psychanalyse des Forums du Champ Lacanien,
Présidente du conseil d’orientation de l’Ecole de Psychanalyse des Forums du Champ
Lacanien, Philosophe, Docteure en psychologie
Alain VANIER : Psychanalyste, Président d’Espace Analytique, Psychiatre, professeur émérite,
Université Paris Diderot.
Markos ZAFIROPOULOS : Directeur de recherche émérite au CNRS, Directeur de recherches
à l’École Doctorale « Recherches en psychanalyse et Psychopathologie », Université Paris
Diderot, Analyste Membre d’Espace Analytique (AMEa), Président du Cercle International
d’Anthropologie Psychanalytique (CIAP).

7
SYGNE N°3 / 2020

SOMMAIRE

Dossier ............................................................................................................11

Les Sources Littéraires De l’œuvre De Lacan ..........................................11


Les Sources Litteraires De l’œuvre De Lacan : Le Guerrier Applique A… La Passe................ 12

Markos Zafiropoulos ...................................................................................................................... 12

La Litterature, Apres… ................................................................................................................... 27

Colette Soler .................................................................................................................................. 27

Edgar Allan Poe Et Lacan ............................................................................................................. 35

Alain Vanier.................................................................................................................................... 35

Les Figures Litteraires Du Feminin Chez Lacan ........................................................................... 45

Marie Pesenti-Irrmann ................................................................................................................... 45

Gide, l’homo De Lacan : Quelques Remarques A Propos De Jeunesse De Gide Ou La


Lettre Et Le Desir............................................................................................................................. 55

Lionel Le Corre ............................................................................................................................... 55

Varia ...............................................................................................................71
Elinor La Poupee, Une Experience Artistique : Adolescence Et Politique ................................ 72

Renato Sarieddine Araujo ............................................................................................................ 72

Juliana Silveira Mafra .................................................................................................................... 72

L’emergence d’un Mytheme Lesbien ? ..................................................................................... 93

Kevin Poezevara ............................................................................................................................ 93

« La Poesie n’est Pas Un Exil Mais Une Patrie » Entretien Avec Anouar Rahmani A Propos De
« La Ville Des Ombres Blanches » ............................................................................................... 104

Lionel Le Corre ............................................................................................................................. 104

Psicoanalisis Y Escritura. Primera Pregunta ............................................................................... 113

Dr Guillermo Batista ..................................................................................................................... 113

Psicoanalisis Y Escritura. Segunda Pregunta ............................................................................. 117

Dr Guillermo Batista ..................................................................................................................... 117

Structure De Texte Et Métaphore Dans Œdipe Roi Et Hamlet : Implications Cliniques Et


Politiques ...................................................................................................................................... 121

8
MODOS revista de história da arte - volume 2 | número 1 | janeiro – abril de 2018 | ISSN – 2526-2963
MODOS. REVISTA DE HISTÓRIA DA ARTE
Grupo de Pesquisa MODOS - História da Arte: modos de ver, exibir e compreender
Programa de Pós-graduação em Artes Visuais da Universidade Estadual de Campinas
Programa de Pós-graduação em Artes Visuais da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Programa de Pós-graduação em Artes da Universidade de Brasília
Programa de Pós-graduação em Artes Visuais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Programa de Pós-graduação em Artes Visuais da Universidade Federal da Bahia
Programa de Pós-graduação em Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO


University of Campinas Federal University of Rio de Janeiro

Dr. Marcelo Knobel Dr. Roberto Leher


Reitor Reitor

Dra. Grácia Navarro Costa Dr. Carlos Gonçalves Terra


Diretora do Instituto de Artes Diretor da Escola de Belas Artes

Dra. Maria de Fátima Morethy Couto Dr. Felipe Scovino


Coord. do Prog. de Pós-graduação em Artes Visuais Coord. do Prog. de Pós-graduação em Artes Visuais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL


University of Brasilia Federal University of Rio Grande do Sul

Dra. Márcia Abrahão Moura Dr. Rui Vicente Oppermann


Reitora Reitor

Dr. Ricardo José Dourado Freire Dra. Lucia Becker Carpena


Diretor do Instituto de Artes Diretora do Instituto de Artes

Dr. Belidson Dias Dr. Paulo Antônio de Menezes Pereira da Silveira


Coord. do Programa de Pós-graduação em Arte Coord. do Programa de Pós-graduação em Artes Visuais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO


Federal University of Bahia State University of Rio de Janeiro

Dr. João Carlos Salles Pires da Silva Dr. Ruy Garcia Marques
Reitor Reitor

Dra. Nanci Santos Novais Dr. Alexandre Sá Barretto da Paixão


Diretora da Escola de Belas Artes Diretor do Instituto de Artes

Dr. Ricardo Barreto Biriba Dr. Mauricio Barros de Castro


Coord. do Prog. de Pós-graduação em Artes Visuais Coord. do Prog. de Pós-graduação em Artes

MODOS revista de história da arte - volume 2 | número 1 | janeiro – abril de 2018 | ISSN – 2526-2963
EQUIPE EDITORIAL/ GRUPO DE PESQUISA Dr. Márcio Seligmann-Silva
MODOS - História da Arte: modos de ver, exibir e University of Campinas
compreender Dr. Paulo Knauss
Fluminense Federal University
Dra. Ana Maria Albani de Carvalho Dra. Raquel Henriques da Silva
Federal University of Rio Grande do Sul New University of Lisbon
Dra. Sonia Gomes Pereirea
Dra. Ana Maria Tavares Cavalcanti
Federal University of Rio de Janeiro
Federal University of Rio de Janeiro Dra. Sonia Salzstein
Dr. Emerson Dionisio Gomes de Oliveira University of São Paulo
University of Brasilia Dr. Stéphane Huchet
Dr. Luiz Alberto Freire Federal Universtity of Minas Gerais
Federal University of Bahia
Dr. Luiz Cláudio da Costa EDITOR-CHEFE
Dra. Maria de Fátima Morethy Couto
State University of Rio de Janeiro
University of Campinas
Dra. Maria de Fátima Morethy Couto
University of Campinas EDITOR-ASSISTENTE
Dra. Marize Malta Dr. Emerson Dionisio Gomes de Oliveira
Federal University of Rio de Janeiro University of Brasilia

PROJETO GRÁFICO/ EDITORAÇÃO ELETRÔNICA


CONSELHO CIENTÍFICO Dra. Marize Malta
Federal University of Rio de Janeiro
Dra. Anne Benichou
Université du Québec à Montréal Ivan Avelar
Dr. Bernard Guelton University of Campinas
Université Paris 1
Dra. Catherine Dossin CAPA
Purdue University Ms. Pedro Ernesto Freitas Lima
Dr. Jean-Marc Poinsot University of Brasilia
Université Rennes 2
Dr. Jesus Pedro Lorente OBRA (CAPA)
Universidad de Zaragoza Selects, site-specific de Thom Browne para Cooper-
Dr. José Emilio Burucúa Hewitt, Nova York. Fotografia de Marize Malta, abril
Universidad de Buenos Aires de 2016.
Dr. Jorge Coli
University of Campinas
Todos os direitos reservados
A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei no 9.610).

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

MODOS. Revista de História da Arte: publicação eletrônica do Programa de Pós-graduação em Artes


Visuais da Universidade Estadual de Campinas. – v.2, n.1 (2018) – Campinas: PPGAV-
Unicamp, jan. 2018.

Quadrimestral
Resumo em português e inglês.
Disponível no SEER: http://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/mod/index

ISSN: 2526-2963

1. História da Arte. 2. Artes Visuais. 3. Teoria da Arte. 4. Crítica de Arte 5. Museologia

CDU: 7(091)

MODOS. REVISTA DE HISTÓRIA DA ARTE


Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais
Instituto de Artes – Universidade Estadual de Campinas
Rua Elis Regina,50. Cidade Universitária “Zeferino Vaz”. Barão Geraldo, Campinas-SP – CEP 13083-854
e-mail: revista.modos@gmail.com
Contribuições devem ser submetidas pelo site: http://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/mod/index

MODOS revista de história da arte - volume 2 | número 1 | janeiro – abril de 2018 | ISSN – 2526-2963
EDITORIAL

ARTIGOS
Mobilizing craft: diplomacy in the international turn of American art history
Jennifer Way

Um futurismo singular: Menotti Del Picchia


Annateresa Fabris

Diante do espelho: textos de Michel Foucault sobre arte representacional frente a produções
artísticas dos anos 60
Alexander Gaiotto Miyoshi

Almoços partilhados, amores não correspondidos e conversas inacabadas. Quotidiano e arte


contemporânea.
Margarida Brito Alves; Bruno Sousa Marques

O riso de artistas feministas nas décas de 1970/1980


Juliana Silveira Mafra

Tempo andante da intervenção urbana: relações temporais nas obras “Imagens Posteriores”,
“Giganto” e “Polaroides (in)visíveis”
Ana Rita Vidica

Mover-se em direção a um (possível) estado da arte das exposições contemporâneas lá e cá


Michelle Farias Sommer

MONTAGEM: A CONDIÇÃO EXPOSITIVA

Estratégias de apresentação de uma ação artística em espaço público


Beatriz Basile da Silva Rausche

Hiperorgânicos. Do cubo branco ao tesserato


Carlos Augusto Moreira da Nóbrega

Montagem como processo: espaços, poética artística e a curadoria


Denise Conceição Ferraz de Camargo

A busca dá imagem, instaurações poéticas em lugares distintos


Eriel de Araújo Santos

Formas da apresentação: exposições, montagens e lugares impossíveis


Hélio Fervenza

Sinapses: a montagem como pensamento e processo criativo


Hugo Fortes

MODOS revista de história da arte - volume 2 | número 1 | janeiro – abril de 2018 | ISSN – 2526-2963
Perigosos, subversivos, sediciosos
Leila Danziger

“O que nunca foi mostrado: experimentos arquivados”


Luise Weiss

A montagem de ontem ou relembrando disposições


Patricia Franca-Huchet

Do extraordinário na vida cotidiana


Simone Michelin

(EX)POSIÇÕES
Novas aquisições: a coleção Roger Wright na exposição “Vanguarda Brasileira dos anos 1960”
Rachel Vallego

MODOS revista de história da arte - volume 2 | número 1 | janeiro – abril de 2018 | ISSN – 2526-2963
EDITORIAL
A revista MODOS chega a seu segundo ano e em seu quarto número. Agradecemos a todos os que
contribuíram para a criação da publicação, sempre fruto de um trabalho coletivo. Além da equipe
editorial e do conselho científico, dos pareceristas e dos revisores, somos gratos, em especial, aos
autores que escolheram MODOS para divulgar suas pesquisas, dotando-a de qualidade e tornando-
a mais uma referência importante para divulgação dos estudos da história da arte, disciplina que
vem se fortalecendo pela atuação e expansão dos programas de pós-graduação em artes do país
e renovando seus pressupostos e abordagens, na medida em que alarga suas fronteiras para
enfrentar a arte e dizê-la em toda a sua potência diacrônica e sensível. Em 2017, publicamos 39
artigos e resenhas dedicados à produção, à crítica, ao colecionamento e à circulação das artes
visuais. Contamos com a colaboração de pesquisadores oriundos de 14 instituições estrangeiras,
de 8 países diferentes, além de pesquisadores vinculados a 16 instituições brasileiras. Para o ano
de 2018, os editores permanecem empenhados na publicação de artigos que atendam aos MODOS
da revista, com três dossiês distintos: “Montagem: a condição expositiva”, que compõe esta edição
e se transformará em seção fixa a partir do próximo número; “Objetos Inquietos”, que se propõe a
reverter as chaves de leitura tradicionais, a partir de um olhar sobre objetos que, na sua mobilidade,
incitam abordagens transversais na história da arte; e “Arte, Imagem, Política: Curadoria, Circuitos
e Instituições”, com o qual fecharemos a última edição do ano.

O número atual traz para os leitores o dossiê “Montagem: a condição expositiva”, que teve como
objetivo divulgar textos de artistas-pesquisadores que refletissem sobre as práticas expositivas e
seu impacto na produção e na circulação de suas obras, enfocando a “cozinha” da arte, no que
tange ao modo de preparo para vir a ser, para se fazer ver e chegar a público. Dez artistas brasileiros
discutem seu trabalho, tendo a condição expositiva como questão catalizadora. O pensamento
artístico é posto em realidade, nas experiências de projetos que enfrentaram suas viabilidades
espaciais e institucionais e de interação com o público, por vezes sublinhando a atuação do artista
como curador. Relatos sinceros, depoimentos pessoais e questionamentos de poéticas particulares,
aqui presentes, colocam o artista no seu devir prático e teórico, ator ativo no mundo contemporâneo.

Beatriz Raucher trata do desafio de deslocar uma prática artística urbana, Mini oásis, para espaços
expositivos convencionais, no caso as mostras coletivas Entre tempos (2009) e PólisPhonica (2013).
Estratégias expográficas distintas foram por ela utilizadas, com a finalidade de discorrer sobre o
processo de criação: no primeiro caso, ressaltando a conexão com o trabalho original e prolongando
seus efeitos em outro ambiente de recepção; no segundo caso, fazendo o processo avançar em
relação à ação original, recriando-a. Guto Nóbrega, por sua vez, questiona como as práticas
expositivas convencionais apresentam-se inconsistentes para construir um ambiente de
aproximação entre obras de arte/tecnologia/ciência e o público. Seu debate centra-se na edição de
Hiperorgânicos de 2017. Inspirada pelo formato C-Base de laboratório aberto, a “mostra” teve a
duração de três dias e reuniu experimentações artísticas abertas à participação do público bem
como organizou um simpósio com a participação de artistas-pesquisadores, cientistas, inventores e
o público em geral. Ao contrário das exposições convencionais, Hiperorgânicos abriu a possibilidade
de o público conectar-se com os convidados e compartilhar, em rede, de forma colaborativa,
experiências e problemas dedicados aos sistemas verdes, ambientes sensíveis e transensoriais.

Denise Camargo e Hugo Fortes debateram a exposição em sua relação com artistas, curadores e
público. A partir de sua experiência na montagem da exposição E o silêncio nagô calou em mim
(2013), Camargo refuta a tese de que curadores e artistas colocam-se em campos distintos no

MODOS revista de história da arte - volume 2 | número 1 | janeiro – abril de 2018 | ISSN – 2526-2963
processo de criação e concepção expositiva. A artista descreve o compromisso do curador Diógenes
Moura com sua produção e seu envolvimento com o objeto artístico a ser exposto, ao empenhar-se
em criar estratégias discursivas e expográficas que evidenciassem a poética de seu trabalho,
atuando o curador como co-autor. Hugo Fortes amplia o debate ao combinar sua experiência como
curador, pesquisador e artista na mostra coletiva Sinapses (2017). A exposição foi um desafio
intectual e sensível, na medida em que procurou apresentar os trabalhos dos artistas em sua gênese
e desenvolvimento, evitando constituir relações hierárquicas entre obras acabadas, documentos de
processo, ensaios e experiências criativas, arquivos poéticos ou acadêmicos. Ao optar por
apresentar todo o conjunto horizontalmente, em mesas, o artista-curador, a partir dos debates com
os artistas envolvidos e pelas limitações do espaço institucional, propôs uma abordagem expositiva
que recombinasse os signos e possibilitasse uma condição não cronológica e evolutiva de
apresentação das “obras”.

As implicações técnicas, conceituais e culturais na montagem de obras em diferentes instituições, a


constituição de novas versões das mesmas obras e o diálogo com agentes em cidades e países
distintos foram as preocupações centrais dos textos de Eriel Santos, Hélio Fervenza, Simone
Michelin e Patricia Franca-Huchet. Para o dossiê, Santos trouxe sua experiência com a montagem
da instalação A busca dá imagem (2001) no Museu de Arte Moderna da Bahia e, posteriormente,
em instituições culturais da Alemanha. Em cada uma das exposições, o artista viu-se confrontado
com adaptações que buscavam preservar as questões poéticas da obra e defrontado com as
diferentes formas de recepção por públicos de culturas diversas, fazendo-nos perceber a potência
da ideia artística que se recria a cada exibição. É o mesmo caminho traçado por Michelin, que
discute questões técnicas e ideológicas que cercaram a exposição de seus projetos artísticos MNA,
Admirável Mundo Novo (2001) e ADA, anarquitetura do afeto (2004). Como no caso de Nóbrega,
ela elenca e debate as questões que envolvem os projetos de arte/tecnologia/ciência em sua relação
com as instituições convencionais de arte, o quanto podem ser limitadoras mas também
viabilizadoras dessas poéticas, e com a participação de diversos profissionais e especialistas para
a consecução dos projetos, sublinhando a imprescindível atuação coletiva e colaborativa para a
consecução da obra contemporânea. Além disso, Michelin traz à baila inquietações importantes
sobre os limites entre os domínios público e privado, para além de uma audiência informada.

Fervenza retoma duas exposições-instalações, Prosa de Jardim e Local Extremo, realizadas em co-
autoria com Maria Ivone dos Santos e apresentadas em três instituições museológicas diferentes
em 2006 e 2016. O artista dedica-se há décadas às “formas” de apresentação e de circulação da
arte, dando ênfase ao distintos tempos e potências poéticas que convivem numa mesma obra-
exposição. Nesse tocante, Fervenza salienta que a montagem de uma obra, na perspectiva do
artista, orienta-se por concepções poéticas que suplantam, em muitos casos, parâmetros puramente
técnicos ou museográficos. Ou seja, a montagem funda-se no próprio fazer artístico, como uma
forma de “articular heterogeneidades”. Franca-Huchet parte de reflexões semelhantes na defesa de
que a montagem de uma exposição é condição inerente à obra, pois, a seu ver, “uma obra carrega
uma complexidade de tempos constituída pelos estratos de seu destino”. Focando-se na exposição
Disposição (2005) e citando outras mostras, Franca-Huchet amplia a reflexão sobre a questão
expositiva para todo um jogo de inteligência espacial, estratégias discursivas e processos de
visibilidade (com ênfase nos catálogos de exposição).

Em uma perspectiva mais intimista, Luise Weiss oferece-nos uma reflexão sobre processos,
registros e arquivos fotográficos por ela confeccionados e/ou armazenados e que, em primeiro
momento, foram descartados. Reorganizá-los pela primeira vez em uma montagem expositiva
abrangente, que procurasse conferir conexões entre eles, foi o desafio da exposição Labirinto e
Memória: A Poética Visual (2017). Na mesma perspectiva, Leila Danzinger reflete sobre seu trabalho

MODOS revista de história da arte - volume 2 | número 1 | janeiro – abril de 2018 | ISSN – 2526-2963
Perigosos, subversivos, sediciosos (‘Cadernos do povo brasileiro’), parte da exposição Hiatus: a
violência ditatorial na América Latina (2017), cuja constituição enlaça-se às perspectivas da
instituição que acolheu a mostra, o projeto curatorial e as dinâmicas históricas que informam sobre
a própria ação expositiva, relacionados com seu processo poético junto a arquivos históricos e que
denuncia, rememora e reinterpreta fatos políticos contra a liberdade.

Acreditamos que o dossiê “Montagem: condição expositiva” cumpriu seu papel de inaugurar na
revista MODOS um espaço para a reflexão de artistas-pesquisadores, falando em primeira pessoa
(do singular ou do plural), frente aos desafios dos processos criativos, ideológicos, culturais,
espaciais e técnicos na constituição de uma ação expositiva, em toda a sua variedade e realidade.
A partir de outro ponto de vista, o da observação e fruição, a revista publica, na seção
Exposições/Resenha, a investigação de Rachel Vallego sobre a exposição Vanguarda Brasileira
dos Anos 1960, da Pinacoteca do Estado de São Paulo, com obras da coleção Roger Wright, cedida
em comodato à instituição.

Outros importantes trabalhos completam este número, ampliando o foco de discussão. A dimensão
expositiva da obra de arte continua em debate por Ana Rita Vidica, em artigo que tece reflexões
sobre três intervenções urbanas onde a fotografia atua como elemento comum. Michele Sommer,
por sua vez, analisa o topos da exposição contemporânea diante dos desafios ofertados pela
produção artística atual e debate o próprio limite da condição expositiva operada em nossos dias.
Já os textos de Annateresa Fabris, Juliana Mafra, Alexander Miyoshi e Margarida Alves em parceria
com Bruno Marques constroem novas perspectivas críticas para debater questões relacionadas à
arte moderna e contemporânea em seus múltiplos aspectos. Fabris, em minuciosa investigação,
discorre sobre as diferentes interpretações do movimento futurista elaboradas pelo escritor Menotti
del Picchia em sua carreira, considerando-as oportunistas e apontando como reverteram a favor de
interpretações singulares. Mafra recupera parte da pesquisa empreendida em sua tese de
doutorado, O amargo humor da arte contemporânea, para discutir o significativo – e subestimado –
papel do riso e da ironia na produção feminista estadounidense nas artes visuais dos anos 1970/80.
Miyoshi relaciona textos de Michel Foucault da década 1960 a trabalhos artísticos desenvolvidos no
mesmo período, movido pelo desejo de apresentar a exemplaridade das análises do filósofo francês
em relação às obras de arte. Em artigo conjunto, Margarida Alves e Bruno Marques voltam seu olhar
para o mesmo período histórico, agora com a intenção de refletir sobre a recuperação de ações e
hábitos cotidianos nas práticas artísticas daquele momento. Por fim, o texto de Jennifer Way mostra-
nos como a história da arte pode ser escrita pela trajetória de um objeto artístico, prenunciando
questões que serão debatidas no dossiê “Objetos inquietos”, a ser publicado no próximo número.
Way toma como mote uma caixa vietnamita de laca como ponto de partida para considerar como a
arte pode suscitar sentidos distintos no jogo das relações internacionais estadunidenses. Enfim,
todos os textos aqui reunidos confluem para as inquietudes de uma história da arte dedicada a se
repensar, se reinventar, se atualizar, refletindo criticamente sobre os modos de expor, significar e
narrar, diante dos desafios trazidos pela contemporaneidade.

Equipe Editorial

MODOS revista de história da arte - volume 2 | número 1 | janeiro – abril de 2018 | ISSN – 2526-2963
LINDONÉIA
#02

1
LINDONÉIA
#02

Capa:Lygia Pape, Roda dos Prazeres, 1968

Roda dos Prazeres, de Lygia Pape, é um


círculo de tigelas com líquidos coloridos
para o público experimentar o “sabor” das
cores. Com o conta-gotas pode-se provar o
amarelo, o azul, o vermelho e os demais tons
disponíveis.

Da mesma geração artística e filiação estética


que Lygia Clark e Helio Oiticica, Lygia Pape
pertenceu, como eles, ao Grupo Frente (1953),
núcleo do Concretismo no Rio de Janeiro.
Ao longo dos anos cinqüenta, junto aos
demais artistas deste grupo, amadureceu as
divergências poéticas com os concretistas
de São Paulo, até chegarem à dissidência
Neoconcreta, formalizada em manifesto e
numa exposição, em 1959.
2
EXPEDIENTE COLABORADORES

Revista Lindonéia #2 - AGOSTO de 2013


Grupo de Estudos Estratégias da Arte numa Era de Catástrofes Untitled (Go-Go dancing Plattform), p. 5 [Felix Gonzalez Torres é um artista natural
Escola de Belas Artes-UFMG - Belo Horizonte/MG/Brasil de Cuba e naturalizado norte americano, reconhecido por sua militância a favor dos direitos
Contatos: grupo@estrategiasarte.net.br do homossexuais; falecido em 1996]
Site: www.estrategiasarte.net.br
Coordenação do Grupo: Profa. Dra. Maria Angélica Melendi (Piti)
Juliana Mafra e Samir Lopes [Inventário das ideias feitas, p. 9 ] são membros
do Grupo Estratégias da Arte numa Era de Catástrofes. Juliana Mafra é artista, professora
Editora deste número: Fabíola Tasca e doutoranda na EBA/UFMG. Samir Lopes é artista visual formado pela EBA/UFMG,
Tradução do texto Trabajar en Arte Contemporáneo (Curatoria Forense) e Revisão professor de desenho e pintura.
do texto Los exquisitos cuerpos de la miséria (Ivan Mejía R.): Adolfo Cifuentes
Jorge Menna Barreto [dexistir, p.15 ] é artista e pesquisador, doutor em Poéticas
Revisão do texto O rato que ruge (José Schneedorf): Alice Costa Visuais pela ECA/USP. Práticas artísticas e discursivas se mesclam em sua trajetória, seja
Projeto gráfico e diagramação: Melissa Rocha enquanto artista, crítico, tradutor, educador ou professor. Atualmente é professor convidado
Consultoria editorial: Hélio Alvarenga Nunes no curso de Arte: Curadoria, História e Crítica na PUC-SP.

Paulo Rocha [“Trabalhadores de Todo Mundo Descansem”: Pequenas


considerações sobre a superação da Arte e do trabalho, p.16 ] é membro do Grupo
Estratégias da Arte numa Era de Catástrofes. Graduado em filosofia pela UFMG. Integrante
do coletivo [conjunto vazio].

Nota: Tales Bedeschi [Mesa de trabalho, p.21 ] é membro do Grupo Estratégias da Arte
numa Era de Catástrofes. Graduado pela UFMG com habilitação em Gravura (2006) e em
Optamos por iniciar a revista com os nomes dos colaboradores, em detrimento Licenciatura em Artes Visuais (2009). Professor de audiovisual do Centro Pedagógico da
do uso habitual da organização via Sumário. Nada nos parece mais coerente UFMG. Atua frente a coletivos e redes de artistas como o PIA (Programa de Interferência
com a proposta desse número do que sermos guiados pela força de trabalho que Ambiental) e Kaza Vazia – galeria de arte itinerante.
edifica a revista. Os autores Felix Gonzalez-Torres, Mierle Laderman Ukeles e
Brian Eno tem suas colaborações antecedidas pelos títulos de seus trabalhos, Cláudia Zanatta [A difícil arte de vender antenas, p.22 ] é artista e professora do
Departamento de Artes Visuais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Desenvolve
diferentemente dos outros autores, cujas entradas são por seus nomes. Essa foi atualmente pesquisas voltadas à arte participativa.
a maneira de sinalizarmos que, nesses três casos, a colaboração constituiu-se
pela via da apropriação do trabalho em detrimento da negociação com o autor. A Touch Sanitation Performance, p.28 [Mierle Laderman Ukeles é uma artista norte
colaboração de Jessé Souza participa ativamente deste número, embora não possa americana conhecida principalmente por seus trabalhos de Crítica Institucional. Em 1969
ser encontrada aqui. O editorial disponibiliza as informações sobre o local onde escreveu um manifesto intitulado Arte de Manutenção que discute o status artístico de
atividades laborais ordinárias como cozinhar, limpar, lavar, etc.]
o texto pode ser encontrado. Tal manobra nos permitiu acolher o texto de Souza,
assinalando sua singularidade frente aos outros textos da revista, e convidar o
Frederico Canuto [E., p.29] é arquiteto e urbanista. Doutor em Poéticas da
leitor ao exercício de certos deslocamentos. O número dois da Revista Lindonéia Modernidade e professor da Universidade Federal de São João Del Rei. Tem como campo
opta por não diagramar textos teóricos separadamente de obras visuais, como o de pesquisa a questão do comum na contemporaneidade a partir de diversos campos
fez nos dois números anteriores. Esta opção parece-nos pertinente com a intenção disciplinares envolvendo o espaço, desde a arquitetura passando pela antropologia, arte,
geografia, literatura e filosofia.
de problematizar a canônica divisão social do trabalho. Assim, assumimos, com
Walter Benjamin [O autor como produtor], que a fronteira entre imagem e texto/
prática e teoria é aquela que urge ruir. Por isso, textos e imagens/ensaios e obras Ariel Ferreira [Oferenda, p. 38 ] é membro do Grupo Estratégias da Arte numa Era
de Catástrofes. Mestre em Artes pela EBA/UFMG e doutorando na mesma instituição.
visuais são aqui afáveis vizinhos, exercendo uma convivência horizontal e salutar.
Participou de várias exposições, entre elas: Bolsa Pampulha 2008; Rumos Itaú Cultural,
Trilhas do Desejo 2009-2009. Se Correr, Se ficar – individual na Galeria de Arte da CEMIG,
2004.
lindonéia
Revista Lindoneia #4 - setembro de 2017

Grupo de Estudos Estratégias da Arte numa Era de Catástrofes


Escola de Belas Artes-UFMG π Belo Horizonte/MG/Brasil
FOTO DA CAPA: fotografia de Maria
Auxiliadora Barcellos, retirada do fil-
me Retratos de Identificação, de Anita
Leandro.

Brasil, 2014, cor, 71’

Contato: anita.sleandro@gmail.com
Neste número

Editorial
Maria Angélica Melendi
09
Arte e memória num país onde a ditadura nun-
ca acabou (o perigo dos golpes brandos) 20
Adolfo Cifuentes

Cedo ou tarde, a arte não anistia


Alice Costa Souza
33
Feminismos quir: arte e ativismo latino-america-
no nas pós-ditaduras
51
Bárbara de Oliveira Ahouagi

Expediente Só à distância mostra-se os dentes: um dossiê de


primeira viagem 63
Hortência Abreu e Ricardo Burgarelli
Revista Lindoneia #4 - setembro de 2017
O contra-arquivo na arte, o poder xamânico de
Grupo de Estudos Estratégias da Arte numa Era de Catástrofes
Escola de Belas Artes-UFMG π Belo Horizonte/MG/Brasil
uma antropologia reversa 82
Contatos: grupo@estrategiasarte.net.br Melissa Rocha
Site: www.estrategiasarte.net.br
supressão/omissão, 1959-2006
Victor Galvão
95
Coordenação do Grupo: Prof . Dr . Maria Angélica Melendi
a a

Editora deste número: Profa. Dra. Maria Angélica Melendi


Coordenação de imagens: Profa. Dra. Maria Angélica Melendi e Melissa Rocha
Projeto gráfico: Douglas Pêgo e Alexis Azevedo
Complex pile, o grotesco e a merda da civilização
Juliana Mafra
107
Diagramação: Alexis Azevedo e Hortência Abreu
Revisão de textos: Alexis Azevedo Una pátria obscura: o que resta da anistia
Maria Angélica Melendi 130